Fundador do WikiLeaks critica prisão de banqueiro suíço

O fundador do WikiLeaks criticou a Suíça neste domingo por prender um banqueiro local com suspeitas de infringir sigilos bancários, e disse que o país deveria, ao invés disso, investigar a evasão de impostos descoberta pelo banqueiro.

JONATHAN LYNN, REUTERS

23 de janeiro de 2011 | 16h24

Em entrevista publicada pela revista suíça Der Sonntag, Julian Assange disse que as atitudes da Suíça atraem atenção mundial a suas práticas bancárias controversas.

Na sexta-feira, a promotoria suíça disse que o ex-banqueiro Rudolf Elmer seria detido no fim de semana, após a polícia tê-lo questionado sobre o desrespeito a leis de sigilo bancário do país. Um juíz decidirá na segunda-feira se ele continuará detido por mais tempo.

A polícia prendeu Elmer em 19 de janeiro. O banqueiro entregou CD-ROMs para Assange durante uma coletiva de imprensa em Londres naquela semana. Elmer indicou que os CDs continham detalhes de cerca de duas mil contas bancárias no exterior.

"O sr. Elmer está na prisão porque revelou um sistema criminoso internacional de evasão de impostos, em que os bancos suíços têm um importante papel", disse Assange.

"Ao invés de investigar essas estruturas internacionais e ir atrás do evasores de impostos, as autoridades estão atrás do sr. Elmer", disse ele.

Assange disse, também, que a Suíça não é o único país envolvido nas estruturas bancárias internacionais, que tirariam cerca de 22 bilhões de dólares das autoridades tributárias do mundo todo.

Tudo o que sabemos sobre:
SUICAASSANGEBANCO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.