Furacão Félix atinge América Central com máxima força

O furacão Félix chegou à Nicarágua eHonduras nesta terça-feira como uma tempestade potencialmentecatastrófica de categoria 5, a máxima, levando ventos fortes echuvas torrenciais a localidades litorâneas. O Félix tocou o solo por volta de 8h (9h em Brasília), aonorte da pequena Puerto Cabezas, na Nicarágua. O furacão avançapara oeste a 26 quilômetros por hora, segundo o Centro Nacionalde Furacões dos EUA. Milhares de pessoas protegeram-se em abrigos temendo umarepetição do trágico furacão Mitch, que em 1998 matou 10 milpessoas na América Central. "Pode haver danos sérios e perdas materiais, bem comohumanas, se as pessoas não tomarem medidas de precaução",alertou o presidente hondurenho, Manuel Zelaya. A área atingida é pouco povoada, cheia de lagoas epântanos. Mas a tempestade ameaça muitas aldeias pobres maispara o interior, em ambos os lados da fronteiraNicarágua-Honduras, onde morros instáveis podem provocardeslizamentos. Até 40 mil hondurenhos foram levados para abrigos, mascerca de 15 mil não conseguiram transporte e terão de seesconder em suas próprias casas. "Eles não puderam ser retirados porque não haviacombustível para levá-los para áreas seguras", disse a deputadaCarolina Echeverria, representante da localidade de CaboGracias a Dios, na fronteira com a Nicarágua. É cedo para avaliar eventuais danos a cafezais. Atempestade deve cruzar Honduras, entrar na Guatemala e chegar aChiapas, no sul do México. Centenas de turistas foram levados das chamadas ilhas de laBahía para o território continental hondurenho. A polícia dissehaver longas filas em supermercados e postos de gasolina nascidades litorâneas. Há previsão de ondas de até 5,5 metros. Também foram retirados milhares de índios da tribo miskitoda região. Essa tribo, que vive da caça de tartarugas, era umprotetorado britânico até o século 19. Cerca de 35 mil delesvivem em Honduras, e mais de 100 mil, na Nicarágua. SEGUNDO FURACÃO O Félix é o segundo furacão desta temporada no Atlântico. Oprimeiro, Dean, também chegou à categoria 5, o que é raro, ematou 27 pessoas no Caribe e no México, em agosto. "Estamos diante de uma seríssima ameaça às vidas e àpropriedade. A coisa mais importante é que as pessoas prestematenção às ordens de evacuação para que não tenhamos de contarcorpos mais tarde", disse Marco Burgos, chefe da Defesa Civilhondurenha. O Programa Mundial de Alimentos disse ter estoques paraalimentar 600 mil pessoas na região por um mês. O mercado futuro do café em Londres teve alta naterça-feira, refletindo, entre outros fatores, especulaçõessobre o impacto do Félix no setor. Na Nicarágua, os cafeicultores temem que o Félix provoqueestragos na safra e nos próprios solos, como ocorreu na épocado Mitch. "Isso nos traz de volta lembranças muito ruins",disse o cafeicultor Julio Solorzano, de Matagalpa. Aparentemente, o Félix não vai ressurgir sobre a baía deCampeche, onde se concentra a produção de petróleo do México. (Reportagem adicional de Brian Harris e Ivan Castro emManágua e Michael Christie em Miami)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.