Fórum dos leitores

LULOPETISMO

O Estado de S. Paulo

13 Julho 2015 | 03h00

Encontro em Portugal

E a presidente Dilma Rousseff, na sua viagem para a Rússia, fez escala não oficial em Portugal, país conhecido por ser a preferência dos nossos últimos presidentes para “escalas não previstas”. Foi lá que José Sarney comprou um palácio de algumas dezenas de milhões de dólares. Também para lá Rosemary Noronha levou outras dezenas de milhões de dólares numa de suas viagens com o chefe Lula. Nesta escala, Dilma “coincidentemente” se encontrou, no Porto, com o ministro Ricardo Lewandowski, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), que possivelmente julgará, entre outros, a própria Dilma, Lula e outros figurões petistas da República por tudo isso que está aí. Presente ao encontro, seu fiel escudeiro e ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo. Não me conformo. Tenho de gritar: acooorda, oposição! Nunca antes na História deste país se viu tamanha caradura.

LAZAR KRYM

lkrym@terra.com.br

São Paulo

Por que encontrar-se com o presidente do STF e o ministro da Justiça longe do Brasil? Aí tem tramoia! E logo em seguida Dilma afirma que se as contas do governo forem rejeitadas no TCU ela vai pedir arrego no Supremo. Estamos na lama, não resta mais nada neste governo.

MARIA SUELI DE ALMEIDA

sueli2@terra.com.br

Curitiba

A história do encontro em Portugal está muito mal contada. A distância entre seus locais de trabalho em Brasília é medida em metros, não é difícil lá se encontrarem. Já para o encontro na Europa Dilma teve de cruzar o oceano e fazer uma de suas famosas escalas técnicas em Portugal (desta vez teve bacalhau e hotel cinco-estrelas?). E Lewandowski teve de alegadamente sair de Coimbra, onde estava, e se deslocar 105 km até o Porto para o rendez-vous presidencial. (Um parênteses: como gosta de viajar o ministro! Ainda mais considerando que o STF não tem atribuições de política externa.) Que assunto mereceria tanto esforço? Uma certa operação policial no Paraná? Processos no TCU e no TSE? Reajuste do Judiciário? Isso não cola. Mais respeito à inteligência alheia, senhores!

LUIZ AUGUSTO MÓDOLO DE PAULA

luaump@yahoo.com.br

São Paulo

Não é difícil de imaginar o motivo do encontro: armar uma maracutaia, pois é certeza plena que o TCU recusará as contas do governo e este recorrerá àquele que seria o nosso maior órgão de Justiça caso não fosse composto de maioria petista.

LAÉRCIO ZANNINI

spettro@uol.com.br

São Paulo

Delação

Disse a “presidenta sapiens” que não vai “pagar pela m... dos outros”, referindo-se à delação de Ricardo Pessoa, da empreiteira UTC (na Lava Jato). Quer dizer, então, que ela já se está preparando para fazer a sua delação premiada? O cidadão contribuinte aguarda ansiosamente.

ARLETE PACHECO

arlpach@uol.com.br

Itanhaém

Não há delação seletiva, conforme diz Dillma. Acontece que todos são do PT, só isso.

JÚLIO ROBERTO AYRES BRISOLA

jrobrisola@uol.com.br 

São Paulo

Golpismo

Uma das ladainhas favoritas dos petralhas é acusar todo mundo de golpismo. É um tal de oposição golpista, mídia golpista, elite golpista... Só o que não percebem é que são eles os verdadeiros golpistas: golpearam a ética, a honestidade, a idoneidade e a moralidade. Entre outras coisas.

FÁBIO AULÍSIO

faulisio@hotmail.com

São Paulo

Golpismo é não querer assumir suas responsabilidades!

EUGÊNIO JOSÉ ALATI

eugeniojalati@gmail.com

Campinas

Volume morto

Realmente, Lula, Dilma e o PT estão mesmo no volume morto... O descrédito que enfrentam é terrível. Quem respondeu às pesquisas sabe bem os motivos. Eles puseram o Brasil também no volume morto, com enormes dívidas, inclusive com o Banco do Brasil, afundaram a Petrobrás... Enfim, o governo petralha, nestes mais de 12 anos, foi terrível! Eles não governam, aproveitam-se dos brasileiros. E ainda há gente que acredita neles. Santa ignorância!

CARLOS E. BARROS RODRIGUES

ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

Muda Brasil?

Não vamos dispersar-nos. Por pior que seja, é preciso ver o lado bom: revolucionários desmascarados; populistas desmoralizados; imprensa atenta; sociedade civil despertando; CUT desativada; exército do MST acovardado, fingindo-se de morto; UNE reprovada; militância envergonhada; Polícia Federal a todo o vapor; Ministério Público pela lei; STF com as barbas de molho; Lula no volume morto; elite corrupta na cadeia, opinião pública fiando-se na Justiça. Preço alto, sem dúvida: 244 mil demissões, falência do sistema, aprovação do governo no mesmo índice da inflação. Mas menos que uma Venezuela. Menos que uma guerra civil para o desaparelhamento do Estado. Muda Brasil? 

JOSÉ ROBERTO SANT’ANA

jrsantana10@gmail.com

Rio Claro

CIDADE DE SÃO PAULO

Mudanças irreversíveis

A Prefeitura, via Câmara Municipal, está promovendo mudanças radicais na cidade de São Paulo sem levar em conta a opinião da população. Dizem-se abertos a sugestões, mas a plateia na Câmara é sempre a mesma. O mais grave é que as mudanças estão sendo votadas e aprovadas por vereadores que não residem na capital, têm residência oficial na cidade, mas moram mesmo nas cidades vizinhas, como Barueri, Santana de Paraíba, Santo André, Jundiaí e outras. Confirmar esta informação é bastante simples, difícil é desfazer o que os “penetras” mudam.

LUIZ RESS ERDEI

gzero@zipmail.com.br

Osasco

AINDA O PAPA NA BOLÍVIA

Francisco não gostou

Há muitas pessoas atacando o santo padre por causa do crucifixo em forma de foice e martelo entregue a ele por Evo Morales, presidente da Bolívia. No entanto, enquanto Morales estendia a mão para entregar tal coisa, o pontífice disse: “No está bien eso”. É o que se pode ver e ouvir no vídeo em https://www.youtube.com/watch?v=sYwoLITz77M. Parabéns, santidade!

Pe. LUIZ CARLOS LODI DA CRUZ

provida@providaanapolis.org.br

Anápolis (GO)

O AVANÇO DO DESEMPREGO

A taxa de desemprego no Brasil subiu para 8,1%, o maior nível em mais de três anos. Nenhuma surpresa para quem está vivendo a crise deste país. Nunca na história do Brasil houve uma crise tão grande e generalizada: é econômica, social, política e moral. Durante a campanha da presidente Dilma Rousseff, o ex-diretor do Ipea Herton Araujo foi impedido de divulgar dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) que apontava aumento da extrema pobreza no Brasil. O PT, que se vangloriou por ter tirado 30 milhões de pessoas da pobreza, não podia, em 2014, confessar que a pobreza estava aumentando. Depois de 13 anos no poder, o PT não só vai devolver as pessoas à pobreza, como também vai deixar para trás milhões de desempregados. Tudo por falta de competência na gestão e ganância pelo poder. O governo do PT perdeu o discurso enquanto cuidou de enriquecer seus bolsos. A população, que estava dormindo seu sono profundo, parece estar acordando e vivendo um pesadelo. Eis o Brasil, um país de tolos que acreditaram em promessas de campanha.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

O BRASIL ESTÁ NU

O desemprego no País chegou a 8,1%, isso sem contar quem não procura mais emprego. Em apenas um ano 1,3 milhão de trabalhadores com carteira assinada estão desempregados. É impressionante a diferença que existe entre o Brasil atual e aquele apresentado em propaganda política pela “presidenta gerenta incompetenta” Dilma há menos de dez meses. Aquele país derreteu e o brasileiro, desnorteado com o nocaute recebido, tenta “fazer o diabo” para sobreviver. O Brasil da marquetagem mentirosa ficou nu.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

PASSOS PARA TRÁS

O PT logrou tirar mais de 30 milhões de brasileiros da pobreza enquanto o mundo assistia ao vertiginoso aumento da demanda e dos preços das commodities exportadas, à larga, pelo Brasil. Com a crise atual, o desgoverno Dilma corre o risco de levar à pobreza muito mais do que aqueles 30 milhões. Do jeito que vai, poderá ser quase o País inteiro. Quem sobreviver verá.

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

QUEM PAGA É SEMPRE O TRABALHADOR

A fabricação de notícias ruim dos últimos meses na indústria, especialmente no setor automobilístico, continua a todo vapor. Mesmo com o lançamento da medida provisória que permite redução de salários em até 15% e da jornada de trabalho em 30%, em troca de estabilidade aos trabalhadores, caso as empresas decidam aderir ao plano e os trabalhadores o aprovem em assembleia, recebemos a triste notícia de que as mais novas vítimas da crise política e econômica do governo federal (Dilma Rousseff), que paralisou a cadeia produtiva, são os trabalhadores da General Motors de São Caetano, que estão sendo dispensados pela empresa e notificados do desligamento por meio de carta, já que os trabalhadores estão em casa desde novembro de 2014 (com contrato suspenso), em lay-off. Mais de 400 profissionais foram mandados para o olho da rua no mesmo dia em que o presidente da Anfavea, o sindicato das montadoras, e o diretor da General Motors, Luiz Moan Yabiku, participavam do lançamento do programa de proteção ao emprego, em Brasília, como convidados da presidente Dilma Rousseff. Será só coincidência ou foi proposital? Aproximadamente, estão com contratos suspensos em todo o País 37 mil trabalhadores da indústria de automóveis. Como o próprio nome já diz, “Programa de Proteção ao Emprego”, o objetivo da medida é justamente conter a onda de demissões que assola diversos setores, principalmente a indústria. As empresas poderão reduzir a jornada e o salário dos trabalhadores para evitar desligamentos involuntários. Não adianta criar um programa de proteção ao emprego (por melhor que seja a intenção) sem que a economia como um todo reaja, virando para a direção contrária a espiral que hoje segue na direção do abismo. Como diz o ditado popular, “quem planta vento colhe tempestade”, e o governo Dilma está caindo de maduro de tanto praticar e deixar praticar erros grotescos na economia do País.

Turíbio Liberatto turibioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul

*

DILMA NA ITÁLIA

Sem Joaquim Levy na bagagem, para que teria ido Dilma Rousseff à Itália? Deve ter ido jogar moedinhas na Fontana Di Trevi.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

CHANTAGEM DESCARADA

A título de conter a crise do desemprego, criada por decisões equivocadas deste governo incompetente, corrupto e salafrário, inventa-se agora o chamado Programa de Proteção ao Emprego, que reduz jornada de trabalho e salário. É claro que isso, na verdade, não passa de uma descarada chantagem contra o trabalhador, que está de mãos atadas e terá de aceitar para não ir parar no olho da rua, como se usa dizer.

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

A VERDADE DOS NÚMEROS

A proposta apresentada pelo senador Romero Jucá de redução da meta do superávit primário de 2015 para 0,4% do PIB, em nome da “verdade dos números”, surpreende não apenas pela dimensão do corte, já que o discurso das autoridades fazendárias era o de um “primário” de 1,1%, mas também pela pífia economia para o pagamento dos juros da dívida mobiliária federal. Só para ter uma ideia, o aprofundamento da política monetária com a esperada “puxada” de 0,5% dos juros Selic no fim de julho terá um impacto aproximado de R$ 10 bilhões num período de 12 meses. Só isso representa praticamente metade do que Jucá propõe economizar em 2015. Sem dinheiro para honrar o pagamento dos juros, o jeito é tomar emprestado via emissão de títulos do Tesouro, aumentando o endividamento público (que já está no rumo dos 70% do PIB), sobre o qual incide uma das maiores taxas de juros do mundo. Enquanto isso, e mesmo informados do drama da Grécia – país às voltas com a impossibilidade da rolagem de seus próprios papagaios –, só o que se vê no Brasil é a ampliação do tamanho do Estado, a diminuição de receitas (por conta da recessão) e o aumento irresponsável de gastos públicos. É claro que essa conta não fecha e, num dado momento, vamos ter de dar um freio de arrumação nessa esbórnia, em nome da “verdade dos números”.

Silvio Natal silvionatal49@gmail.com     

São Paulo

*

SABEDORIA PARAGUAIA

São de dar inveja a sabedoria e a coragem do povo paraguaio, que tirou da presidência da República um padre esquerdista, amigo e apoiado por Lula, quando seu governo começou com medidas socialistas no país. O governo saiu da esquerda empobrecedora para um brilhante país democrata que deixa para trás a grande maioria dos sul-americanos. Desde então, o país mudou drasticamente e cresceu bem mais que seus vizinhos: em 2014 o crescimento foi de 14,2%. Foi expulso do Mercosul por países liderados pelo Brasil. Deu a volta por cima e, com custos mais baixos de mão de obra (menos impostos) e energia elétrica, só nos últimos dois anos atraiu 94 empresas instaladas e 30 em preparação, 90% brasileiras. Seus incentivos à exportação são excelentes, imposto único de 1% e isenção total para importação de máquinas e matérias-primas. O salário mínimo lá corresponde a R$ 1.180,00, a expectativa de vida é de 74,5 anos (no Brasil é de 73,5). A carga tributária corresponde a ¼ da brasileira e é a menor da América Latina, e, no ranking da educação, está 12 pontos acima da nossa nota. Esse foi o resultado de uma decisão que contrariou o governo petista do Brasil, mas tornou o Paraguai um dos melhores na América do Sul. O país aumentou seu conceito perante empresas norte-americanas e europeias e já está sendo uma ponte de comércio entra a China e a América do Sul. Feliz o Paraguai!

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

INÚTIL

Vendo o País hoje, lembro-me da música que fez sucesso nos anos 80 do grupo Ultraje a Rigor, chamada “Inútil”, que diz, entre outras coisas: “A gente não sabemos escolher presidente, a gente joga bola e não consegue ganhar, inútil, a gente somos inútil!”.

Paulo de Tarso Abrão ptabrao@uol.com.br  

São Paulo

*

CAI, NÃO CAI

Dilma Rousseff afirmou que não vai “cair” porque não desrespeitou o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) nem o Tribunal de Contas da União (TCU). Já o vice-presidente, Michel Temer, garante: “Não precisa segurar, ela não cai”. Porém a regra é clara (como diria Arnaldo Cesar Coelho) e o eleitor não perdoa uma presidente que mente, não combate a inflação, provoca desemprego e ainda comete crime de responsabilidade com as suas malandras “pedaladas fiscais”. Pesquisas de opinião comprovam que a presidente “cai”, sim, já que tem míseros 9% de aprovação da sua gestão. Dilma, infelizmente, só não cai na realidade. Apenas delira quando teimosamente não reconhece o fosso em que meteu a nossa economia. E nesta onda do “cai, não cai”, é mais provável que a presidente dentro de alguns meses receba, sob as regras constitucionais, um “cartão vermelho” e saia pelas portas dos fundos do Palácio do Planalto.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

OPOSIÇÃO

Há críticas à oposição por apenas pensar na saída da presidente da República do cargo e não trabalhar para melhorar a situação desastrosa que o PT deixou de herança maldita para o País. O PT, quando oposição, foi muito melhor que a atual oposição, que até chegou a ficar nas sombras.

Francisco da Costa Oliveira fcoxav@gmail.com

São Paulo

*

UNIÃO

Uma foto de recente encontro entre Aécio Neves e Geraldo Alckmin trouxe-me preocupação. Com o País enfrentando uma crise terrível, vejo um abraço absolutamente protocolar, em que Aécio mantém os olhos fechados dirigidos para a direita e para baixo e Geraldo com olhar para a esquerda e ao infinito. O momento é de união.

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

COVARDIA DECLARADA

O Planalto, por ato de covardia e confissão declarada, concordou em que o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, compareça à CPI da Petrobrás, no âmbito do Poder Legislativo, como forma de salvaguardar o PT e dona Dilma Rousseff. Com o procedimento, pretendem o Planalto e o PT excluir da oitiva José Dirceu e outros mais ligados à agremiação e à presidente. No entanto, a oposição precisa insistir em ouvir José Dirceu, Aloizio Mercadante, Edinho Silva e outros mais, porque foram mencionados em delação premiada na Operação Lava Jato, enquanto a Polícia Federal, até o momento, não foi obstaculada pelo ministro da Justiça nas apurações que tem realizado. Parece que desejam prolongar a agonia deste governo, que se defende com unhas e dentes, porque bem sabe o que fez e cometeu.

José C. de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

TRAIÇÃO, UNHAS E DENTIFRÍCIO

João, o pedreiro, chega a casa todo lanhado, sangrando e com marcas de mordidas. Sua esposa pergunta-lhe aos prantos: “Joaummm, que que foi isso, home? Tava na zona é?”. E João responde: “Não muié, foi a Dilma!”. Tetéu, filho de João, pede ajuda ao pai: “Papai, papai, a pasta de dente não quer sair do dentifrício...”. E João fala: “Filho, aperta, aperta, aperta, aperta que sai”.

Werly da Gama dos Santos gama_eamsc@yahoo.com.br

Rio de Janeiro

*

CPI DA PETROBRÁS

José Dirceu ser convocado pela CPI seria um perigo, pois ele foi traído e pode abrir a boca. Da mesma forma Aloízio Mercadante, por ser confuso. E Edinho Silva sabe muito, poderia complicar o partido e a “presidenta”. Na verdade, os membros da CPI, cujo relator é do PT, vão levar tudo em banho-maria. Pobre Brasil.

Celso de Carvalho Mello celsosaopauloadv@uol.com.br

São Paulo

*

HERÓIS DA PÁTRIA

O povo estava perdendo a esperança. Eis que surgem alguns heróis como Leandro Daiello, diretor-geral da Polícia Federal, afirmando que a Lava Jato vai prosseguir doa a quem doer, e o juiz federal dr. Sérgio Moro, outro herói, lutando para condenar os políticos antipatriotas. Em meu nome, dos meus familiares, funcionários e do povo brasileiro, agradeço aos heróis de nossa Pátria.

                  

Aldo Matachana Thomé aldo@projex.com.br

Ourinhos

*

DELAÇÕES PREMIADAS

A polêmica sobre o número elevado de delações premiadas na Operação Lava Jato, motivo inclusive de comentário do ministro Marco Aurélio Mello, a meu ver não se justifica. Como é um recurso que faz parte do nosso ordenamento jurídico e prevê a redução da pena de quem colaborar com a Justiça, dela tanto pode acorrer o Ministério Público oferecendo-a a que julga relevante ao processo, bem como aos envolvidos, que, uma vez arrolados, dela lancem mão visando a uma redução de sua pena. A lei deve funcionar para os dois lados, ou estou equivocado?

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com

São Paulo

*

REFORMA POLÍTICA

A reforma política discutida no Congresso é bem aguada e em pouco deve consertar os velhos vícios políticos. As doações das empresas vão continuar e isso implica a continuação da compra de prestígio ou lugar na fila das licitações. Não acredito em doação empresarial simplesmente por amor. Neste caso, que o empresário tire do seu bolso para dar aos políticos, já que não acha mais útil e gratificante doar a uma instituição de caridade, hospital ou escola. Nem se abordou o fim do voto obrigatório, o que faria os partidos economizarem milhões em propaganda e na compra de votos, pois o eleitor consciente vota melhor e tem menos chance de ser manipulado. Aproveito para lançar aqui a proposta do voto gradual. Ou seja, para chegar a senador, o político teria de começar como vereador, depois deputado estadual, a seguir federal e só então poderia ser senador. Para presidente, o mesmo raciocínio. Primeiro teria de ser prefeito, depois governador e só depois candidato a presidente. Os maus políticos ou os maus administradores cairiam pelo caminho e nos livraríamos de aventureiros como Lula e Dilma.

João Carlos A. Melo jca.melo@yahoo.com.br

São Paulo

*

MINI

Estão estudando no Congresso uma minirreforma política. Está certo, uma minirreforma política para minipolíticos.

Luíz Frid luiz.frid@globomail.com 

São Paulo

*

O FINANCIAMENTO DAS CAMPANHAS

Ao estabelecer a redução do período da campanha eleitoral e limites para as doações de custeio, a Câmara dos Deputados conseguiu avanços. É preciso buscar a verdade contábil dos mandatos eletivos e acabar com os casos de políticos que gastam mais em campanha do que vão ganhar durante todo o mandato conquistado nas urnas. Andaram bem os parlamentares quando decidiram impedir as empreiteiras e outros prestadores de serviços públicos a doarem a candidatos concorrentes ao mesmo nível da administração em que têm seus contratos de fornecimento de matérias-primas ou mão de obra. Na medida em que ajuda a eleger quem vai administrar seu contrato de trabalho, a empresa não está doando, mas investindo no seu mercado, e fica em condições de exigir contrapartida, até a ilícita vista grossa para o superfaturamento e a fraude nas licitações. Pode, até, essa empresa ser vítima de coação ou ameaças de maus administradores e não conseguir receber os créditos pela prestação de serviços sem fazer doação eleitoral ou pagar propina.

          

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

LISURA

A questão não é o financiamento político, mas sua lisura. Com governo corrupto pelas empresas, que diferença faz se é o corrupto público que financia ou o corruptor privado?

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

CONGRESSO NACIONAL

Confesso que estou meio perdido, já não sei mais quem é oposição e situação. Vejo votações no Congresso que me deixam confuso: uma hora os partidos aliados votam com a oposição; na outra, a oposição vota com a situação. O Congresso, a exemplo do Executivo, anda meio perdido. Nestes últimos seis meses, não vi nenhuma proposta concreta ser apresentada, o único senador a apresentar alguma coisa palpável foi José Serra, sobre a Petrobrás, de que alguns discordam e outros apoiam, mas sem dúvida é um projeto concreto. Serra não entra em discussões ideológicas, dando prioridade à apresentação de propostas para ajudar o País a sair do buraco. A oposição aprova projetos sabendo que não passarão sem o veto do governo, e vejo integrantes da própria base do governo chancelando essa posição. O Congresso tem votado acuado por integrantes das galerias que vão defender seus interesses e, para não ficarem mal na fita, deixam-se levar pelos apupos ou palmas! Falta integridade e independência do Senado para, efetivamente, independente de ideologias políticas, pensarem grande para encontrar soluções em prol da sociedade em geral. A grande preocupação da oposição é assumir o poder e a da base aliada é manter o poder. Dessa forma, vamos chegar a 2018 ou não, sem que o Parlamento contribua efetivamente com soluções realistas dentro desse quadro de desarrumação econômica.

Paulo Tude petude@hotmail.com

São Paulo

*

FRAUDES NO ICMS EM SP

O doleiro Alberto Youssef denunciou que pagava propina para fiscais do ICMS em São Paulo. Estima-se que foram pagos R$ 15 milhões em propinas para os fiscais paulistas. As exonerações dos envolvidos foram publicadas no “Diário Oficial”, incluindo delegados tributários da Fazenda. R$ 450 mil e US$ 20 mil, em espécie, foram apreendidos nas delegacias tributárias. As fraudes causaram um prejuízo de R$ 2,7 bilhões ao Estado de São Paulo.

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br 

Rio de Janeiro

*

SEMPRE O POVO PAGA

Por causa da ineficiência de todas as instâncias de nossos governos e governantes, temos de arcar com aumentos de impostos, diminuição de benefícios fiscais, redução de velocidade em vias expressas tão somente para aumento na arrecadação com a indústria de multas em São Paulo, etc. O desgoverno federal, com suas “pedaladas fiscais”, jogou o País numa situação de estagflação violenta jamais antes vista neste país, e ainda tem o descaramento de jogar a culpa numa crise externa que já praticamente acabou faz tempo. O governo de São Paulo adia o pagamento dos créditos da Nota Fiscal Paulista e ainda reduz seu porcentual de 30% para 20%, unilateralmente, alegando queda na arrecadação. E nós, contribuintes, como ficamos na hora de pagarmos com desconto nosso IPVA de 2016? Geraldo Alckmin deveria também adiar a cobrança deste imposto para ter início em maio de 2016, para que pudéssemos ter direito de descontar aquilo que nos pertence e agora foi adiado em seis meses. Isso seria o justo e lógico. Fernando Haddad, o bitolado em ciclovias e ciclofaixas, está tornando o trânsito de São Paulo um caos ainda maior por causa de sua péssima administração, com assessores de baixo nível qualitativo, além de não cumprir em nada com o que havia se comprometido a realizar em seu mandato como prefeito da maior metrópole brasileira. Ou seja, o povo, que paga seus impostos, que tenta viver neste país, que já foi mais alegre e feliz em tempos passados, sempre arca com os desmandos e as pedaladas fiscais de seus mandatários, que se acham deuses do Olimpo, intocáveis, apesar de tudo de errado e desonesto que fazem contra este mesmo povo. Infelizmente, boa parte de nossa população está ainda iludida com falsos profetas (Lula) que acreditam poder ainda ocupar a cadeira de presidente do Brasil, apesar de todo o mal que ele fez e ainda faz contra o povo brasileiro. Estes senhores deveriam responder imediatamente por seus crimes e parar de proferir palavras enganosas e ilusórias ao povo brasileiro. Chega de enganação!

Boris Becker borisbecker@uol.com.br

São Paulo

*

GESTÃO HADDAD

Como todos do PT, nosso prefeito, Fernando Haddad, também está acometido de total cegueira e surdez para enxergar os próprios erros e escutar a voz da população paulistana. A cidade precisa aumentar a mobilidade e, na contramão disso, a Prefeitura reduz a velocidade de vias expressas como as Marginais Tietê e Pinheiros. Constrói vias segregadas para coletivos e não sincroniza os semáforos. Isso resulta em não aumentar a velocidade média dos ônibus, apesar dos enormes transtornos para demais veículos. Onde está a dinheirama das multas para ser aplicada em melhorias viárias? Sem falar na construção de ciclovias em lugares onde a demanda por elas é menor do que na periferia, onde a utilização delas seria incomparavelmente maior. E aí vamos, cada vez com mais velocidade, para o fundo do poço.

Mario Antonio Rossi mario_rossi@uol.com.br

São Paulo

*

REDUÇÃO DA VELOCIDADE

Prefeito “Malddad”, por gentileza, adie por mais um mês as novas velocidades que vigorarão nas Marginais, até que nos acostumemos com a medida. A nossa cidade já é um caos – numa mesma avenida, em menos de 5 km, temos três níveis de velocidade, o que por si só já é um absurdo. Agora, se o sr. quer arrecadar mais com multas, aí já são outros 500.

José Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

*

O ESTADO INTERVENTOR

A prevalecer a ideia da área de Trânsito da cidade de São Paulo, todas as vias terão limite de velocidade de 50 km/h. Os técnicos já admitem que isso não muda em nada o número de acidentes, até as motos que  ziguezagueiam em todas as faixas superam esse limite. Nossas estradas estão limitadas a 120 km/h, e em raros trechos. A persistir essa situação, cujo objetivo é somente de arrecadar para a indústria da multa, sugeriria que as montadoras fabricassem os carros com limite de 160 km/h, a fim de não serem os consumidores enganados e ludibriados a respeito do veículo adquirido. Convenhamos, as amarras burras do Estado sempre interferindo a fim de piorar a vida do cidadão.

Carlos Henrique Abrao abraoc@uol.com.br

São Paulo

*

O PIOR PREFEITO EM 70 ANOS

O prefeito Fernando Haddad e seu fiel escudeiro secretário dos Transportes, Jilmar Tatto, estão fazendo da vida de São Paulo um verdadeiro inferno, simplesmente ignorando que existem na cidade entre 6 e 7 milhões de carros – e as montadoras ainda colocam nas ruas cerca de 700 carros por dia. Corredores de ônibus mal planejados que não deram bons resultados, para o barulho que foi feito. Não sou contra as ciclovias nem contra os ciclistas, mas contra estas ciclovias, do jeito que foram feitas e às vezes em lugares onde não tem nenhum sentido a existência das mesmas, até aquelas que vão do nada a lugar algum. O senhor Haddad inaugurou a ciclovia da Avenida Paulista com toda pompa e circunstância, numa atitude claramente eleitoreira, mas ele se esquece de que não pode inaugurar pistas de bicicletas todos os dias para manter-se em evidência e, na Avenida Paulista, já virou lugar-comum e logo entra no esquecimento, causando apenas mais transtornos no trânsito. Conversei com ciclistas que questionaram a instalação da ciclovia na Avenida Paulista e me disseram que, se fosse um projeto mais sério, o digníssimo prefeito e seu secretário dariam prioridade à instalação de ciclovias na zona leste, por exemplo, que é carente de transportes e onde elas seriam bem melhor utilizadas pela população. Agora, para terminar a série de besteiras que anda fazendo, vai diminuir a velocidade das vias Marginais com a desculpa de evitar acidentes e atropelamentos, quando na verdade só visa a aumentar o caixa da Prefeitura com as multas que fatalmente aumentarão. Gostaria de alertar o caro alcaide de que via expressa, significa via rápida e, logicamente, com pouco trânsito de pedestres e com velocidade acima da que existe no trecho urbano. Trocando em miúdos, só posso dizer que este senhor, poste do ex-presidente Lula, é o pior prefeito que já vi em 70 anos de vida paulistana.

Henrique Schnaider hschnaider4@gmail.com

São Paulo

*

SÓ O VAREJO

A respeito do editorial “Os números e a pirotecnia”, sobre a gestão Haddad, o referido prefeito da maior cidade da América do Sul, São Paulo, gasta todo o seu tempo, junto com seus secretários, cuidando unicamente do varejo, ou seja, de ciclovias, corredores, do fechamento da Paulista e do Minhocão, de radares, além de outras pirotecnias, e não ataca o principal: escolas, creches, manutenção de parques, hospitais, transporte coletivo de boa qualidade. Como é praxe do PT, a exemplo do governo federal, os petistas são ótimos em marketing e péssimos em administrar com eficiência. São Paulo e o Brasil merecem administradores dos serviços públicos com alto grau de conhecimento, além da honestidade em tratar do dinheiro dos impostos pagos pelos brasileiros. Chega de picaretas.

Olavo Fortes Campos Rodrigues olavo_terceiro@hotmail.com

São Paulo

*

REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL

O desespero do Partido dos Trabalhadores (PT) e de seus coligados chega ao extremo em desrespeitar a vontade popular (90%) e o ato soberano da Câmara dos Deputados, que representa a própria a sociedade, recorrendo ao Supremo Tribunal Federal (STF) para anular a votação que aprovou a redução da maioridade penal em determinados crimes de 18 para 16 anos. Tal ação permite admitir o desconforto do petismo em preocupar-se com a redução do número de eleitores presentes e futuros, uma vez que os presos não votam.

Mario Cobucci Junior maritocobucci@uol.com.br

São Paulo

*

PAPÉIS INVERTIDOS

O problema da criminalidade em todo e qualquer lugar no mundo se deve a dois fatores correlacionados: frouxidão (da sociedade e do Estado) e a certeza de impunidade. A educação é dada de acordo com aquilo que é exigido pela sociedade e pelo Estado. Se ambos não exigem nada, não existe educação, e, se não existem punições (e não medidas “socioeducativas”, que não educam porcaria alguma, como já estamos carecas de ver) severas para comportamentos inadequados, por causa de que (vou no popular) eles tentarão adequar seu comportamento? Pelos “lindos olhos” de quem? Se um aluno que detesta estudar e detesta se submeter sabe que não existe NADA entre ele e o alvo de seus dissabores – o professor, que nem pode se defender dele – que configure agressão a um menor, porque ele não vai descer o braço ou infernizar o professor? É a lei do mais forte e, no caso, o professor ou as pessoas de bem foram transformadas nas “galinhas das bicadas”. A punição não resolve, mas já é um começo. No dia em que os papéis forem colocados nos devidos lugares, em que “os pequenos obedecem aos grandes”, poderemos reverter de vez o quadro criminoso no qual engendraram nossas crianças, mas, até lá, temos muitos demagogos e idiotas para convencer.

Tereza Cristina do Vale Bertolucci tereza.cvb@gmail.com

Guararapes

*

DEMAGOGOS

Sete partidos de apoio ao governo prometeram ajuizar mandado de segurança no STF contrariando a vontade de 90% dos brasileiros, para tentar anular a votação na Câmara, em primeiro turno, que aprovou a redução da maioridade penal. Esses senhores nunca tiveram, como dizem os menores delinquentes, “menininhos” de 1,80m, “um cano, ou uma lâmina” que os ameaçasse, ou, ainda, não tenham ouvido uma palavrinha pavorosa e traumatizante que 8 entre 10 cidadãos já ouviram? “Perdeu! Perdeu!”. Lá se vão o carro, a bicicleta, a moto, o celular, a bolsa e o relógio, bens conseguidos a duras penas, que os vagabundos em segundos levam embora. E damos graças aos Céus quando não levam também a vida de um ente querido. É claro que não estão nem aí, pois são protegidos diuturnamente no trânsito, no “trabalho” e em seus habitats luxuosos por seguranças pagos com o nosso dinheiro. Ah, e o povo, como é que fica? Fica desprotegido, abandonado ao Deus dará e à mercê de legisladores demagogos, não passa de mais um detalhe. 

Sérgio Dafré Sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

   

*

OLHO POR OLHO E DENTE POR DENTE

A redução da maioridade penal não ajudará o Brasil a ter jovens melhores. Na verdade, o sentimento de vingança aflora quando a punição é feita por leis humanas injustas, e não pelas leis divinas. Os jovens vivem numa sociedade brutal. Muitas vezes a lei da ação e reação parece reproduzir a lei do olho por olho e dente por dente. Mas somente o amor apaga a culpa. Se formos apenas racionais, condenaremos inocentes. Mas o mestre Jesus disse: atire a primeira pedra quem não tem pecado. E ainda diz: vá e não peques mais!

Paulo Roberto Girão Lessa paulinhogirao@gmail.com

Fortaleza

*

VAMOS ALÉM

Pela exacerbada violência que existe em nosso país nos dias de hoje, principalmente nas grandes cidades, onde menores têm participação direta e ativamente nos mais diversos tipos de crimes, acredito que a maioridade penal deva ser de 14 anos.     A que está sendo votada, 16 anos, já era. Com a idade de 16 anos, o sujeito já é considerado “macaco velho” no meio da bandidagem, pois eles começam a delinquir com aproximadamente 11, 12 ou 13 anos. Portanto, marginal de 14 anos já tem a idade ideal para pagar caro pelo que fez de errado com gente inocente. Ainda vou mais longe, os elementos nocivos à sociedade, mais perigosos, aqueles que matam, sequestram e estupram, devem ser condenados à morte. Somente assim a gente vai se ver livre de uma vez por todas destes animais.     Chega de hipocrisia!

Fernando Faruk Hamza botafogorio@bol.com.br

Rio de Janeiro

*

IRRESPONSABILIDADE

Lula falou ser uma irresponsabilidade querer jogar nas costas de meninos de 16 anos a responsabilidade de coisas que os governos estão deixando de fazer. Concordo plenamente, “cara”, e o que foi feito em oito anos de seu governo e nos quatro anos de sua cria, além de implantarem a corrupção, roubando-nos, desviando e superfaturando?

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br  

São Paulo

*

CONCLUSÃO

Aquele que se acha o presidente de fato, o “cara” que está detonando a sua criatura para se desvincular da derrocada deste desgoverno, o chefe do bandoleiro convocado a colocar seu “exército” na rua, o chamado de “Brahma” por amigos investigados e presos pela Operação Lava Jato, ou, ainda, o “Barba” da ditadura, opinou sobre a diminuição da maioridade penal: “Sou totalmente contra prender menor que mata pessoas. Devemos colocá-lo na escola para reeducá-lo. Quem morreu morreu, não volta mais. Agora deixar preso ‘muleque’ só porque ele matou, sou contra”. Essas foram palavras ditas por um ex-presidente, que governou o País durante oito anos e nos impôs a sua criatura por mais dois períodos. Como assim colocá-los na escola, se já se passaram 12 anos e meses deste partido no poder e perguntamos o que fizeram nesses anos, se os “dimenó” estão aí, praticando crimes cada vez mais brutais, impunemente? A que conclusão podemos chegar? Que bandido defende bandido?

Aparecida Dileide Gaziolla aparecidagaziolla@gmail.com

São Caetano do Sul

*

A FALTA QUE FAZ A EDUCAÇÃO

Sentimos no nosso dia a dia a falta que a educação de qualidade faz, punindo os cidadãos do nosso país! Nossos governantes nas esferas federal, estadual e municipal não têm dado, salvo exceções, a prioridade que deveria ser dada à educação para construir uma pátria melhor e dar uma boa qualidade de vida ao nosso povo. Esses fatos são facilmente comprovados em todos os rincões do nosso país. Professores mal remunerados, prédios caindo aos pedaços, sem serem devidamente conservados, falta de equipamentos de informática necessários para os dias de hoje, ausência de bibliotecas, de ensino em tempo integral, alimentação deficiente e muitas outras falhas. Apenas para dar um exemplo da falta de interesse em manter os prédios escolares em bom estado de conservação, foi extinta a Carpe, órgão estadual de ótimo conceito que construía e fazia reparos e manutenção nas escolas, fabricava carteiras e mobiliários usando mão de obra de detentos. A falta de educação se faz presente no nosso dia a dia quando constatamos o desrespeito às mais elementares regras de convivência humana, tais como: avanço de sinal por pedestres, motoristas e ciclistas transitando em passeios, pondo em risco as pessoas, excesso de velocidade, etc. As vias públicas transformadas em depósito de lixo; e o desrespeito aos idosos e portadores de deficiências, desconhecendo suas prioridades. Portanto, é necessário priorizar e dar mais atenção à educação, destinando mais recursos públicos para a melhoria de sua qualidade e a imagem do nosso Brasil.

Marcos Tito marcostitoadvogados@gmail.com

Belo Horizonte

*

POLÍCIA DE PE – COMPETÊNCIA SELETIVA

Eu fico impressionado com a “competência seletiva” da polícia pernambucana em relação aos crimes cometidos no Estado. Para exemplificar, podemos estabelecer paralelos entre os assassinatos do professor José Bernardino da Silva Filho e da jovem Maria Alice Seabra. No primeiro caso, quando um docente foi morto de forma cruel e covarde, no interior do seu apartamento, localizado em um movimentadíssimo prédio da principal avenida do Recife, nada foi, de fato, esclarecido (se foi, o silêncio da polícia em relação aos suspeitos é total). No segundo caso, quando uma jovem foi estuprada e assassinada no meio de um ermo canavial da periferia do Recife, o crime foi totalmente esclarecido, apesar da fuga do criminoso para outro Estado, antes mesmo que a vítima fosse enterrada. Será que o fato de que no primeiro caso as suspeitas recaíram sobre jovens herdeiros de “boas famílias” da elite pernambucana, enquanto no segundo o autor foi um simplório trabalhador braçal da construção civil, teria alguma coisa que ver com a celeridade e a transparência demonstradas pelas “otoridades policiais” no desvendamento de cada episódio?

Quem viver verá...

Júlio Ferreira julioferreira.net@gmail.com

Recife 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.