Funcionários da reitoria da USP iniciam greve

Os funcionários da reitoria da Universidade de São Paulo (USP) entraram em greve por tempo indeterminado. A decisão foi tomada em assembleia do Sindicato dos Trabalhadores da USP (Sintusp) realizada na manhã de hoje.

CAROLINA SPILLARI, Agência Estado

14 de abril de 2011 | 19h11

A greve é uma forma de protesto contra a transferência forçada dos funcionários para locais estranhos à universidade, alguns deles distantes do campus universitário, como é o caso do Centro Empresarial Santo Amaro.

Segundo o Sintusp, há um abaixo assinado com mais de 400 assinaturas contra a transferência de funcionários. "O único departamento da reitoria onde houve uma consulta aos funcionários foi o DRH (Departamento de Recursos Humanos) e apenas 7 se colocaram favorável à mudança enquanto que 120 se declaram contrários", afirmou o sindicato, em nota.

Na reitoria da USP, trabalham cerca de 900 funcionários distribuídos nos setores financeiro, de informática, administrativo e no setor de arquitetura, engenharia e obras da universidade. Outra categoria que faz greve na USP são os trabalhadores terceirizados da Empresa União, contratada pela USP para prestar serviço de limpeza. A paralisação começou após o contrato ser rescindido pela USP sem que os trabalhadores tivessem seus salários equivalentes a março pagos. As verbas rescisórias também deixaram de ser pagas, segundo os terceirizados.

Mais conteúdo sobre:
USPgrevefuncionáriosreitoria

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.