Fórum dos leitores

O GRANDE GOLPE

O Estado de S.Paulo

01 Maio 2016 | 04h30

Descalabro econômico

Mais um preocupante índice é divulgado pelo IBGE: a Pnad Contínua confirma que só cresce o flagelo do desemprego. No primeiro trimestre de 2016, como já previsto pelos analistas, atingiu o assustador índice de 10,9%, ou 11,1 milhões de trabalhadores no olho da rua. Somente o setor industrial, em 12 meses contando até março, fechou 1,52 milhão de postos de trabalho. Tudo fruto deste descalabro econômico patrocinado pela Dilma! Mas as notícias da economia não param de nos surpreender: em março tivemos um novo déficit, agora de R$ 10,644 bilhões, o pior resultado desde 2001. Porém, mesmo com esse quadro tenebroso, em que o consumidor perdeu o fôlego financeiro, os custos não param de subir e corroem mais e mais o orçamento das famílias – que ainda sofrem com o crédito restrito por causa da alta inadimplência, juros do cheque especial acima dos 300% ao ano e do cartão de crédito em 449,1%. Para piorar, mesmo depois do cavalar aumento nos preços da energia elétrica em 2015, que retirou do bolso do trabalhador mais de R$ 50 bilhões para cobrir um grande rombo do setor, agora a imprensa divulga que outro rombo, de R$ 6 bilhões, terá de ser coberto pelo consumidor. E tudo por culpa exclusiva da Dilma! Na realidade, pelos fatos aqui citados, a presidente se configura como a grande golpista desta nação.

PAULO PANOSSIAN

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

Terra arrasada 

Nos momentos finais, este desgoverno Dilma está querendo arrasar definitivamente com as finanças públicas e ainda manter atos questionáveis, como o Programa Mais Médicos. Denunciado que foi, esse “programa” antes de vir a servir como ajuda à população serviu para encher o governo cubano – que não mais contava com a ajuda russa – com o nosso dinheiro. Do despendido para o pagamento de cada médico cubano, cerca de 80% ficam com a ditadura castrista. Denunciou-se até que parte desse montante estaria voltando ao País como reforço do caixa 2 de certo partido político... De qualquer maneira, agora, já de saída, a “presidenta” quer prorrogar o Mais Médicos, e sem exigir a revalidação de diploma, obrigatória para prorrogação de contratos. O que há por trás disso? Além do mais, enquanto defende a criação de mais impostos por falta de caixa, anuncia demagogicamente aumento para o Bolsa Família, que está mergulhado em desvios, com cerca de 200 mil bolsas pagas irregularmente. Plano Safra e liberação de mais FGTS para financiamento de casa própria também fazem parte desse saco de maldades de fim de (des)governo.

ÉLLIS A. OLIVEIRA

elliscnh@hotmail.com

Sabotagem

Dilma, a quase ex, já está sabotando o quase certo governo de Michel Temer. Decidir não fazer a transição com a eventual nova administração, sonegando informações e até eliminando dados – vai apagar todos os arquivos e queimar papéis? Parece que ela quer, a todo custo, deixar o Brasil ingovernável. Dessa forma, vai também entregar aos movimentos sociais, MST, MTST, à CUT cargos, verbas e terras, para obter seu total apoio. É realmente terra arrasada! Tudo isso deve ser considerado crime de lesa-pátria, que se vai juntar aos crimes anteriores, os quais serão certamente punidos, exemplarmente, em futuro próximo.

LUIGI VERCESI

luigiapvercesi@gmail.com

Botucatu

Me engana que eu gosto...

Que infâmia! Dilma, pela ganância de se manter no poder, procura realizar em dias, horas e segundos espalhafatosos o que não fez em anos de sua desastrada administração.

LUÍS LAGO

luislago2002@hotmail.com

São Paulo

Bom proveito

A cúpula do PT em conluio com o Palácio do Planalto decidiu que a quase ex-presidente não fará a transição com o futuro e certo governo Temer, mas não há o que recear. Os programas petistas não farão falta. Se tivessem surtido efeitos positivos, não teríamos os desordeiros do MST e do MTST destruindo bens públicos e privados, clamando por justiça; o atendimento no SUS seria exemplar; alunos do ensino fundamental e médio desfrutariam de escolas de Primeiro Mundo, as universidades federais não estariam à míngua, professores não fariam greves por melhoria do vergonhoso salário que recebem. Se o Bolsa Família e o Minha Casa fossem eficazes, não haveria pobreza e teríamos moradias para todos; tampouco existiriam mais moradores de rua e tanta gente vivendo debaixo de viadutos, esmolando um prato de comida. Portanto, os petralhas façam bom proveito de seus programas populistas, eleitoreiros, ineficazes. E se for por falta de adeus, até nunca mais. 

SÉRGIO DAFRÉ

sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

Sem transição – a piada

O PT não vai fazer a transição? Ora, faz-nos rir tamanha piada. Por dois motivos: 1) não há nada de bom a transmitir à futura gestão, já que tudo o que vinha sendo feito não tem proveito algum; e 2) não é novidade o PT deixar de apoiar seja o que for que não seja fruto da sabedoria de seus próceres. Portanto, todos os que querem o bem do povo e deste maravilhoso país juntem-se ao novo governo, contribuindo para sairmos desta crise, tão nefasta para todos os brasileiros.

JOÃO M. VENTURA 

joaomv@terra.com.br

São Paulo

À míngua

Deixar o futuro governo Temer à míngua de informações é o que pretende o vingativo PT. Movido a ódio por tudo o que foge a seu interesse na manutenção do poder pelo poder, não estranha o comportamento desmesurado demonstrado na governança, que nos levou ao desastre econômico e moral. Esse é o PT que mentia até ao intitular-se ético e sério na gestão pública, começando pelo respeito à lei. Já vão tarde. E não voltem nunca mais.

MARIO COBUCCI JUNIOR

maritocobucci@gmail.com

São Paulo

Medo da verdade

O fato de o PT se negar a efetuar a transição de governo na hipótese de mudança não se trata de vingança, não. É, sim, vergonha de explicar/mostrar tamanha incompetência.

BATISTA MORETTI

batista.moretti@hotmail.com

Cerquilho

Momento de decisão

Ao adotar a atitude (que não surpreende) de deixar “terra arrasada”, o PT deveria envergonhar de vez os parlamentares decentes que ainda apoiam o que aí está. Coragem! O Brasil está acima de quaisquer interesses.

ANDRÉ C. FROHNKNECHT

caxumba888@gmail.com

São Paulo.

“Sra. presidenta, não é preciso fazer a transição, basta devolver a Petrobrás e entregar o passaporte”

MARCOS CATAP / SÃO PAULO, SOBRE A SONEGAÇÃO DE INFORMAÇÕES A TEMER

marcoscatap@uol.com.br

“O problema da Dilma é que vão se sentar na cadeira dela. Ora, não seja por isso, o povo brasileiro a autoriza a levar a cadeira para casa”

OLAVO FORTES CAMPOS RODRIGUES / SÃO PAULO

olavo_terceiro@hotmail.com 

 

FESTA NO PRIMEIRO DE MAIO

A Central Única dos Trabalhadores (CUT) e centrais ligadas ao Partido dos Trabalhadores (PT), neste dia 1.º de maio, Dia do Trabalho, promoverão um enorme ato a favor de Dilma Rousseff, contra o “golpe” e o impeachment. Devem estar presentes os 10 milhões de desempregados, integrantes do Movimento dos Trabalhadores sem Teto (MTST), do Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST) e da União Nacional dos Estudantes (UNE), felizes com a falta de moradias, felizes com a reforma agrária, felizes com a Pátria Educadora. Alguns petistas históricos, como José Dirceu, João Vaccari Neto e outros companheiros não poderão comparecer, pois estão curtindo as celas da Polícia Federal. Quase me esqueci: o custo do evento deve ficar por conta da Petrobrás, da OAS, Odebrecht, Camargo Correa e Mendes Junior.

 

Olavo Fortes C. Rodrigues olavo_terceiro@hotmail.com

São Paulo

 

*

MINUTO DE GLÓRIA

 

Dilma Rousseff deveria aproveitar o Dia do Trabalho, 1.º de maio, para falar ao povo brasileiro em rede de rádio e televisão. Talvez esta seja a última oportunidade para se expressar como presidente. Em 2015, Dilma não se pronunciou, pois estava com medo do panelaço. A presidente pode ter certeza de que haverá panelaço todas as vezes que ela aparecer na tela da TV por um tempo superior a um minuto. Dilma deve aproveitar também para realizar as últimas viagens no avião presidencial, pois, depois de apresentado o relatório do senador Antonio Anastasia (PSDB-MG), terá de viajar como qualquer outro mortal, utilizando as companhias aéreas comerciais do País. Seus dias de glória acabaram, Dilma.

 

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte

 

*

SANHA PETISTA

 

Não satisfeitos em terem arrasado o País, e desesperados com a próxima perda de boquinhas e boconas, os petistas procuram minar o terreno para o próximo governo, aprofundando ainda mais o buraco em que afundaram a economia brasileira. Aumento do Bolsa Família e dos salários dos funcionários da Justiça são bondades aprovadas por Dilma de última hora cujo único objetivo é sabotar o governo de salvação nacional que terá de ser instalado. A presidente Dilma, em lugar de permanecer no Palácio da Alvorada à nossa custa, bem que poderia se alojar com os “companheiros” numa invasão de terra, com o marechal Stédile, ou com o professor Boulos, em prédio ocupado pelo MTST. Mas, se Dilma tem alguma virtude, coerência certamente não será ela.

 

Hélio de Lima Carvalho hlc.consult@uol.com.br

São Paulo

 

*

DIA DO TRABALHO

 

Colhida no “Jornal de Piracicaba” de 27/4/2016, mensagem para Primeiro de Maio: “Comerás o pão com o suor do teu rosto (...e não com o suor do teu irmão)”.

 

Carlos H. W. Flechtmann chwflech@usp.br

Piracicaba

 

*

ARTICULAÇÕES DE QUADRILHEIROS

 

São estarrecedoras as notícias que nos chegam sobre os preparativos da presidente Dilma no caso de o Senado decidir pelo seu afastamento durante seis meses. O “Estadão” de quinta-feira (28/4) publicou matéria em que informava que o Palácio do Planalto e a cúpula do PT já começaram a discutir estratégias de reação a uma eventual gestão do vice-presidente. A ordem é deixar todos os ministérios controlados pelo PT é deixar Michel Temer à mingua, sem informações sobre a administração. Até arquivos com dados estratégicos da administração estariam sendo apagados. Ora, se isso for verdade, é de um absurdo total, pois as informações e arquivos do governo federal não são de propriedade do partido da vez, mas fazem parte do patrimônio da administração federal. Os atuais administradores receberam seus vencimentos para administrar o País e, portanto, tudo o que foi produzido no período foi pago pelo Tesouro Federal, ou seja, por nós, por meio dos impostos mais escorchantes do planeta. Por sua vez, a jornalista Cristiana Lobo, da GloboNews, informou em seu blog que a presidente e seus assessores já estão despachando caixas com seus documentos para o Palácio da Alvorada e se preocupam em saber qual a estrutura a que ela terá direito durante o seu afastamento. E, segundo a jornalista, a grande dúvida é se ela poderá usar ou não o avião presidencial. Para os petistas, é um item tão importante que questionaram o presidente do Senado a respeito. E o motivo é de corar um frade de pedra: “O uso do avião presidencial é um dado importante porque os petistas querem organizar manifestações e atos em defesa de Dilma e estrutura do partido”. Dessa informação infere-se, se verdadeira, que o avião presidencial, da Força Aérea Brasileira, poderia ser utilizado por companheiras e companheiros para organizar manifestações a favor da presidente e contra o presidente em exercício, legitimamente empossado pelo Congresso Nacional, de acordo a Constituição do País. Ora, essa atitude estaria mais para uma quadrilha do que para uma equipe de governo afastada, em princípio, por seis meses. Tudo leva a crer que deverão entregar a um eventual governo Temer uma terra arrasada tanto quanto possível e a população brasileira, em particular o número recorde de desempregados, que se lixe. Tal atitude, a meu ver, por si só justificaria um impeachment permanente.

 

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

 

*

TERRA ARRASADA

 

A presidente Dilma já anuncia a política de terra arrasada que irá nortear os últimos dias de seu governo. O Brasil precisa criar mecanismos para se defender dessas ações e tentar evitar novos prejuízos causados por esse governo desastroso. Se nada for feito, o País terá de conviver por décadas com essas bombas que estão sendo armadas, como a mudança no licenciamento ambiental e tantas outras ações lesivas ao País. Quando o presidente da República sofre o impeachment, muitos de seus atos deveriam ser revistos, não é possível que o País tenha de conviver com os ministros indicados por Dilma para o STF, por exemplo.

 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

O SIGNIFICADO DO PT

 

Enfim, mas infelizmente para todos nós, que iremos padecer com essa economia em frangalhos, provaram-se adequadas as adjetivações apensadas ao partido de Lula antes de eleger-se presidente da República e alcançar o “pudê”: traiçoeiros, totalitários, tiranos do toma lá, dá cá e do “Pindura-Tudo”, que levaram o Brasil à “Perda Total”.

 

Frederico R. Hrdlicka fred.hrdlicka@gmail.com

Atibaia

 

*

CONSTRANGEDOR

 

Erro imperdoável na Constituição de 1988 não obrigar presidentes afastados por uma eventual abertura de processo de impeachment a desocupar também o Palácio da Alvorada. Embora deva deixar o gabinete presidencial no 3.º andar do Palácio do Planalto, na minha opinião, a presença ostensiva de Dilma Rousseff em Brasília não deixa de ser extremamente constrangedora.

 

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

 

*

CHAVE DOS BANHEIROS

 

Será que Dilma e seus ministros vão entregar a chave dos banheiros para seus sucessores? Quanta diferença da passagem de FHC para Lula... O Brasil é maior do que todos eles. Não merece tanta mesquinhez e falta de grandeza.

 

Silvano Corrêa scorrea@uol.com.br

São Paulo

 

*

CARTA BRANCA?

 

Os petistas pensam que 54 milhões de votos conferem o direito de roubar dinheiro público.

 

Eugênio José Alati eugeniojalati@gmail.com

Campinas

 

*

O FUNDO DO FUNDO

 

A profundeza em que o PT está se aprofundando com o passar dos dias é muito mais profunda que a profundeza do pré-sal.

 

Vanderlei Zanetti zanettiv@gmail.com

São Paulo

 

*

ALERTA PERMANENTE

 

A presidente Dilma Rousseff, apostando no axioma publicitário de que uma mentira sempre repetida acaba por transformar-se em verdade indiscutível, reafirmará insistentemente aos quatro ventos que é vítima de um golpe parlamentar, embora o processo de afastamento conduzido pelo Congresso Nacional transcorra dentro de normas estabelecidas pelo Supremo Tribunal Federal (STF). A sociedade deve, portanto, manter-se em alerta permanente contra essa tática que recorrentemente surge em governos ou que estão no ocaso ou que se caracterizam por viés autoritário.  

 

Paulo Roberto Gotaç prgotac@Hotmail.com

Rio de Janeiro

 

*

INJUSTIÇADA

 

A quase ex-presidente esteve esta semana na Bahia e, como de hábito, choramingou, com violência nas palavras, sobre seu legítimo pedido de impeachment. Não fosse pelo caso específico objeto do julgamento, as pedaladas fiscais, poderia ser pelo conjunto da sua obra, que quebrou o Brasil. Tivesse a presidente um pouco de equilíbrio emocional, pelo menos, comportar-se-ia melhor, em vez de agredir terceiros, adversários que nada mais fazem – e com apoio da sociedade – do que procurar salvar o País dos erros cometidos pela incompetência da própria presidente.

 

Mario Cobucci Junior maritocobucci@gmail.com

São Paulo

 

*

CRIME E PUNIÇÃO

 

A hipótese de que a infração – o crime – não foi percebida pela equipe no governo Dilma não é descartável. Mas a falta de conhecimento do crime não isenta de punição, que não é golpe. A conscientização cultural acontece agora.

 

Harald Hellmuth hhellmuth@uol.com.br

São Paulo

 

*

ERROS DO PT

 

“As pessoas que admitem que estão erradas chegam muito mais longe que as pessoas que provam estarem certas.” Faltou ao PT e a Dilma lembrarem-se dessa máxima da jornalista Beryl Pfizer.

 

Jorge Peixoto Frisene jpfrisene@zipmail.com.br

São Paulo

 

*

IMPEACHMENT

 

Chegando à reta final do impeachment. Com a comissão instalada no Senado e o calendário definido dentro do rito estabelecido pelo STF, o impeachment de Dilma, felizmente, vai se tornando uma realidade. Assim como a democracia plena só há de admitir, não faltaram até aqui debate e direito de defesa ampla para a presidente Dilma Rousseff, Um final de soberania de poder do PT melancólico, já que, na eleição para escolha do presidente e relator dessa comissão no Senado, o partido de Lula, junto de mirrados aliados, não passava de um nanico: entre os 21 senadores que compõem a comissão, apenas 5 defendiam Dilma. Ou 24% do total, um pouco melhor do que a aprovação da popularidade da presidente, em torno de 10%, nas pesquisas de opinião. Se fosse esse inferno astral somente para as hostes petistas, nada nos importaria. O buraco é mais fundo, porque essa desolação atinge toda a população brasileira, que vive angustiada com a recessão econômica, o desemprego em massa e a falta de perspectiva para o crescimento do PIB. Como consolo, que venha urgente este impeachment da presidente. E que Michel Temer, como provável chefe da Nação, com sua larga experiência, seja iluminado para compor seu ministério e sua base parlamentar em condições de fazer as necessárias reformas, reconduzir o País ao crescimento econômico, alavancando o mercado de trabalho, privilegiando a distribuição de renda e a paz social.

 

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

 

*

FICHAS LIMPAS

 

A comissão de impeachment no Senado tem pelo menos um terço de parlamentares respondendo a inquéritos no Supremo Tribunal Federal (STF). E quatro deles são investigados pela Operação Lava Jato. A que ponto chegamos! Quer dizer que parlamentar não precisa ter ficha limpa?

 

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

 

*

RUI BARBOSA

 

A frase de Rui Barbosa “de tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto” nos remete aos dias de hoje, no que concerne à desonra prosperando com o poder nas mãos dos corruptos que proliferaram nos últimos 14 anos.

 

Sonia Maria Sabbag sonia.sabbag@projov.org.br

Barueri

 

*

REFORMA

 

Não seria esta uma boa época para fazer reformas? Uma ótima a ser feita e que faria sobrar dinheiro no caixa da União, de Estados e de municípios, seria já nas próximas eleições a redução de 1/3 do Senado e de 50% das Câmaras federal, estaduais e municipais.

 

Paulo Colella Neto colellaneto@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

JANAINA PASCHOAL NA COMISSÃO

 

Na sua exposição na comissão do Impeachment do Senado, na quinta-feira, a advogada Janaina Paschoal, que assina o pedido de impeachment da presidente, conseguiu se sair bem, demonstrando clareza de raciocínio, educação e coragem na exposição de seus argumentos, sob uma chuva de insensatas ofensas e deboche da bancada do governo, que, como sempre, preferiu procurar denegrir quem e contra o que defendem do que apresentar respostas aos fatos e acusações apresentadas, repetindo frases feitas, vazias de conteúdo e, certamente, previamente combinadas entre eles. Apesar disto tudo, a advogada e professora, usando linguagem simples, explicou clara e irrefutadamente a natureza das acusações contidas no pedido de impeachment do qual é uma das autoras. Pena que alguns colunistas, nos seus comentários, preferiram se apegar a formalismo e somente destacar negativamente a necessária e bem colocada defesa pessoal que a advogada apresentou contra as difamações infundadas que os defensores da acusada insistem em divulgar. Só demonstram com isso seu completo alheamento em relação à importância maior dos esclarecimentos insofismáveis prestados pela corajosa patriota que assumiu os riscos de investir contra a quadrilha que assaltou o erário e comandou o maior desastre econômico deste país.

 

Carlos Ney Millen Coutinho cncoutinho@uol.com.br

Rio de Janeiro

 

*

VENDO E OUVINDO DEMAIS

 

Parece que fui a única que ouviu a advogada Janaina Paschoal, de tanta interferência proposital e má-educação dos senadores, para que ninguém ouvisse: que não foi divulgado adequadamente o teor da sua denúncia, baseada, em primeiro lugar, no grande desvio do dinheiro público pelos governos de Lula e Dilma, via propinoduto da Petrobrás, para os governos “irmãos” de Angola, Cuba e Venezuela. Esse primeiro pilar da denúncia, de excepcional gravidade, como ela explicou, foi suprimido por obra de Ricardo Lewandowski, sumariamente, na própria sessão do Supremo Tribunal Federal (STF) televisionada, na discussão sobre a validade do impeachment. Coisa que eu também vi, e estranhei, na ocasião. Pelo jeito, ando vendo e ouvindo demais.

 

Cecilia Prada amaralprada@uol.com.br

São Paulo

 

*

A CAMARILHA

 

Assistindo aos trabalhos da Comissão do Impeachment no Senado, quando compareceram como defensores do impeachment da ainda presidente Dilma a dra. Janaina Paschoal e o dr. Miguel Reale Jr., a camarilha de Dilma comportou-se de forma vergonhosa e criminosa ao desqualificar quem se opõe à sua ideologia, aliás, o que é regra dos “petralhas”. Então, dra. Janaina, já que o dr. Reale Jr. retirou-se mais cedo, ficou à mercê dessa camarilha formada também por aliados do PCdoB e do PDT ouvindo barbaridades e acusações levianas, além de desqualificar seus conhecimentos jurídicos. Mas ela, cansada e com problemas de garganta, não esmoreceu mesmo ficando mais de nove horas prestando esclarecimentos, acabou dando uma aula aos senadores e a quem a assistia pela TV sobre o porquê foi pedido o impeachment. Só a camarilha não quis saber, aliás, sabem que foram cometidos crimes de responsabilidade fiscal, mas a ideologia e a falta de caráter os impedem de concordar com a verdade. Lamentável que tenhamos esse tipo de gente representando tão mal seus Estados naquela Casa. Quero render minhas homenagens à dra. Janaina, que com essa sua atitude corajosa, com fibra, caráter e determinação, enfrentou esta camarilha no Senado e na Câmara também, e assim nos livrará desta organização criminosa que se instalou no poder.

 

Agnes Eckermann agneseck@gmail.com

Porto Feliz

 

*

A DEFESA DA PRESIDENTE

 

A sessão de quinta-feira da Comissão do Impeachment no Senado, transmitida pela TV, mostrou uma briguinha na saída da escola entre os estudantes e os não estudantes. A defesa da presidente Dilma, feita pelos senadores do PT e do PCdoB, sem argumentos, insistindo no “golpe”, foi revoltante. Sugiro aos defensores da autora da quebra do País que paguem os salários dos que perderam os empregos, dos empresários que fecharam as portas e aos contribuintes pelos altos impostos, que retirem dos próprios salários e das contas dos que se beneficiaram dos roubos da estatais e os reembolsem. 

 

Mário A. Dente eticototal@gmail.com

São Paulo

 

*

ATENTADO

 

A defesa feita pela AGU insiste, com base em interpretações, em que o impeachment é um atentado à Constituição, por isso é golpe... Estando mais do que provado por inúmeros fatos, e não interpretações, que o governo Dilma é um atentado ao Brasil, qual dos dois seria golpe maior?

 

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo

 

*

NÃO CABE

 

O senador Magno Malta, durante as argumentações na Comissão de Ética ao advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, soltou esta frase magistral e perfeita: as alegações da defesa de Dilma são como “uma mão de pilão querendo ser enfiada na garganta de um pinto. Não cabe!”. É assim mesmo que nos sentimos, que nos querem enfiar essa “inocência e honestidade” de Dilma Rousseff pela goela abaixo. Não dá!

 

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

 

*

O PAÍS VEM PRIMEIRO

 

Imaginemos que, por obra de uma forte mandinga, dona Dilma escapasse do impeachment. O que ela teria de bom para fazer pelo Brasil? Pense nisso, você, que está aí lamentando a má sorte da presidente. O que importa é a sorte do País.

 

Euclides Rossignoli euclidesrossignoli@gmail.com

Avaré

 

*

OLIMPÍADA 2016

 

As arenas esportivas estão basicamente prontas, vários esportistas brasileiros estão orgulhosos, Lula trouxe pela primeira vez os Jogos Olímpicos para o Brasil. Enquanto isso, a população do Rio de Janeiro está morrendo nos corredores dos hospitais, os aposentados públicos não estão recebendo, a segurança pública está um caos, mas dinheiro para a Olímpiada nós temos – e isso é mais importante que o sofrimento de uma população, pois políticos não se tratam em hospitais públicos, têm segurança particular garantida e com certeza não dependem de aposentadoria pública.

 

Carlos Alberto Duarte carlosadu@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

LEGADO

 

A Olimpíada vai deixar o mesmo legado da Copa do Mundo: obras superfaturadas, espaços descartáveis e nenhuma melhoria para a população brasileira. Por acaso, no governo do PT...

 

Luíz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

 

*

AINDA A CICLOVIA QUE DESABOU

 

Prefeituras de grandes cidades como São Paulo e Rio de Janeiro têm entre seus funcionários centenas de engenheiros e arquitetos. No entanto, terceirizam o trabalho de fiscalização e/ou gerenciamento das obras, funções primordiais desses cargos, um evidente expediente para desvios de recursos. Mesmo sendo nascido e criado neste país, fiquei espantado com a declaração do prefeito do Rio sobre a Concremat – empresa que teria contrato para fazer o gerenciamento de 7 obras, inclusive a da Ciclovia Tim Maia, que desabou na semana passada –, de que esse gerenciamento seria apenas o de “acompanhar o cronograma da obra, e não a fiscalização da qualidade”. Será que li direito? Ou o prefeito não sabe o significado de cronograma? Para acompanhar o cronograma, não seria necessária uma empresa, tampouco um engenheiro – um bom mestre de obras daria conta do recado, caso nenhum dos engenheiros que dão expediente na prefeitura estivesse disponível. Na corrupção institucionalizada que domina o País, esses trabalhos de “fiscalização”, “gerenciamento” e “acompanhamento” são na realidade mais um bônus à disposição da classe que mais cresce neste Brasil – os “moralmente flexíveis”.

 

Nestor R. Pereira Filho rodrigues-nestor@ig.com.br

São Paulo

 

*

DESABAMENTOS

 

Na quinta-feira, 21/4, em menos de 24 horas, as duas maiores cidades do Brasil, São Paulo e Rio de Janeiro – esta sede da Olimpíada, sofreram dois desabamentos de obras, com mortes. E as autoridades das duas cidades tentaram enrolar a população e disfarçar as responsabilidades. A sensação térmica pode ter provocado a ressaca no mar, que levou ao acidente na ciclovia no Rio de Janeiro, mas a sensação de todo brasileiro na conjuntura atual é de que a economia do País está desabando na cabeça de cada um de nós e o desgoverno somente se ocupa e se preocupa em não largar o poder.

 

Yvette Kfouri Abrao abraoc@uol.com.br

São Paulo

 

*

RESSACA

 

Se uma única ressaca causa tanto estrago, como aconteceu no Rio de Janeiro, que dizer das constantes ressacas de Lula?

 

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

 

*

CICLOVIAS

 

A única diferença entre a maior parte das ciclovias da cidade de São Paulo e a que desabou no Rio de Janeiro é que as daqui já estão no nível do chão. A julgar pelo grau de deterioração em que se encontram, as paulistas já teriam desabado há tempo.

 

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

 

*

ESPORTE E VELÓRIO

 

Muitas pessoas ficaram mais chocadas com o futebol na praia ao lado das vítimas da queda da Ciclovia Tim Maia do que com a queda da ciclovia e as mortes em sua consequência. Vale refletir em apenas alguns pontos: o que foi a Copa do Mundo no Brasil, senão vários jogos de futebol ao lado das muitas vítimas do descaso? O que serão os Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro senão a diversificação das modalidades esportivas ao lado dos inúmeros corpos estendidos nos hospitais (quando lá conseguem chegar)? Por fim, são os corpos que não deveriam estar expostos na praia ou o futebol entre amigos? Certamente, nossos governantes têm as respostas.

 

Emerson Franchini emersonfranchini@hotmail.com

São Paulo

 

*

O DINHEIRO FOI ROUBADO

 

A Justiça decretou o arrestamento das finanças do Estado do Rio para pagamento dos funcionários inativos. Ora, a Justiça deveria decretar o arrestamento de todos os bens do governador, do vice-governador, de todos os secretários de governo e de todos os funcionários nomeados sem concurso, ou seja, dos funcionários fantasmas e amigos do rei. Só assim acabaremos com a maracutaia desses governantes inescrupulosos. Alguém tem dúvida de que, se há falta de dinheiro, é porque ele foi desviado? No português popular, ele foi roubado. Se alguém quiser saber onde se encontra esse dinheiro desviado, basta checar os bens desses membros do governo.

 

Antonio Antunes antonioantunes@uol.com.br

Rio de Janeiro

 

*

RAPOSAS

 

Que me perdoem os amigos cariocas, mas, quando o Rio de Janeiro foi escolhido como sede da Olimpíada, não fiquei feliz. Assisti ao evento de “cabo a rabo” e, à vista da comemoração dos ilustres personagens presentes – entre eles o inominável presidente, o “perfeito” Eduardo Paes e muitos interessados –, vi a imagem de raposas salivando pelas uvas: as obras que poderiam gerar, além do chamado legado para gáudio dos presentes, muito dinheiro para bolsos e cofres dos partidos políticos do País. Esse triste e trágico evento ocorrido na Ciclovia Tim Maia é consequência da ganância desmedida, e os culpados estavam todos lá!

 

Aparecida Dileide Gaziolla aparecidagaziolla@gmail.com

São Caetano do Sul

 

*

VAZIO

 

Parece pouco termos perdido “somente” duas pessoas no absurdo desabamento da Ciclovia Tim Maia, no Rio de Janeiro. Mas, este “apenas” representa um turbilhão na vida de avós, pais, mães, esposas, filhos, parentes, amigos, trabalho, futuro... Irresponsável, imperdoável e irreparável!

 

Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

 

*

PROJETO FALHO

 

O que está sendo detectado de falhas no projeto da ciclovia da Avenida Niemeyer é de arrepiar. Falta isso, falta aquilo, não previram isso, flagrante de falta de parafusos no guarda corpo, etc. Olha, é muita irresponsabilidade. Que tipo de profissionais estão à frente dessas obras? Estagiários? Acho que nem estagiário faria isso. Isso reforça minha suspeita de que, na pressa para inaugurar a obra, executam de qualquer maneira. Cadeia é pouco para eles. Mas não vai acontecer nada disso. Isso aqui é Brasil.

 

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

 

*

CICLOVIA TIM MAIA

 

O Rio de Janeiro sempre exibindo a notória e inconteste “bossa carioca sem paralelo no mundo”, conforme dizem. Acaba de mostrar, às vésperas do início dos Jogos Olímpicos na cidade, como projetou e construiu uma ciclovia “no balanço do mar”. Deu no que deu. Vergonha, incompetência, descaso e mortes. “O barquinho vai, a ciclovia cai...”

 

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

 

*

NOME

 

Ciclovia Tim Maia é rebatizada como Dilma Rousseff. Não aguenta pedalada e cai.

 

Moyses Cheid Júnior jr.cheid@gmail.com

São Bernardo do Campo

 

*

UNIFORMES ANTI-ZIKA

 

O tão propagado legado da Rio 2016, de que os cariocas pouco vão usufruir, com obras incompletas, modificadas, ou feitas no “embrulha e manda” para terminarem a tempo, ou abandonadas, como a despoluição da Baía de Guanabara, pelo menos poderia contar com uma valiosa e verdadeira contribuição da Coreia do Sul, disponibilizando a tecnologia utilizada para a confecção dos uniformes olímpicos anti-Zika, feitos com material repelente ao temível mosquito. Mais uma vergonha para nós, entre tantas que temos sofrido ultimamente, mas uma constatação da incapacidade dos nossos governantes de cuidar daqueles que os elegeram.

 

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro 

Mais conteúdo sobre:
PTDilma Rousseff

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.