Fórum dos leitores

LULOPETISMO

O Estado de S. Paulo

12 Julho 2015 | 03h00

Desemprego

Em crise, 60% das indústrias reduzem a força de trabalho e um terço delas vai demitir, segundo a CNI. Por enquanto, pois pode piorar. Mas não vejo notícias do governo federal demitindo, reduzindo ministérios, etc. O custo do milhão dos aposentados públicos é varias vezes maior que o dos 23 milhões do INSS. O BNDES financia obras - que não há aqui - em outros países. Haja filé e champanhe para encher todas as boquinhas federais.

MÁRIO A. DENTE 

dente28@gmail.com

São Paulo

Calamidade

Diz o ministro do Trabalho, Manoel Dias, que 244 mil demissões, até o momento, no ano não é um desastre. Verdade, não é mesmo. É uma calamidade! Decerto ele vive em outro mundo, pois tal número é desastroso em qualquer país deste planeta. Considerando uma média de quatro dependentes para cada demitido, a sobrevivência de 1 milhão de pessoas está comprometida.

ANGELO TONELLI

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

Sangria da poupança

O povo brasileiro perdeu em definitivo a confiança neste desgoverno. Para não correr o mesmo risco do malfadado desgoverno Collor (confisco), os saques da poupança atingiram R$ 38,5 bilhões no primeiro semestre, o maior volume em 20 anos! Causas: emprego e salários em queda, contas reajustadas acima da inflação e, para poucos, uma tentativa de investimentos mais atrativos (existem?). O desgoverno do PT chegou ao fundo do poço e quer levar o povo junto, com uma carga tributária que se aproxima dos 40% do PIB. Quando teremos a condenação dos usurpadores do erário, para esquecermos para sempre os 13 anos da desgraça petista causada ao País, cuja reconstrução poderá demorar mais de dez anos?

FERNANDO SILVA

lfd.dasilva@2me.com.br

São Paulo

Falência

Existem três saídas para o País. Primeira, reforma. Segunda, reforma. Terceira, reforma. O Estado exauriu-se, o Titanic Brasil está seriamente avariado, atravessando uma das maiores tempestades de todos os tempos, sem visualizar ou sequer ter na bússola a direção de um porto seguro. Tenta-se fazer os reparos navegando dentro da tormenta. Mas ninguém nesse governo tem autonomia para tanto. Aliás, para quem ainda tenta defender o governo destes 12 anos, é bom lembrar que se a lição de casa tivesse sido feita com atenção e competência, direcionando o desenvolvimento do País para atender, com planejamento e objetividade, a uma estrutura de economia de base, e tratando a coisa pública com a seriedade merecida, a situação não estaria no pé em que está. Só isso já seria suficiente para o índice de aprovação não estar no fundo do poço. Mas à administração caótica se somam ainda denúncias de toda ordem nos diversos escalões...

MANOEL BRAGA

manoelbraga@mecpar.com

Matão

Destruição do real

Pelos estratosféricos valores que vêm sendo apurados - R$ 52 bilhões na Lava Jato, R$ 196 bilhões no Postalis, milhões e milhões envolvidos com a Fifa, R$ 8,5 milhões no affaire Márcio Thomaz Bastos, e assim por diante em dezenas de outros -, logo, logo precisará ser decretado o real novo, para expressar as quantias envolvidas nas negociatas tupiniquins e além-mares.

PAULO BUSKO

paulobusko@terra.com.br

São Paulo

Canoa furada

Entramos numa furada! O grande risco que o Brasil corre não veio só dos milhões de brasileiros que acreditaram na Dilma, mas do fato de ela continuar achando que tem competência para ser presidente.

JOÃO MANUEL CARVALHO MAIO

clinicamaio@terra.com.br

São José dos Campos

Estilingue e vidraça

Imaginem se hoje o PT ainda fosse oposição e tivéssemos no poder um governo medíocre como esse que está aí. O partido agiria da seguinte forma: colocaria os sindicatos nas ruas (que hoje sumiram. Cadê a CUT?); diria que os sagrados direitos dos trabalhadores estão sendo suprimidos como nunca antes neste país; os ditos movimentos sociais também iriam às ruas, pedindo a saída do presidente em nome da salvação nacional; as greves seriam diárias; Brasília seria sitiada e as estradas, bloqueadas. O PT também diria que a corrupção está acabando com o País, que a Petrobrás foi saqueada pelos traidores da Pátria. E o caos seria instalado propositalmente, para o PT fazer o tipo de política que mais sabe fazer: o “quanto pior, melhor”. Pois é, o PT provou que nasceu para ser estilingue, e não para ser vidraça!

JOSÉ MILTON GALINDO

galindo52@hotmail.com

Eldorado

OPOSIÇÃO

União

Unir os brasileiros para preservar a nossa integridade deve ser o objetivo maior da oposição. É tudo o que um País dividido, destruído por Lula/Dilma, precisa para voltar a crescer em direção ao Primeiro Mundo.

MARIA HELENA CABRAL

mh@esencial.com.br

São Paulo

JUSTIÇA ELEITORAL

O poder do TSE

Se a maioria dos ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) constatar ilegalidades na campanha de Dilma Rousseff, cuja pena é a destituição do cargo, assim como em relação ao vice-presidente, para que não se alegue um “golpe”, a exemplo do episódio paraguaio do afastamento de Fernando Lugo (poucos magistrados a destituir o presidente da República), é hora de reduzir os poderes jurisdicionais do TSE e convertê-lo num órgão meramente instrutório do Parlamento. Sob idêntico raciocínio jurídico, como podem continuar exercendo o poder de afastar prefeitos e governadores?

AMADEU R. GARRIDO DE PAULA

amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

NINHO TUCANO

Racionamento

Governador Geraldo Alckmin, pare de enganar a população. No Jardim Bonfiglioli o racionamento chegou forte e não temos água nem na caixa.

MAURÍCIO LIMA

mapeli@uol.com.br

São Paulo

Nota Fiscal Paulista

Mexendo no programa o governo demitiu milhões de fiscais que trabalhavam, e de graça, pelo ideal do não à sonegação. Volte atrás, governador.

LUIS PAULO SOARES

soareslp@ig.com.br

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

PÂNICO NO PALÁCIO DO PLANALTO

A presidente Dilma Rousseff, sentindo que o "bicho vai pegar", pois sabe que os ministros do Tribunal de Contas da União (TCU) têm fortes elementos para recusarem as suas contas de 2014 - o que eventualmente poderá levar os parlamentares a decretar o seu impeachment -, escalou o advogado-geral da União e o ministro do Planejamento para tentarem reverter a situação. E são interessantes as estratégias iniciais: "Esta realidade existiu em 2000, 2001, 2002 e assim por diante e foram situações consideradas regulares pelo tribunal". Ou seja, nós fizemos, mas FHC fez também - e fica subentendido que Lula idem. Ora, primeiro, não é pelo fato de que o TCU teria relevado o que não poderia relevar que vai ter de continuar relevando. Segundo, esta de que "trambiquei, mas quem não trambica?" cabe bem ao personagem criado pelo saudoso Chico Anísio, mas, como declaração do governo, não tem graça nenhuma. 

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br 

São Paulo

*

IMPEDIMENTO

A oposição ao governo incita a discussão de um possível impeachment da presidente Dilma. E um dos argumentos são as chamadas "pedaladas fiscais" denunciadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU). Enquanto isso, o Ministério Público Estadual denunciou servidores de São Paulo pelo desvio de muitos bilhões de reais do ICMS. Fica, então, a pergunta: isso não poderia motivar a discussão sobre a cassação do mandato do governador do Estado? Por que a diferença do tratamento pela oposição, que, por sinal, domina o Estado há mais de 20 anos?

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br 

Santos

*

MOMENTO DE DEFINIÇÃO

Dilma Rousseff e os petistas dizem que a oposição é "golpista", quando, na verdade, a oposição recorre a julgamentos de órgãos oficiais autônomos de controle e instrumentos previstos no Código Penal e na Constituição para abordar a quase insustentável situação política em que se encontra o governo federal, diante de tantos descalabros por ele cometidos nos últimos tempos. Dilma diz que vai defender seu mandato "com unhas e dentes". Seu mandato? E o País? E os mais pobres, que sofrem com a crise que ela criou? Dilma diz que não vai cair, querendo passar por cima dos tribunais eleitoral e de contas, que investigam se sua campanha eleitoral do ano passado foi ou não financiada ilegalmente e qual é a sua responsabilidade no caso das pedaladas que levaram o governo à situação de penúria fiscal em que se encontra. Dilma faz saudações à mandioca. Dilma apedreja a lei de delações premiadas que ela própria sancionou, apenas porque os delatores estão colocando ela, Lula e seu partido em maus lençóis no curso da Operação Lava Jato, que investiga a corrupção na Petrobrás. FHC assumiu o País 20 anos atrás, num momento de anormalidade, e o colocou na rota da normalidade. Hoje, graças a Dilma, Lula e o PT, tudo vai por água abaixo: colhemos indicadores econômicos iguais ou piores que os que víamos naquela situação tão difícil, e andamos no fio da navalha institucional - um momento de definição sobre os rumos democráticos do País, em que se decretará se os petistas podem fazer o que quiserem para permanecer no poder ou se serão punidos, como merecem, por suas ilegalidades, deixando o exemplo para governantes futuros de que há limites na atuação pública que não devem jamais ser ultrapassados. Acompanhemos os próximos passos. 

Henrique Brigatte hbrigatte@yahoo.com.br 

Pindamonhangaba

*

GOLPISMO DE ESQUERDA

A presidente Dilma Rousseff acusou a oposição de "golpe" e disse que defenderá o mandato "com unhas e dentes". Tome cuidado, "presidenta", entenda que, se a oposição fizer alguma coisa neste sentido, ela o fará dentro da lei e o seu eventual impedimento será assinado pelos presidentes do Congresso Nacional e do Senado, que pertencem à sua base aliada. O temido "golpe" está mais perto de vir de São Bernardo do Campo do que do eixo Jardins-Higienópolis-Belo Horizonte.

José Carlos Degaspare degaspare@uol.com.br

São Paulo

*

GOLPES

 

Há vários tipos de golpes. O que dona Dilma fez no seu primeiro mandato e na campanha eleitoral idealizada por João Santana, PT e Lula? Mentiu. Depois de eleita, a população, incrédula, viu o oposto. Do que eles chamam isso? Golpe branco? Estelionato eleitoral? Poupe-nos! O impeachment está na Constituição brasileira.

Tania Tavares taniatma@hotmail.com 

São Paulo

*

FORÇAS ARMADAS EM SILÊNCIO

Na História recente da humanidade os golpes de Estado, as revoluções, as quarteladas e outras aventuras mais, em todo o mundo, sempre tiveram e ainda têm participação efetiva de militares, de todo tipo e matizes. Como estariam no momento as nossas Forças Armadas, quando tanto se fala - governo e oposições - sobre o assunto? O silêncio, quando profundo, é tão preocupante quanto o excesso de barulho!

Adriles Ulhoa Filho adriles@uai.com.br

Belo Horizonte

*

POBRE BRASIL

A inquilina do Palácio do Planalto acha que querem tirá-la da Presidência por motivo político. Na verdade, é por incompetência administrativa. Ela não enxerga que é a responsável pela destruição do Brasil. Muitos acham que ela está "lelé da cuca", e suas aparições nas redes sociais fazem o povo gargalhar e sentir vergonha. Presidente, renuncie e sirva à Pátria pelo menos uma vez.

Roberto Hungria cardosohungria@gmail.com  

Itapetininga

*

DIA DO SAIO

A presidente deveria ter a dignidade de, parafraseando Dom Pedro, declarar: "Se é para o bem do povo e felicidade geral da nação, diga ao povo que saio".

Carlos Renato Napoleone crnapoleone_50@itelefonica.com.br 

Agudos 

*

PPE

Com mais de 80% de reprovação ao seu desastroso desgoverno, mal iniciado o segundo mandato, Dilma Rousseff deveria aderir, de pronto, ao Programa de Proteção ao Emprego (PPE). Com o "Dilmagate" em curso, vai que...

J. S. Decol decoljs@globo.com  

São Paulo

*

PERDÃO

Está configurado que 9% da população se compraz com a mentira ou se deixa levar por ela. Que tal se Lula e Dilma fizessem sua autodelação premiada perante os 91%, admitindo os erros praticados em suas administrações, desculpando-se pelos equívocos e prometendo rezar conforme a cartilha da boa administração pública? Brasileiro é tão bonzinho que encontraria forma de perdoar.

Manoel Braga manoelbraga@mecpar.com 

Matão

*

QUAL SERÁ O DESFECHO?

Dilma Rousseff tem uma trajetória de vida marcante. E, ao afirmar isso, não faço juízo de valor a respeito de suas opções políticas. Analiso, sim, a mulher, não a presidente da República. No futuro, um bom livro vai ser escrito sobre as memórias da petista. Resta saber o desfecho da narrativa. Dois mandatos que, a despeito de momentos de instabilidade, revigoraram o País? Ou a tendência mais palpável dos últimos meses: a queda por impeachment? O jogo político brasileiro é curioso: parece que todos querem a queda de Dilma, mas ninguém se atreve a assumir a criança. A convicção é de que o PT chegou ao fundo do poço. Não apresenta unanimidade nem entre os seus. Desse modo, a situação do País não tende a melhorar.

  

Gabriel Bocorny Guidotti gabrielguidotti@yahoo.com.br 

Porto Alegre

*

NEM QUE A VACA TUSSA

Dona Dilma deu uma rasteira na credibilidade dos investidores nacionais e internacionais após comprar, com nosso sangue, suor e lágrimas, além de altíssima soma em dinheiro, cada um dos parlamentares do Congresso para aprovar a vergonhosa proposta contra a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), que lhe permitia continuar a irrefreável gastança. E a recente viagem aos EUA, caríssima para um país em penúria como o nosso, mostra que ela está deitando e rolando para o que pensamos sobre ela. Afundou o Brasil na caradura e sua incompetência está gerando inflação crescente, desemprego, insegurança, instabilidade emocional e até fome, contrariando o padrinho, que se elegeu há 12 anos com a mística - e fraude - do Fome Zero. E tem a desfaçatez de chamar a imprensa e a oposição de golpistas? Não bastasse isso, agarra-se ao osso com "unhas e dentes", como afirmou após o conluio para evitar o seu desmoronamento. Então nos preparemos, pois a "dirigenta", por sua conta, não sai nem que a vaca tussa!  

Carmela Tassi Chaves tassichaves@yahoo.com.br 

São Paulo

*

DAQUI NÃO SAIO...

"Daqui não saio, daqui ninguém me tira..." A marcha de carnaval sucesso em 1950, composta por Paquito e Romeu Gabriel, agora é revivida e entoada diariamente pela presidente Dilma. Com esta Lava Jato que só prende os gerentes da Petrobrás e com o Supremo todo aparelhado, ninguém vai tirar mesmo! 

Ari Giorgi arigiorgi@hotmail.com 

São Paulo

*

DILMA E O PLÁGIO

Sinto muito, mas nossa "presidenta" é mesmo carnavalesca: plagiou a música "Daqui não saio, daqui ninguém me tira. Onde é que eu vou morar?", e por aí vai... Só lhe resta a esperança: "Mas já dizem por aí que a vida vai melhorar!", como está melhorando para todos, segundo ela.

 

Maria Eulalia Meirelles Buzaglo membuzaglo@bol.com.br 

São Paulo

*

UM TIME QUE NÃO ESTÁ GANHANDO

A presidente Dilma não precisa cair nem ser derrubada. Ela não nasceu presidente, ela está presidente e está lá para acertar. Não se mexe em time que está ganhando, mas time que está perdendo tem de ser mexido. Ela poderia renunciar, por excesso de erros. Seria um gesto muito bonito, compreensivo, afinal, errar é humano. 

Arcangelo Sforcin Filho arcangelosforcin@gmail.com 

São Paulo

*

CACHORRO MORTO

Ditado popular: mão se bate em cachorro morto. Bem, não é este, ainda, o caso da "mulher sapiens".

 

Ulysses Fernandes Nunes Jr Ulyssesfn@terra.com.br 

São Paulo 

*

FAVAS CONTADAS?

Segunda-feira (6/7), antes de viajar para a Rússia, a presidente reúne a base aliada e conta os votos que terá no Congresso se prosperar a tese do impeachment. "Não vou cair, não vou cair", e mais, "é moleza" (superar a oposição). Calma, presidente. Seria bom não se esquecer de que a fidelidade dos deputados é igual à "Donna" da ária da ópera "Rigoletto", de Giuseppe Verdi: "Mobile qual piuma al vento".

Eduardo Augusto Delgado Filho e.delgadofilho@gmail.com 

Campinas

*

GLÓRIA DE PERDEDOR

Semana gloriosa da presidente Dilma: começou pela mandioca, a bola de folha de banana e terminou com o "daqui não saio e daqui ninguém me tira" (lembram-se dessa marchinha?) e, para finalizar, um fraseado de malandro: "Isto é moleza". Poderia a senhora explicar o que é esta "moleza"?

Ivan Bertazzo bertazzo@nusa.com.br

São Paulo

*

SEMANCOL

 

Se Lula e Dilma tivessem semancol, sairiam de cena. Já tiveram seus 15 minutos de fama e levaram o Brasil ao fundo do poço. A situação está ruim e tende a piorar. O legado de ambos é cruel. Ambos estão realizados e poderiam curtir a vida e deixar o País em paz. Lula, rico e com suas invejáveis aposentadorias, será o rei da cocada preta em Caetés e Dilma poderá partilhar a doce infância do neto Gabriel. Sob influência de Lula e Dilma, nada mudará, e, se mudar, é para pior. Isso posto, para o bem do Brasil, sejam patriotas, deixem o Brasil em paz.

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br 

Vila Velha (ES)

*

'ELLE' QUER

Brasileiros, não se deixem enganar: o grande interessado no impeachment de dona Dilma Rousseff é "elle", sempre "elle", o chefão da quadrilha. Louco para novamente ser oposição raivosa e pousar de vítima de olho no butim, coisa que, aliás, é só o que fez a vida toda, sua excelência o demagogo trabalha 24 horas por dia para derrubar sua criatura. Alvo da operação: 2018. Esse homem nasceu para atormentar e destruir.

Renato Pires repires49@gmail.com 

Ribeirão Preto

*

O 'POSTE' DE LULA

A gerentona, a "mãe do PAC", tão glorificada por Lula, transformou-se num verdadeiro "poste". Bem que eu desconfiava!

Anna Carolina Meirelles annacmeirelles@gmail.com 

São Paulo  

*

APOIO A DILMA

A "base" desligará os "aparelhos" quando Lula assim o quiser...

A.Fernandes standyball@hotmail.com 

São Paulo

*

ARROGÂNCISA X HUMILDADE

Desde o início, Lula, Dilma & PT deixaram à mostra toda sua arrogância e prepotência, fantasiadas de humildade, o que realmente sempre lhes faltou. A soberba não permite que a presidente tome, agora, o único caminho viável, a renúncia, para resolver o impasse que começou há 12 anos, com total farra com o dinheiro público, inclusive fingindo que se preocupavam com os menos favorecidos do Bolsa Família, mas sempre desviando nossos impostos para si e para outros países para se projetarem internacionalmente - e o resultado aí está, com a desgraça de cada um que se aproxima. O que se avizinha com dona Dilma já era para ter acontecido com Lula. Um dia a máscara cai da face de cada embusteiro. Recebo, agora, um vídeo antigo, de Lula se vangloriando diante de seus correligionários de que "tudo o que acontecia dentro da Petrobrás era do conhecimento do governo", portanto, tornando-se "réu confesso" de tantas falcatruas. Nada mais há que comentar, somente aguardar os acontecimentos e que seus eleitores peçam perdão à Nação, de joelhos, porque a penitência já estão cumprindo.

João Roberto Gullino jrobertogullino@gmail.com 

Petrópolis (RJ)

*

O PERIGO MORA NO PALÁCIO

Qualquer brasileiro que tem ao menos um pouco de interesse em acompanhar o noticiário sabe muito bem que, de tudo o que está acontecendo no País, grande parcela de culpa se deve ao apoio mercantilista do PMDB. Sem a parceria peemedebista, o PT jamais teria chegado à Presidência do Brasil, e, sem a sua cumplicidade e omissão, a roubalheira jamais teria atingido os índices "nunca antes vistos" nesta nação de seres andantes (estamos carentes de seres pensantes). Para dar cunho de patriotismo e responsabilidade, o sr. Michel Temer assumiu temporariamente a administração da massa falida petista, afinal ainda falta fatiar as verbas e os cargos, que os políticos das "bases aliadas" disputam a tapas. Quando as unhas e os dentes da sra. presidente não valerem mais nada e a vaca já tiver tossido há muito tempo, só nos restará assistir à maior encenação política de todos os tempos. Para o PMDB, apesar de vergonhosa, a situação é razoavelmente cômoda. Não será cobrado pela parceria que ajudou a afundar o País; ficará como fiel depositário do que for aproveitável, e todo o lixo malcheiroso empurrará para o "esperto" PT. É só aguardar.

Rogério Amir Rizzo rizzomoreno@superig.com.br 

São Paulo

*

PARTIDO DO PODER

Como sempre, onde o poder está (ou poderá estar), o PMDB está sempre ao seu lado!

Luciano Harary lharary@hotmail.com 

São Paulo

*

UM FUTURO INCERTO

As manobras políticas da oposição (leia-se divisão Panzer do PSDB, tendo como escudeiro uma ala do PMDB) articularam o Congresso a rejeitar parcela do ajuste referente às desonerações e medidas provisórias (MPs) 664 e 665. Para os petistas, o horizonte de 2017 traz mais incertezas do que sonha a nossa vã filosofia político-econômica. A candidatura que se traduz na volta de Lula à Presidência da República vai depender de fatores que envolvem as condições da economia do País e até mesmo a hipótese de Dilma não cumprir o seu mandato. O fim do fator previdenciário, o reajuste de salários do Judiciário, a correção da pensão dos aposentados pelas regras do salário mínimo são fatores que podem emperrar mais ainda as engrenagens do governo. Para quem governar até 2018, o gasto adicional será de R$ 13 bilhões. Para quem estiver governando de 2019 a 2022, estima-se que o gasto adicional será de R$ 42 bilhões. Por enquanto, o governo de Dilma é um Titanic à deriva num oceano de procelas, tendo o Tribunal Superior Eleitoral, o Tribunal de Contas da União e a Operação Lava Jato, com as delações premiadas dos executivos das empreiteiras, como icebergs a ameaçarem perigosamente um governo que é rejeitado por mais de 90% dos eleitores, até mesmo por aqueles que votaram no PT nas últimas eleições. Dante Alighieri, acompanhado do poeta Virgílio, entrou e saiu do Inferno. Dilma caminha pelo seu inferno astral tendo como companheiro o peemedebista Michel Temer. Conseguirá atravessar todos os círculos infernais e entregar em 2019 a faixa presidencial ao seu sucessor? Pelo que a economia mundial sugere, o vencedor terá uma vitória de Pirro.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com 

Vassouras (RJ)

*

REALISMO FANTÁSTICO

Uma presidente autista, a volta do sapo barbudo, o "crepúsculo" quadrado de lobista/terrorista... Nem Gabriel Garcia Márquez faria melhor...

Ricardo C. T. Martins rctmartins@gmail.com 

São Paulo 

*

O JULGAMENTO MAIS IMPORTANTE

O julgamento mais importante da recente história do Brasil será o do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), acerca da licitude da campanha eleitoral de Dilma Roussef-Michel Temer, que poderá importar em solução de continuidade do atual governo e posse, para mandato tampão, do presidente da Câmara dos Deputados. O peso das togas sobre as costas dos respectivos ministros somente será aliviado se demonstrarem compromisso exclusivo com o direito, jamais com seu falseamento fundado em opções unilaterais, a reboque dos interesses dos poderosos, sob o falso pretexto de que todo abalo do poder é estremecimento da sociedade e temeridade política. Não raro é a saída de sérias crises. 

 

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br 

São Paulo

 

*

AS PEDALADAS

A presidente disse que a culpa das "pedaladas" é da crise. E a culpa da crise é de quem? Dos contribuintes que pagam religiosamente seus impostos ou dos consumidores que mal conseguem comprar o necessário? Se a intenção é jogar areia em nossos olhos, não adianta tentar. Tudo o que está acontecendo no País só tem um culpado: o governo do PT, que assumiu a Presidência apenas para enriquecer sua gente. O que mais precisa fazer para nos jogar no fundo desse poço? Já não bastam a corrupção desenfreada, a falência das empresas estatais e a inflação acentuada? As armas que o cidadão tem são os movimentos das ruas e o voto, saibamos fazer uso delas.

Odiléa Mignon cardosomignon@gmail.com 

Rio de Janeiro

*

PALOCCI É A BOLA DA VEZ

Atendendo à determinação do juiz Sergio Moro, a Polícia Federal abriu inquérito para investigar o ex-ministro da Fazenda e da Casa Civil Antonio Palocci. Em março de 2006, Palocci foi demitido pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva do cargo de ministro da Fazenda. O Ministério Público de São Paulo denunciou Palocci, recém-eleito deputado federal, pedindo à Justiça a sua prisão preventiva por crimes de formação de quadrilha, peculato e adulteração de documentos públicos. Acusaram-no de chefiar o grupo que fraudou contratos de limpeza pública na Prefeitura de Ribeirão Preto, provocando prejuízos de R$ 30,7 milhões. A revista "Época" publicou reportagem dizendo que Palocci teria fechado contratos milionários para a sua empresa de consultoria, a Projeto, com os grupos Pão de Açúcar, JBS e Caoa, no período em que assumiu a coordenação da campanha da presidente Dilma Rousseff, em 2010. Paulo Roberto Costa denunciou que recebeu solicitação, de Palocci, para o repasse de R$ 2 milhões do caixa do PP para financiar a campanha de Dilma, em 2010. Documentos obtidos pela revista "Época" indicam que Palocci recebeu R$ 12 milhões de empresas, em 2010, para a campanha de Dilma. A bola da vez é Palocci!

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

PETROBRÁS E A DELAÇÃO

Quando Dilma ataca a lei chamando os delatores de traidores, podemos entender de que lado ela está. Como mandante deste governo, deveria apoiar a justiça e ajudá-la no combate à corrupção. Assim como seu antecessor, que só cuida de atacar a Operação Lava Jato, jogando para a plateia que "quem roubou a Petrobrás terá de pagar". É mesmo?  Lula, quando fala em corrupção e nos assaltos aos cofres da estatal, fala na terceira pessoa - e o certo seria usar a primeira pessoa, mas o seu público não sabe distinguir a primeira da terceira pessoa. Foi com o discurso do "nós" contra "eles" que Lula enganou grande parte da população. Graças à delação premiada, os empreiteiros corruptos podem diminuir suas penas. Ficar calado ou falar o que sabe em relação às pessoas do governo é opção de cada indivíduo envolvido nos roubos à Petrobrás. 

 

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com 

São Paulo

*

COMPARAÇÃO GROSSEIRA E CRIMINOSA

O vídeo que circula na internet comparando as críticas que sofrem os petistas, merecidas, aliás, à perseguição que sofreram os judeus durante a Segunda Guerra Mundial é descabida, vergonhosa e até criminosa. Isso é uma obscenidade. Aqui, ninguém está mandando petistas para câmaras de gás. Quem postou o vídeo não sabe o que faz, devia inteirar-se melhor dos fatos, pois o que acontece hoje é exatamente o contrário, isto é, estão no governo, fazem o que querem, nada lhes falta, falam pelos cotovelos, estão endinheirados, estão saudáveis e muitos até bem gordinhos. Pensamento infeliz de algum petista mentecapta. Abomino besteiras tão grosseiras. 

Alvaro Salvi alvarosalvi@hotmail.com

Santo André

*

O MINISTRO NA CPI

Não se enganem, a decisão dos parlamentares petistas que compõem a CPI do Petrolão de convocar o ministro José Eduardo Cardozo para depor, pretensamente preservando a convocação de José Dirceu, é pura cortina de fumaça. O grande receio é de que, uma vez convocado e depondo na CPI, José Dirceu acabasse entregando Lula, pois a relação entre os dois está no pior momento. Este seria o momento oportuno para o Zé dar o troco em Lula, que não quis nem conversar com ele quando Zé Dirceu pediu socorro via Paulo Okamotto. O PT pode estar mal, mais ainda não morreu e segue com sua fidelidade canina ao "capo de tutti capi".

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com 

São Paulo 

*

ENCONTRO SECRETO

Causam desconfiança os motivos que levaram Dilma e seu ministro preferido, José Eduardo Cardozo, a se encontrarem em Portugal, "reservadamente", durante parada técnica de sua viagem à Rússia, junto com o presidente do STF, Ricardo Lewandowski. Esse encontro não foi incluído na agenda oficial. Diante dos atuais acontecimentos e das implicações da presidente, concluímos que "secretamente" só podem ter combinado melar a Lava Jato e seu provável impeachment e ainda livrar os investigados do PT da Papuda. A pessoa pública que tenta esconder seus passos comete ato "intra-institucional". Se levantavam dúvidas as decisões passadas de Lewandowski no julgamento do mensalão, agora é que vamos ficar ainda mais atentos. Sobre o aumento dos salários pedido pelo Judiciário é que não foi esse encontro. 

Leila E. Leitão

São Paulo 

*

JOSÉ EDUARDO CARDOZO

Ultimamente tenho notado, na mídia, notadamente dos jornais televisivos, que o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo (PT), aparece com a fisionomia de uma pessoa emagrecida, preocupada, bem diferente de quando exercia o mesmo cargo no governo Lula. Lendo na primeira página do "Estadão" de 3/7 a frase do ministro de que "se não contribuo mais, sairei" e dizendo, ainda, que não tem de prestar informações ao PT e a qualquer força política que quer explicações sobre seus atos (e que, se acharem que ele não contribui para seus projetos, que ele deixará o cargo de ministro da Justiça), cumprimento o ministro, um político cuja mentalidade é o que o Brasil precisa. Pena que "uma andorinha só não faz verão".

 

Antonio Brandileone abrandileone@uol.com.br 

Assis

*

MINISTÉRIO PARTIDÁRIO

Os ministérios do governo federal não são ramos partidários, ao contrário, compõem o Estado. Portanto, o ministro da Justiça não deve se ater aos interesses mesquinhos do partido que ajudou a criar: o PT. Ao contrário, deve preservar sua biografia, como homem sério, independente e, acima de tudo, de caráter, quer como conceituado professor ou à frente do ministério que ocupa. Ainda há um pingo de bom senso no seio do PT, quando repudiaram a tentativa de Lula, vulgo Brahma ou, ainda, "homo lusco", de tentar pautar a conduta da V.Exa. à frente do Ministério da Justiça, órgão superior à combativa, eficiente e patriota Polícia Federal. Na verdade, o temor do "Brahma" é salvar a própria putrefata pele, numa impar demonstração do seu egocentrismo.

   

Carlos Benedito Pereira da Silva carlosbpsilva@gmail.com 

Rio Claro

*

A MESMICE DE SEMPRE

Um ano após a derrota para a Alemanha pelo vexatório placar de 7 a 1, o futebol apresentado  pela seleção brasileira continuou o mesmo, tanto que fomos alijados de mais uma Copa prematuramente. Desta vez fomos derrotados pelos "poderosos" paraguaios. As eliminatórias da Copa de 2018 se aproximam e, como ninguém mais é bobo em matéria de bola, é bem provável que fiquemos fora do mundial da Rússia em 2018.  Mas o que causa maior indignação foram as promessas não cumpridas de que tudo iria mudar no futebol brasileiro. Não mudou é nada. Os técnicos são sempre os mesmos, sai um derrotado e ultrapassado e entra outro velho conhecido com os mesmos atributos, ex-empresários de atletas tornam-se diretores de futebol, o que faz com que suscitem dúvidas nas convocações de ilustres desconhecidos. Clubes endividados vivem negociando seus astronômicos débitos, são contemplados, porém nunca pagam, em razão de torneios deficitários e de dirigentes irresponsáveis. Enfim, uma balbúrdia total. A única coisa que aconteceu de bom foi a prisão de José Maria Marin, pelo FBI, e só não foi melhor porque Marco Polo Del Nero, atual presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), saiu de fininho da Suíça, para não ter um tête-à-tête com as autoridades americanas.      

 

Sérgio Dafré Sergio_dafre@hotmail.com 

Jundiaí

*

CONSELHO INÚTIL

A primeira reunião do Conselho de Desenvolvimento do Futebol Brasileiro chegou à conclusão de que o futebol brasileiro precisa investir e olhar para a base. Não acredito que reuniram Zagallo, Parreira, Falcão, Carlos Alberto Silva, Lazaroni para chegarem a essa conclusão. Isso os cronistas esportivos vêm dizendo há pelo menos 20 anos. E ninguém se levantou da mesa para ir embora após ouvir essa besteira? Realmente, este conselho é para enganar. É para não fazer nada. A prova está nesta primeira reunião.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com 

Rio de Janeiro

*

DESTAQUE PARA O FUTEBOL

Nosso país é bastante atípico. Passamos por uma crise incrível e, na quarta-feira (8/7), os noticiários dando ênfase à derrota da seleção contra a Alemanha (7 a 1). Por essa razão estamos nessa situação e afundando cada vez mais. Socorro!

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@globo.com

São Paulo

*

JULHO FATÍDICO PARA A SELEÇÃO CANARINHO

O que estas datas contam: 1) 16/7/1950, Rio de Janeiro, Maracanazzo, 2 a 1 para o Uruguai; 2) 5/7/1982, Barcelona, Sarriá, 3 a 2 para a Itália; 3) 8/7/2014, Belo Horizonte, Mineirazzo, 7 a 1 para a Alemanha. Curiosidade: 32 anos de diferença entre cada tragédia futebolística nacional! Quando será a próxima e para quem: 2046? Acho que virá antes disso, bem antes. Do jeito que está a CBF...

Clênio Falcão Lins Caldas clenio.caldas@gmail.com 

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.