Funcionário da France Telecom se suicida ateando fogo ao próprio corpo

Homem de 57 anos trabalhava para a companhia há 30 anos; empresa tem enfrentado onda de suicídios.

Daniela Fernandes, BBC

26 de abril de 2011 | 13h15

Um funcionário de 57 anos da France Telecom se suicidou nesta terça-feira ateando fogo ao próprio corpo no estacionamento de uma unidade da empresa na cidade de Mérignac, nos arredores de Bordeaux, no sudoeste do país.

A morte aumenta a já longa lista de casos de funcionários da companhia que se mataram nos últimos anos. Houve 32 suicídios entre 2008 e 2009 e pelo menos 25 no ano passado, segundo sindicatos.

Uma equipe de socorro, que chegou ao local por volta das 8 horas da manhã, no horário local (3 horas em Brasília), apenas constatou o falecimento do empregado.

Representantes do sindicato CGT, de trabalhadores da empresa, disseram o suicídio estaria ligado às condições de trabalho do funcionário.

Empregado na France Telecom há 30 anos, ele não teria suportado as mudanças frequentes de locais de trabalho, ocorridas nos últimos tempos, afirmam sindicalistas.

"Essas transferências impostas o levaram a vender sua casa. Ele havia escrito várias vezes à direção, mas não obteve resposta", diz François Deschamps, representante dos sindicatos CFE-CGC-Unsa da região sudoeste da França.

O funcionário trabalhava no setor de prevenção de acidentes em um centro de atendimento telefônico voltado aos clientes empresariais.

Onda de suicídios

A direção da France Telecom estabeleceu em 2006 um plano que previa a demissão de 22 mil pessoas em três anos, a reestruturação da empresa e também a transferência obrigatória de funcionários para outros cargos e áreas geográficas.

Esse plano, contestado pelos empregados, foi estabelecido pouco após a privatização da empresa, em 2004, mais de um século após sua nacionalização.

A onda de suicídios levou a direção da empresa a anunciar, em setembro passado, medidas para tentar melhorar as condições de trabalho.

Para sindicalistas, as iniciativas recentes da direção não são, no entanto, suficientes. E esse novo suicídio poderia indicar o fracasso das novas medidas.

A empresa havia anunciado, por exemplo, que as transferências de empregados para outras localidades deveriam ocorrer apenas se o trabalhador se candidatasse à mudança.

"A falta de mão-de-obra e objetivos inatingíveis de desempenho continuam exercendo pressões sobre os empregados", diz o sindicato CGT em um comunicado.

A direção do grupo declarou estar "transtornada com o suicídio do funcionário da agência de Bordeaux".BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Mais conteúdo sobre:
françafrance telecomsuicídio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.