França critica especulações no Brasil sobre acidente da TAM

Órgão francês de investigação de acidentes disse que tirar conclusões é ''grave erro''.

Daniela Fernandes, BBC

03 de agosto de 2007 | 19h02

O Escritório de Investigações e Análises para a Segurança da Aviação Civil (sigla BEA, em francês), órgão do governo francês encarregado de investigar acidentes com aviões comerciais fabricados por empresas do país, divulgou nesta sexta-feira um comunicado criticando as especulações que circulam no Brasil sobre o acidente com o Airbus 320 da TAM em São Paulo."É um grave erro tentar tirar conclusões com base em informações parciais e não analisadas. Além disso, as tomadas prematuras de posições sobre as causas do acidente poderão comprometer a objetividade das investigações", diz o comunicado do BEA.O organismo diz "lamentar que todo tipo de informações, corretas ou errôneas, circulem, como também especulações e tentativas de explicações".O governo francês tem uma participação de 15% no capital do consórcio europeu EADS, principal acionista do fabricante Airbus.Segundo o organismo francês, os comentários que circulam "deixam a opinião pública desorientada e agravam o sofrimento das famílias das vítimas".Especialistas do BEA viajaram a São Paulo no dia seguinte à catástrofe aérea, acompanhados de técnicos do mesmo organismo equivalente na Alemanha, o BFU, para acompanhar as investigações do acidente.A assessoria do BEA disse à BBC Brasil que a decisão de enviar conjuntamente especialistas da França e da Alemanha para acompanhar as investigações havia sido tomada pouco antes do acidente da TAM. A iniciativa dos dois organismos de trabalhar juntos foi colocada em prática pela primeira vez após a catástrofe aérea em São Paulo.O Escritório francês de Investigações e Análises para a Segurança da Aviação Civil é subordinado ao recém criado ministério francês do Meio-Ambiente e do Desenvolvimento Sustentável.Na nota divulgada nesta sexta, o organismo diz que "respeitará os procedimentos internacionais" que permitem o acesso às informações disponíveis e também "comentar oficialmente o projeto de relatório final antes que ele se torne público".BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.