Forças sírias matam 62 civis; EUA endurecem sanções

As forças de segurança sírias mataram pelo menos 62 pessoas na sexta-feira em várias cidades do país, como parte da repressão aos manifestantes que pedem a renúncia do presidente Bashar al Assad. No mesmo dia, os Estados Unidos impuseram novas sanções a membros do regime sírio.

KHALED YACOUB OWEIS E SULEIMAN AL KHALIDI, REUTERS

29 Abril 2011 | 19h17

Uma fonte médica disse à Reuters que soldados mataram 19 pessoas na cidade de Deraa (sul), onde milhares de pessoas se reuniram vindas de povoados próximos para demonstrar solidariedade à revolta que eclodiu há seis semanas na cidade.

A entidade síria de direitos humanos Sawasiah disse ter os nomes de 62 mortos durante protestos nas localidades de Deraa, Rustun, Latakia, Homs e Qadam. O Observatório Sírio para os Direitos Humanos citou um saldo semelhante de vítimas fatais.

Os episódios de sexta-feira são mais um capítulo na maior onda de protestos populares em 48 anos de domínio do partido Baath no país.

Em reação à repressão, o governo norte-americano anunciou novas sanções contra personalidades sírias, incluindo um irmão de Assad, Maher, que comanda as tropas em Deraa.

A medida, assinada pelo presidente Barack Obama, atinge também a agência síria de inteligência e um primo de Assad, Atif Najib.

Logo depois do anúncio da medida, diplomatas da União Europeia disseram ter chegado a um acordo preliminar para impor um embargo de armas à Síria, além de cogitarem outras medidas restritivas.

Mais tarde, a Casa Branca afirmou: "somando-se às ações que tomamos, os Estados Unidos acreditam que as ações deplováveis da Síria com respeito ao seu povo justificam uma forte resposta internacional".

As sanções dos EUA, que incluem congelamento de bens e a proibição de relações comerciais com empresas norte-americanas, reforçam medias adotadas por Washington em 2004 contra o governo de Assad. Tais medidas, no entanto, tiveram impacto limitado, pois acredita-se que a cúpula do regime possui poucos bens nos EUA.

"QUEDA DO REGIME"

Milhares de sírios foram às ruas após as preces de sexta-feira para exigir a renúncia do presidente e expressar apoio aos moradores de Deraa. "A gente quer a queda do regime!", gritavam os manifestantes em vários protestos, segundo testemunhas.

Damasco, a capital, registrou o seu maior protesto até agora, com até 10 mil pessoas rumando na direção da importante praça Ummayad, mas sendo dispersadas com gás lacrimogêneo, segundo ativistas.

A Sawasiah disse nesta semana que pelo menos 500 civis foram mortos em seis semanas. As autoridades contestam essa cifra, dizendo que 78 policiais e militares e 70 civis foram mortos nos confrontos, que o regime atribui a grupos armados.

A agência estatal de notícias Sana acusou "grupos terroristas armados" pela morte de oito soldados perto de Deraa, e acrescentou que 156 militantes foram presos e 50 motos foram apreendidas.

Mas uma testemunha em Deraa disse que as forças do governo dispararam munição real contra milhares de moradores de aldeias próximas que convergiram para a cidade sitiada.

"Eles alvejaram as pessoas no portão oeste de Deraa, no bairro de Yadoda, a quase três quilômetros do centro da cidade", disse a fonte.

Um ativista local de direitos humanos afirmou que necrotérios improvisados na cidade continham os corpos de 85 pessoas supostamente mortas desde segunda-feira, quando o exército invadiu a cidade, perto da fronteira da Síria com a Jordânia.

Mais conteúdo sobre:
SIRIAREPRESSAOMORTOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.