Furacão Dean aproxima-se da Jamaica e deixa Caribe em alerta

O furacão Dean se aproximava daJamaica e das Ilhas Cayman no domingo e ameaçava atingir aPenínsula de Yucatán, no México, como uma rara tempestade decategoria 5. Moradores estocaram suprimentos de emergência e turistaslotaram aeroportos caribenhos no momento em que o furacão, comventos contínuos de 230 quilômetros por hora, dirigia-se para aJamaica como tempestade de categoria 4, a segunda mais alta daescala Saffir-Simpson, que vai até 5. Foram decretados alerta de furacão nas Ilhas Cayman ealertas de tempestade tropical em partes do Haiti, da RepúblicaDominicana e de Cuba. O Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos disse queo centro do Dean estava a cerca de 480 quilômetros de Kingstonàs 3h (horário de Brasília) e deveria chegar perto da Jamaica,ou até chegar ao país, neste domingo com força perigosa. O Dean pode elevar-se para a categoria 5 antes de chegar àsIlhas Cayman, em dois dias, com ventos de mais de 250quilômetros por hora. Esta é a primeira vez que um furacão deve chegar com forçaacima da média da temporada de 2007 de tempestades noAtlântico. Milhões de pessoas preparam-se para o furacão em algumasdas áreas mais povoadas do Caribe. O governo da Jamaica exortou a população a deixar asregiões baixas e expostas a risco de deslizamentos de terra.Foram convocados ônibus para o transporte das pessoas retiradase os soldados foram colocados em alerta. Há filas nos postos de gasolina e supermercados, onde aspessoas compram pilhas, lanternas, atum em lata, arroz e água.A campanha para as eleições de 27 de agosto foram suspensas. Autoridades na República Dominicana, onde o furacãoprovocou ondas de 5,5 metros de altura nas praias do sul,informou de início que havia três mortos, mas depois reduziu onúmero para dois. Segundo as autoridades, uma pessoa de 16 anosde idade foi levada pelas ondas para o mar.

CAROLE BECKFORD, REUTERS

20 de agosto de 2007 | 00h16

Tudo o que sabemos sobre:
MANCHETESCLIMAFURACAOTRAJETORIA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.