Fóssil encontrado no Brasil revela "elo perdido" de crocodilos

Paleontólogos brasileiros anunciaram nesta quinta-feira, 31, a descoberta do fóssil de uma nova espécie de predador pré-histórico que representa um "elo perdido" para a origem dos crocodilos atuais. O fóssil bem preservado do Montealtosuchus arrudacamposi, um predador de tamanho médio semelhante a um lagarto, medindo cerca de 1,7 metro da cabeça ao final da cauda, é do período Cretáceo, há 80 milhões de anos. "Isso é cientificamente importante porque a espécie literalmente é o elo entre crocodilos mais primitivos que viveram na era dos dinossauros entre 80 e 85 milhões de anos atrás e as espécies modernas", disse o paleontólogo Ismar de Souza Carvalho, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A descoberta é resultado do trabalho da pesquisa do Departamento de Geologia da UFRJ e do Museu de Paleontologia de Monte Alto. O Montealtosuchus arrudacamposi, uma ágil predador terrestre da família Peirosauridae, possuía hábitos diferentes dos crocodilos de hoje, mas era semelhante na forma e estrutura apesar de possuir membros mais longos, segundo os pesquisadores. O fóssil foi descoberto próximo a Monte Alto, no Estado de São Paulo, e recebeu o nome em homenagem ao cientista local que o encontrou em 2004 -- Arruda Campos. A nova espécie é uma das várias descobertas importantes de paleontólogos no Brasil e na Argentina nos últimos anos.

Reuters, Reuters

31 de janeiro de 2008 | 08h15

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.