Fracassa tentativa de golpe nas Filipinas; não há vítimas

Equipes da polícia e das Forças Armadasdas Filipinas invadiram um hotel de luxo de Manila, naquinta-feira, e colocaram fim a uma tentativa de golperealizada por um pequeno grupo de militares e alguns aliadoscivis. As forças do governo atiraram bombas de gás lacrimogêneo nohall de entrada do Manila Peninsula Hotel e usaram veículosblindados para derrubar as portas de vidro do prédio antes deinvadirem-no em meio a vários tiros dados para o alto. Não houve vítimas. Os militares rebeldes, um senador e alguns padres quetinham ocupado o luxuoso hotel dessa cidade de 12 milhões dehabitantes renderam-se e foram detidos. "Vamos sair para garantir a segurança de todo mundo",afirmou antes da rendição, a repórteres, o líder do grupo,senador Antonio Trillanes. "Para a segurança de vocês, porque não conseguiríamos vivercom o peso de saber que algum de vocês foi ferido ou morto nofogo cruzado. Não podemos arcar com esse preço." Essa é a mais recente de uma série de tentativas de golpeque atingiu o país do sudeste asiático desde a deposição doditador Ferdinand Marcos, 20 anos atrás. O palco dos eventos de quinta-feira atraiu centenas decuriosos, mas ninguém deu sinal de apoio aos que estavam dentrodo hotel. E não houve relatos sobre sublevações dentro dasForças Armadas. A maior parte dos hóspedes foi retirada antes da invasão.No entanto, mais de cem pessoas, entre as quais funcionários dohotel e jornalistas, viram-se envolvidos na ação. Trillanes, que em 2003 liderou um motim malsucedido contraa presidente Gloria Macapagal Arroyo e que conseguiu um vaga noSenado em maio, foi levado pelas forças de segurança com asmãos presas. Os aliados dele, entre os quais cerca de 25 soldados, umpadre e um bispo aposentado, também foram detidos junto comvários jornalistas. Segundo autoridades do governo, os jornalistas seriamlibertados após terem sua identidade verificada. "O mau comportamento de alguns não beneficia o país ou asForças Armadas e a polícia", afirmou Arroyo, em um rápidopronunciamento. "Da mesma forma como ocorreu antes, vamos impor a lei demaneira rigorosa e sem favorecer ninguém." A tentativa de golpe começou quando Trillanes e algunsoutros soldados abandonaram uma audiência de julgamento em querespondiam a acusações referentes ao motim de 2003, ao lado deguardas designados para impedir que escapassem. O grupo dirigiu-se ao Peninsula Hotel, no centro financeirode Makati, e apoderou-se do prédio, convocando a derrubada deArroyo. "Temos sido testemunhas e vítimas do tipo de governo cruelimposto ao povo. Agora, como soldados, vamos enfrentar isso",disse Trillanes a repórteres, quando questionado sobre seestava pronto para enfrentar novas acusações devido aoincidente de quinta-feira. Arroyo, cujos índices de popularidade despencaram por contadas reiteradas acusações de corrupção contra o governo dela,sobreviveu a pelo menos duas tentativas de golpe e a três deimpeachment porque a classe média está farta da instabilidadepolítica e porque a presidente conta com uma maioria sólida nacâmara baixa do Parlamento. A líder filipina, além disso, possui algum respaldo devidoà expansão econômica do país. O governo determinou um toque de recolher em Manila e emduas áreas vizinhas, a vigorar da meia-noite às 5h desexta-feira, feriado nacional. Autoridades descreveram essacomo sendo uma medida de precaução. Os mercados não devem ser afetados quando reabrirem, nasegunda-feira, afastando qualquer outro surto de instabilidade,disseram analistas de economia. (Reportagem adicional de Rosemarie Francisco e MannyMogato)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.