Fracassa tentativa de proibir, na ONU, a pesca de arrasto

Países com forte indústria pesqueira, liderados por Islândia e Rússia, bloquearam negociações das Nações Unidas que pretendiam impor uma proibição ampla à pesca de arrasto em alto mar.Após semanas de conversações em Nova York, o comitê da ONU que supervisiona a pesca em alto mar não foi capaz de obter apoio unânime para pôr fim à pesca de arrasto de fundo, técnica na qual uma rede é arrastada pelo leito oceânico. Esse método é tão destrutivo quanto eficiente, já que elimina hábitats que existem no fundo do mar e captura criaturas que não interessam ao pescador, afirma relatório da Academia Nacional de Ciências dos EUA.Islândia e Rússia, juntamente com a China e a Coréia do Sul, resistiram à proibição, que contava com o apoio do presidente americano, George W. Bush, e de países como Reino Unido, Noruega, Austrália e Nova Zelândia."Há vários países que, na verdade, não querem controle nenhum", disse a secretária de Estado assistente dos EUA, Claudia McMurray. "Infelizmente, a resolução saiu insuficiente. Estamos desapontados com o resultado".Uma proposta de resolução adotada pelo comitê - da qual a obteve cópia - recomenda que cada governo se certifique de que os barcos envolvidos na pesca de arrasto não estejam prejudicando o meio ambiente, ou "parem de autorizar navios pesqueiros, com suas bandeiras nacionais, a realizar arrasto de fundo" no alto mar. Mais de 60 grupos ambientalistas, que vinham fazendo campanha para a proibição do arrasto de fundo em alto mar, estão desestimulados, mas não pretendem desistir.

Agencia Estado,

24 de novembro de 2006 | 19h38

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.