Fórum dos leitores

País precisa de mais pesquisa para a romã

O Estado de S.Paulo

29 Julho 2009 | 03h16

  

Por que a nossa romã é em grande parte semente e pouca fruta e ainda não chega a ficar bem vermelha como as importadas? Imagino que nossos excelentes engenheiros agrônomos conseguiriam uma fruta idêntica e das mais saborosas. Em outros países se usa o seu delicioso suco como se usa aqui o caldo da cana.

Nagib Curi

São Paulo (SP)

O agrônomo Victor Branco de Araujo, pesquisador do Centro de Produção de Mudas da Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (Cati), explica que no Brasil não existem variedades comerciais de romã. Segundo ele, as plantas existentes são, em sua maioria, obtidas a partir de sementes e possuem alguma variação entre os seus produtos. Para obter frutos com maior teor de polpa, em detrimento das sementes, seria necessário trabalho de seleção, que poderia ser iniciado coletando materiais promissores em pomares domésticos e em quintais. "O Departamento de Sementes, Mudas e Matrizes (DSMM) da Cati tem projeto de trabalho nesta linha e busca parceiros para iniciá-lo, acreditando que a médio prazo terá disponibilidade desses novos materiais para poder fornecer mudas clonadas de variedades de qualidade", destaca Araujo. Contato, e-mail: araujo@cati.sp.gov.br. Já o pesquisador Arnaldo Moschetto, da Estação Experimental Santa Luzia, acredita que o problema pode ser na preparação de solo. Ele diz que, quando a romã começa a produzir flores, é preciso fazer uma adubação de produção, com NPK, e não deixar que a terra fique muito seca. Outra dica de Moscheto é plantar a romã a partir de mudas, em vez de semente. "Vale dizer que a romã gosta de clima quente." Contato, tel. (0--15) 3258-2023. E-mail: arnaldomoschetto@gmail.com.

linkComo espantar morcegos de casa  

 

Gostaria de saber como acabar com morcegos dentro de casa.

Cibele Munhoz

Lucianópolis (SP)

O pesquisador do Instituto Biológico (IB-Apta) João Justi Junior diz que primeiro é preciso saber onde os morcegos costumam aparecer, se dentro da sala, quartos e outros cômodos da casa, ou se se alojam no forro. Se for no forro, ele recomenda a colocação de telhas de vidro que vão iluminar o ambiente, assim os morcegos abandonam o local por preferirem locais escuros para passar o dia. Outra alternativa, destaca o pesquisador, é o uso de iluminação artificial, com a colocação de lâmpadas durante certo período de tempo até os morcegos abandonarem o local. "Depois de certificar-se de que os morcegos abandonaram o local deve-se fechar, com telas plásticas ou arame, madeira ou alvenaria, os buracos por onde os morcegos entravam no forro para que não voltem a ocupar o local", ensina. Mas antes de fechar o local deve-se certificar-se de que os morcegos não estão mais ocupando o recinto para não haver risco de eles morrerem no forro e causarem outros tipos de transtorno. A colocação de lâmpadas deve ser bem feita para não haver risco de curto-circuito e início de fogo no telhado. Justi alerta que a remoção, transferência ou controle dos morcegos não podem ser feitos por se tratar de animais da fauna brasileira protegidos por lei. Contato, e-mail: justi@biologico.sp.gov.br.

linkCupuaçu: polinização requer outras plantas

  

Gostaria de saber se é necessário ter outra árvore para o cupuaçuzeiro dar frutos.

Fabiano Cordeiro dos Santos

fabiano@souzabarros.com.br

A Embrapa Amazônia Ocidental informa que o cupuaçuzeiro (Theobroma grandiflorum) é uma espécie de polinização cruzada (alógama), com possibilidades de autofecundação. Isso significa que, embora haja chances de uma planta se autopolinizar, o cupuaçuzeiro necessita de outras plantas para se reproduzir. De acordo com a Embrapa, a polinização pode ocorrer entre plantas oriundas de uma mesma matriz ou originárias de matriz diferente. SAC Embrapa Amazônia Ocidental, tel. (0--92) 3621-0300. Segundo o Radar Técnico da Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac), o cultivo de cupuaçu é recomendado em regiões com temperaturas médias anuais superiores a 22 graus, pluviosidade acima de 1.500 milímetros bem distribuída e umidade relativa do ar acima de 75%. Os solos mais indicados são os areno-argilosos, profundos e com boa drenagem. A adubação e correção de solo, segundo o engenheiro agrônomo Gilberto de Andrade Fraife Filho, devem ser feitas com base em análise química do solo. No link www.ceplac.gov.br/radar/cupuacu.htm há mais informações sobre plantio, espaçamento, variedades e tratos culturais do cupuaçu.

linkPrimavera é época ideal para plantio

  

Qual a melhor época para plantar mudas de sansão-do-campo? Há três anos plantei cerca-viva de sansão-do-campo, mas ficaram algumas falhas e quero replantar novas mudas embaixo das já existentes.

É correto fazer isso?

Sebastião Dias da Silva

sebastiao.d.s@hotmail.com

O produtor de mudas e sementes de sansão-do-campo, João Silva Oliveira, do Sítio Rainha Santa Izabel, em Tatuí (SP), explica que nas Regiões Sul e Sudeste o ideal é plantar o sansão-do-campo a partir de 21 de setembro, ou seja, na primavera, "porque é a época de chuva e quando a terra está começando a esquentar". Nunca plantar no inverno, aconselha. Conforme o produtor, uma muda de 15 a 20 centímetros, se plantada em entre o fim de setembro e início de outubro, em oito a dez meses deve chegar a 2 metros de altura. "A planta precisa do clima úmido e quente para se desenvolver mais rápido", destaca Oliveira. De qualquer forma, o plantio pode ser feito até o mês de abril, mas neste caso a planta vai demorar mais, entre 13 e 14 meses, para atingir o mesmo tamanho. "No inverno a planta entra em estado de dormência e só volta a crescer na primavera", explica. O sansão-do-campo pode chegar a 5 metros ou mais de altura. A manutenção da planta é simples. "Quando atingir a altura desejada, basta podar regularmente, para manter o tamanho. A poda deve ser feita no fim do inverno, ou seja, no início de setembro", orienta o produtor. Quanto a correção das falhas, Oliveira diz que não há problema em plantar novas plantas nestes espaços. Mas é preciso seguir algumas orientações. "Cortar as duas plantas subsequentes de cada lado da falha, deixando-as com 15 centímetros de altura, para abrir espaço para entrada de sol. Daí plantar a nova muda. Desta forma, elas vão crescer juntas e receber a luminosidade necessária." Oliveira destaca ainda que o espaço ideal entre as plantas é de 10 centímetros, ou seja, 10 mudas por metro linear. O Sítio Rainha Santa Izabel comercializa mudas e sementes de sansão-do-campo. Tel. (0--15) 3251-5380. Site: www.cercasansaodocampo.com.br.

 

Mais conteúdo sobre:
Agrícolacartasfórumleitor

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.