Furacão Dean chega à categoria 5 e atinge costa do México

O furacão Dean, da perigosacategoria 5, chegou à costa caribenha do México nestaterça-feira com ventos fortes e chuvas pesadas que forçarammilhares de turistas a procurar abrigos. A tempestade, que já matou 11 pessoas em sua passagem peloCaribe, atingiu a costa perto do porto de Costa Maya, na regiãoda fronteira com Belize. O Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos disse queesta é a primeira tempestade de categoria 5 a atingir a Baciado Atlântico desde o furacão Andrew, em 1992. O Dean tinha ventos de 268 quilômetros por hora e rajadasmais fortes quando chegou à costa, mas deverá perder força napassagem pela península Yucatán. Os turistas concentraram-se em um hotel que serve de abrigopara 400 pessoas em Playa del Carmen, onde os ventos violentosbalançaram as palmeiras. Alguns quartos estão abrigando até 12pessoas. "Podemos ficar dois ou três dias sem água e eletricidade",disse a italiana Emanuela Beriola, 41 anos, que estocou carneenlatada, bebidas energéticas e atum. O Dean deverá cruzar Yucatán e chegar ao Golfo do Méxicoantes de voltar à costa, no Estado mexicano de Veracruz. Furacões de categoria 5 -- a mais forte possível -- sãoraros, mas foram registrados quatro em 2005, incluindo oKatrina, que devastou Nova Orleans. No México, soldados e policiais patrulham a regiãoturística para garantir o toque de recolher decretado pelogoverno estadual. Em 2005, a península Yucatán foi devastada pelo furacãoWilma, que atingiu Cancún e outras praias, matando sete pessoase provocando 2,6 bilhões de dólares em danos. A estatal petrolífera do México retirou todos osfuncionários de seus 407 poços em Campeche Sound, em perdas de2,65 milhões de barris por dia. Em Belize, ex-colônia britânica de 250.000 habitantes, atempestade levou chuvas fortes. Na Jamaica, onde o furacãopassou no fim de semana, estradas estão bloqueadas por árvorescaídas e postes de energia. Duas pessoas morreram, segundo apolícia. Ao todo, 11 pessoas morreram em consequência da passagem dofuracão. O Haiti foi o mais atingido, com quatro mortes. (Reportagem adicional de Mica Rosenberg em Belize City e EdStoddard em Cozumel)

CATHERINE BREMER, REUTERS

21 de agosto de 2007 | 07h52

Tudo o que sabemos sobre:
CLIMADEANCOSTAMEX

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.