Fórum dos leitores

Irrigar pasto também é bom para ovinos

O Estado de S.Paulo

25 de março de 2009 | 01h13

Onde posso encontrar literatura sobre pasto irrigado? Há algo específico para a criação de ovinos adotando este método?

Rodrigo Tadeu Cazelli

rcazelli@terra.com.br

O pesquisador da área de Irrigação e Drenagem da Embrapa Pecuária Sudeste, Fernando Campos Mendonça, indica o livro Irrigação de pastagens, de Luís César Dias Drumond e Adilson de Paula Almeida Aguiar, que traz várias informações interessantes sobre irrigação de plantas forrageiras, com resultados de pesquisa sobre o efeito da irrigação, equipamentos e peças componentes dos sistemas de irrigação, fertiirrigação e o manejo conjunto da irrigação e das pastagens. Mendonça, junto com Joaquim Bartolomeu Rassini, também deve lançar este ano o livro Manejo e projetos de irrigação de pastagens, que mostra como elaborar projetos de sistemas de irrigação e como utilizar um método simples de manejo de irrigação, denominado Método EPS (evaporação, planta e solo). "Com relação à irrigação em sistemas de criação de ovinos, embora eu não conheça trabalhos específicos sobre o tema, creio que não há grandes diferenças em relação aos sistemas de irrigação utilizados em áreas com bovinos", diz o pesquisador. Segundo ele, o sistema de irrigação é utilizado para aumentar o potencial produtivo das forrageiras, quando a água é o fator limitante ao seu desenvolvimento. "Portanto, uma boa irrigação e um manejo adequado da fertilidade do solo e das pastagens garantem aos animais uma forragem de alta qualidade e, consequentemente, podem levar a um bom desempenho produtivo." Mais informações, tel. (0--16) 3411-5600.

Por que pés de nim não estão frutificando

Tenho 150 pés de nim de três procedências , com mais ou menos 15 anos de idade, que não produzem frutos. No ano passado deram uma florada bonita, branca, mas as frutinhas, tipo chumbinho de café, não vingaram. Gostaria de saber o que está errado.

Hans Schuster

Mogi-Mirim (SP)

Os pesquisadores Marilene Fancelli, Nilton Sanches e Antonio Souza do Nascimento, da Embrapa Mandioca e Fruticultura Tropical, dizem que é necessário ter mais informações para auxiliar no diagnóstico, pois diversos fatores podem estar envolvidos no problema, como a origem das plantas, o tipo de solo (o nim não tolera encharcamento), a condução (espaçamento, adubação, poda) e sanidade do cultivo (histórico de ataque de pragas ou doenças). "Lembramos, por exemplo, que baixas temperaturas podem reduzir o desenvolvimento da planta", afirmam. A sugestão é a de que o leitor encaminhe aos pesquisadores mais informações sobre o cultivo e fotografias das plantas com problemas. O e-mail da pesquisadora Marilene é fancelli@cnpmf.embrapa.br. Outro pesquisador, Belmiro Pereira das Neves, da Embrapa Arroz e Feijão, explica que o fato de ter havido floração, mas não a formação de frutos, pode estar relacionado a deficiências nutricionais e à falta de cálcio de magnésio. "Essa deficiência pode ser suprida com a aplicação de calcário dolomítico na razão de 200 gramas por cova ou 2 toneladas/hectare." Neves destaca também a importância da realização da análise de solo, o primeiro passo para a instalação de qualquer cultura. "Após aplicar o calcário, faça a adubação com 300 gramas de NPK (nitrogênio, fósforo e potássio) mais 30 gramas de FTE BR-12 por cova. Tomada esta providência, o problema provavelmente será sanado." E-mail: nevesbp@cnpaf.embrapa.br.

Como eliminar lesmas em jardins

Li no Agrícola receitas domésticas para combater lesmas em jardim. Podem publicá-las novamente?

Leonidas Soares Botelho

leonidas.botelho@globo.com

A receita, do pesquisador da Embrapa Hortaliças, Francisco Vilela Resende, é alternativa à aplicação de produtos químicos no jardim. A armadilha consiste em colocar panos molhados com cerveja no local, ao entardecer. "As lesmas refugiam-se sob o pano durante a noite. Na manhã seguinte, estão eliminadas", diz Resende. Outra armadilha é por sobre jornais ou papel cascas de melancia, de melão ou chuchu cortado, que atraem lesmas. Depois, basta fazer a catação manual, com luva, e eliminá-las em um balde com salmoura. O pesquisador Geovani Bernardo, também da Embrapa Hortaliças, dá a receita de um preparado com leite contra lesmas, indicado para áreas domésticas. "Distribua no chão uma estopa ou saco de aniagem molhado com água e um pouco de leite. De manhã, vire a estopa ou o saco utilizado, faça a coleta das lesmas que se juntaram sob o pano e elimine-as, queimando-as em um buraco", ensina. Outra receita, dada pelo engenheiro agrônomo Silvio Roberto Penteado, consiste em espalhar iscas dentro de caixinhas ou latas, enterradas ao nível do solo, por todo o jardim. A isca pode ser um legume, como chuchu, com sal. As lesmas são atraídas pela isca e pelo escuro da armadilha e morrem, por causa do sal. Outra armadilha, diz o agrônomo, é feita com latas de óleo. "Tire as tampas e enterre-as ao nível do solo. Coloque um pouco de cerveja misturada com sal. As lesmas caem na lata, atraídas pela cerveja, e morrem desidratadas pelo sal." Embrapa Hortaliças, tel. (0--61) 3385-9000; Silvio Penteado, e-mail silvio@agrorganica.com.br.

Lichieira não tolera solos encharcados

Ganhei uma muda de lichia de 2 metros de altura para plantar em uma área de pouco mais de 1 hectare que tenho em Caieiras (SP). Quais os requisitos que pede a planta, em termos de tipo de solo: seco, úmido, pleno sol, sombreado, pH, etc., bem como dicas e

orientações sobre o cultivo.

Vasco Antonio Duval

vduval@uol.com.br

A lichieira é frutífera asiática, mas desenvolve-se bem no Brasil com excelente potencial de mercado, diz o pesquisador José Antonio Alberto da Silva, da Apta Colina (SP). Apesar da boa adaptação aos diferentes tipo de solo, explica o pesquisador José Emílio Bettiol Neto, do Instituto Agronômico (IAC), a lichieira produz melhor em solos férteis, profundos e com boa drenagem. Quanto ao pH, ele recomenda para a espécie faixas entre 6 e 6,5. Quanto ao cultivo, a calagem é realizada para elevação da saturação de bases para 70%. "Assim como a calagem, a adubação deve ser baseada em análises de solo, considerando, entre outros, a idade da planta." De forma geral, as mudas são plantadas em covas de 50x 50x50 centímetros, misturando-se à terra de 25 a 30 litros de esterco de curral curtido ou de 5 a 6 litros de esterco de galinha, acrescentando 150 a 200 gramas de superfosfato simples. Quando o plantio é feito em períodos de verão intenso, aconselha-se sombrear as mudas. "O teor de matéria orgânica é importante para a cultura, mas deve-se evitar excessos, o que levaria ao desenvolvimento vegetativo vigoroso em detrimento do florescimento", ressalta Bettiol Neto. Entre o florescimento e a colheita dos frutos é recomendado que não haja escassez de água. Conforme o pesquisador da Apta, a planta da lichia prefere locais ensolarados, com temperaturas amenas entre o fim do outono e começo do inverno, o que favorece o florescimento e diminui a alternância de produção (é comum na lichia produzir bem em um ano e no outro nenhum fruto). Não tolera solo encharcado, mas responde bem à irrigação. É uma planta de porte alto, portanto o espaçamento entre plantas deve ser de 9 metros. "Fique atento à necessidade de controlar formigas cortadeiras, cupins e brocas. Os frutos amadurecem na época do Natal. "Há boas publicações com orientações mais detalhadas a respeito da cultura, contendo informações para aqueles que desejam cultivá-la, tanto em pomares comerciais quanto caseiros", diz Bettiol, e-mail: bettiolneto@iac.sp.gov.br ou Apta Colina, tel. (0--17) 3341-1400.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.