Furacão Humberto mata um no Texas e afeta refinarias

O furacão Humberto poupou a cidade deHouston, mas atingiu a fronteira dos Estados do Texas e daLouisiana nesta quinta-feira, resultando em uma morte, nofechamento de três refinarias e na interrupção do fornecimentode energia elétrica para 100 mil pessoas. "Se Houston recebeu um passe redondo, nós recebemos umchute na cara", afirmou Greg Fountain, coordenador dos serviçosde emergência do condado de Jefferson, que atende à área deBeaumont-Port Arthur, no sudeste do Texas. O Humberto transformou-se em um furacão mais rapidamente doque os meteorologistas previam, mas perdeu força após ficaralgumas horas sobre terra firme, voltando a ser classificadocomo uma tempestade tropical. O furacão teria provocado a morte de um homem de 80 anos deidade em Bridge City, entre Beaumont e Port Arthur. O homemmorreu quando a cobertura do pátio da casa dele despencou, noauge da tempestade, atingindo-o, afirmou um porta-voz dapolícia de Bridge City. Por volta do meio-dia (horário de Brasília), o Humbertoestava 120 quilômetros a oeste-noroeste de Lafayette(Louisiana), com ventos sustentáveis de 100 quilômetros porhora. A previsão é de chuva entre 10 e 20 centímetros em grandeparte da Louisiana, do Mississippi e em partes do Arkansas. Emalguns locais, o volume de precipitação pode chegar a 30centímetros. Parte da área que pode ser atingida pelo Humberto ainda serecupera dos danos deixados pelo furacão Rita, que chegou àfronteira da Louisiana com o Texas em 2005, três semanas depoisde o furacão Katrina ter destruído Nova Orleans. Cerca de 100 mil lares e empresas deixaram de receberenergia elétrica devido ao Humberto, e houve relatos sobreárvores e casas danificadas em uma grande área que se estendedo oeste de Beaumont ao oeste do lago Charles (Louisiana),afirmaram autoridades. Em Orange (Texas), a operadora de rádio da polícia TinaCrowning disse que quase toda a cidade estava sem energiaelétrica e que o volume de água acumulado em alguns pontoschegava à altura do joelho das pessoas. As refinarias Total Petrochemicals USA, Valero Energy Corp.e Motiva Enterprises LLC, em Port Arthur, deixaram de operardevido à falta de luz. Na manhã desta quinta-feira, as embarcações continuavamproibidas de navegar pelos canais de Beaumont-Port Arthur e daregião do lago Charles. O importante canal de Houston, que saido golfo do México, foi reaberto depois de o Humberto não maisameaçar a região. A cidade de Houston e o lago Charles, importantes centrosde refino de petróleo como Beaumont-Port Arthur, parecem terconseguido escapar quase intactos do furacão. "Desta vez, tivemos sorte," afirmou Dinah Massie Martinez,porta-voz da Houston Transtar, um órgão de emergência que reúnevárias agências do governo. Na área que fica entre Houston e o lago Charles, em cidadescomo Bridge City (Texas) e Vinton (Louisiana), a história eraoutra. Ali, postos de luz haviam caído e estradas estavamfechadas devido ao acúmulo de água. Mas a principal via detráfego da região, a Interstate 10, continuava aberta, disseramautoridades. A tempestade chegou à terra firme no começo daquinta-feira, com ventos de 137 quilômetros por hora, econtinuava forte enquanto se deslocava para o sudoeste daLouisiana. O Humberto foi o terceiro furacão da temporada de furacõesdo Atlântico em 2007 e não atingiu as proporções de seusantecessores, o Dean e o Felix, que chegaram à Categoria 5, amais alta de todas.

BRUCE NICHOLS, REUTERS

13 de setembro de 2007 | 13h26

Tudo o que sabemos sobre:
CLIMAHUMBERTOEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.