Forças sírias bombardeiam Aleppo e Damasco

Damasco e Aleppo, as duas maiores cidades da Síria, foram bombardeadas nesta quinta-feira por forças leais ao presidente Bashar al Assad, que tentam expulsar os rebeldes dos principais centros de poder do país.

MARIAM KAROUNY, Reuters

26 de julho de 2012 | 10h34

Depois de se tornar um dos mais graduados desertores do atual regime, o general de brigada Manaf Tlas se apresentou como alguém capaz de unir a fragmentada oposição dentro e fora da Síria numa eventual transferência de poder.

O conflito na Síria começou há mais de 16 meses, mas entrou numa nova fase na semana passada, quando um atentado rebelde matou quatro integrantes do alto escalão do regime, gerando entre seus inimigos a expectativa de que os dias de Assad no poder estariam contados.

Mas, desde então, as forças do governo endureceram significativamente sua resposta à revolta armada. Aviões de combate foram vistos em ação sobre Aleppo, e fontes da oposição disseram que combatentes rebeldes estão sendo sumariamente executados nas ruas de Damasco.

Na manhã desta quinta-feira, moradores de bairros da zona sul da capital relatavam pelo menos um bombardeio por minuto, durante cerca de três horas. Helicópteros estavam atacando o bairro de Hajar al Aswad, um dos últimos redutos dos rebeldes na cidade após vários dias de combates nas ruas, segundo ativistas.

Depois de acuar os rebeldes em Damasco na semana passada, o Exército se voltou para Aleppo, reforçando sua presença na cidade com uma coluna de blindados que antes operava numa remota província do norte. Isso foi visto como um sinal de que o governo fará de tudo para não perder o controle sobre o principal polo comercial da Síria, uma cidade com 2,5 milhões de habitantes.

Houve intensos combates em Aleppo nas primeiras horas desta quinta-feira, e ativistas dizem que os rebeldes agora controlam metade da cidade, uma afirmação que não pôde ser verificada de forma independente.

"Houve bombardeios hoje de manhã nos bairros de Salaheddine e Mashhad", disse o ativista local Abu Hisham. "Agora parou, mas os helicópteros estão zumbindo aqui em cima."

Ativistas disseram que 24 pessoas foram mortas em combates na quarta-feira em Aleppo e arredores.

Desde o início da revolta, estima-se que cerca de 18 mil pessoas tenham sido mortas.

Tudo o que sabemos sobre:
SIRIAGUERRA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.