Lorena Fraga/Divulgação
Lorena Fraga/Divulgação

Fruticultura do Espírito Santo cresce 30%

Com assistência técnica, pesquisa e organização das cadeias produtivas, ES já instalou oito polos de produção

Fernanda Yoneya, O Estado de S.Paulo

12 Agosto 2009 | 03h25

.

Com a adoção de tecnologias no cultivo como a Produção Integrada de Frutas (PIF), introdução de variedades adaptadas, assistência técnica e melhor gestão da propriedade, fruticultores do Espírito Santo conseguiram, nos últimos seis anos, elevar a produção do Estado em 30%, sem aumentar a área plantada. "É um feito e tanto, considerando que são todos pequenos produtores", diz o pesquisador Aureliano Nogueira da Costa, do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper).

Em 2002, a produção anual de frutas no Estado não passava de 750 mil toneladas. Hoje, em 85 mil hectares, a produção é de 1,28 milhão de toneladas por ano. Segundo Costa, o segredo para elevar a produção sem expandir a área plantada é investir em aumento de produtividade. Para isso, o primeiro passo foi mapear clima e solo do Estado e formar polos produtores. "Selecionamos as áreas que são aptas ao cultivo de cada fruta, com o menor risco de perdas", explica. "Isso, automaticamente, reduz o custo de produção." Depois, a pesquisa desenvolveu variedades de frutas mais produtivas e resistentes, adaptadas especificamente para aquelas áreas.

 

Veja também:

linkPequeno produtor aprende sobre gestão

As frutas que tiveram aumento de produtividade mais expressivo foram abacaxi, que saltou de 15 toneladas/hectare para 45 toneladas por hectare, e o mamão, que passou de 40 para 70 toneladas por hectare. Hoje, o Estado já possui dez polos produtores: goiaba, morango, citros, manga, coco, maracujá, banana, mamão, uva e abacaxi. O polo de pêssego está sendo instalado.

"Não só o produtor, mas todos os agentes da cadeia produtiva participam. São discutidos, por exemplo, preços mínimos com base nos custos de produção e, como o agricultor produz mediante contratos, a comercialização da safra é garantida", explica o pesquisador do Incaper.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.