França 'prepara' tentativa de extradição de ex-ditador do Paraná

Manuel Noriega, que cumpre pena em solo francês, também foi condenado por crime no Panamá.

BBC Brasil, BBC

20 Junho 2011 | 20h57

Autoridades francesas afirmam estar preparando uma tentativa de extradição do ex-ditador militar panamenho Manuel Noriega, que cumpre pena de sete anos de prisão na França por lavagem de dinheiro.

A extradição de Noriega é requisitada pelo Panamá, onde ele foi condenado por crimes cometidos durante seu mandato, nos anos 1980.

Se a França decretar a extradição, ele terá um mês para recorrer da decisão.

O general Noriega, que chegou a atuar como espião da CIA, foi detido por tropas americanas após a invasão do Panamá, em 1989.

Foi extraditado dos EUA à França no ano passado, depois de ter passado 17 anos preso em solo americano, condenado por tráfico de drogas, crime organizado e lavagem de dinheiro.

Consentimento

Bernard Valero, porta-voz da Chancelaria francesa, disse nesta segunda-feira que seu país vai avançar com o processo de extradição, ao receber o consentimento de autoridades americanas.

Tal consentimento era necessário sob os termos do acordo de extradição que resultou na ida de Noriega à França, onde ele ainda não cumpriu a totalidade de sua sentença.

O ex-ditador panamenho havia sido inicialmente condenado à revelia na França, em 1999, por lavar dinheiro originário do tráfico de drogas colombiano por meio de um banco francês, com o intuito de comprar imóveis em Paris.

A sentença foi confirmada em um segundo julgamento, ocorrido quando o panamenho já estava em solo francês.

Em comunicado divulgado no domingo, a Chancelaria do Panamá disse que quer trazer o ex-presidente de volta ao país para sentenciá-lo a 20 anos de prisão, sob acusação pela morte do opositor político Hugo Spadafora Franco em 1985.

Noriega, de 77 anos, comandou o Panamá entre 1983 e 1989. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.