Frota de ônibus opera normalmente na zona sul, diz SPTrans

Motoristas e cobradores da Viação Campo Belo protestaram contra demissão de funcionários ligados a sindicato

Solange Spigliatti, do estadao.com.br,

06 Novembro 2008 | 09h40

Toda a frota de ônibus circulava normalmente às 9 horas desta quinta-feira, 6, segundo informações da São Paulo Transportes (SPTrans). Os motoristas e cobradores de duas garagens da Viação Campo Belo, que atendem a 70 linhas na zona sul de São Paulo, fizeram uma paralisação de três horas nesta manhã. Com a paralisação, moradores que dependem dos ônibus dos terminais da região central em direção a bairros e a terminais na zona sul da capital paulista foram muito prejudicados.       Os trabalhadores protestavam contra a demissão de alguns funcionários ligados ao sindicato da categoria. Durante a madrugada, integrantes do sindicato ficaram em frente às garagens para impedir a saída dos veículos. Os primeiros ônibus começaram a sair das garagens por volta das 6h30, três horas após o normal.      A SPTrans colocou em operação às 4 horas o Plano de Apoio entre as Empresas em Situação de Emergência (Paese), com 170 veículos cobrindo 16 linhas da viação. O Paese foi desativado às 7h30, segundo a SPTrans.   As duas garagens juntas possuem um total de 595 carros. Os primeiros ônibus deveriam ter saído da garagem às 3h30. Com a paralisação de quase 3 horas, usuários que tomam os ônibus no Largo São Francisco, e nos terminais Bandeiras e Parque Dom Pedro, no centro foram muito prejudicados.   Os terminais Capelinha, João Dias, Santo Amaro, Jardim Angela, Guarapiranga e Ana Rosa, na zona sul, também ficaram com a circulação de ônibus prejudicada na manhã desta quinta-feira.   Foram prejudicados também moradores do Itaim Bibi, Santo Amaro e Campo Limpo, e de bairros localizados próximo da divisa entre a capital e as cidades de Itapecerica da Serra e Embu, como Jardim Santo Eduardo, Jardim das Rosas, Valo Velho, Parque do Engenho, Jardim Angela, Chácara Santa Maria e Capão Redondo, entre outros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.