Furiosas e viciantes

Já ouviu falar da jolokia, a pimenta mais ardida do mundo? Ela virou mania na internet, na onda do quanto mais ardida, melhor, e botou as ‘doces’ no chinelo

Fotos: Felipe Rau/AE,

01 Julho 2010 | 10h09

Se para você pimenta boa é a que faz a boca queimar, os olhos lacrimejarem e o corpo suar, há boas chances de você ser um chilihead - é assim que os viciados em pimenta são chamados. E como a moda agora são pimentas cada vez mais picantes, o negócio é conhecer a pungência das variedades populares. A classificação mais objetiva é a escala de Scoville, criada com rigor científico pelo químico norte-americano Wilbur L. Scoville em 1912. É essa a medida que está nas pimentas desta página. Cada unidade Scoville refere-se à quantidade de vezes que um extrato de pimenta dissolvida em álcool pode ser diluído em solução de água e açúcar. Ou seja, o que ela precisa para ser neutralizada. Vai encarar?

 

 

 

 

 

 

Escala de pungência Scoville: ALTA

 

 

 

 

JOLOKIA: 1.000.000

A mais ardida do mundo, de cores vermelha e marrom. Não tente comer crua

 

 

 

 

 

HABANERO: 500.000

Madura fica levemente doce. Tem várias cores. Faz salsas, moles e chutneys

 

 

 

 

 

SCOTCH BONNET: 250.000

Achatada e irregular, tem aroma frutado. Vai bem em molhos caribenhos, como o jerk

 

 

 

 

 

RED SAVINA: 200.000

"Fabricada", surgiu na Califórnia. De casca ondulada, dá bons molhos e conservas

 

 

 

 

 

MALAGUETA: 100.000

Tempero baiano por excelência. Vai bem com peixes e carnes

 

 

 

 

 

 

 

 

Escala de pungência Scoville: MÉDIA

 

 

 

 

 

MURUPI: 60.000

Aromática e abundante no Norte do Brasil, onde é conservada no soro de leite

 

 

 

 

FIDALGA: 50.000

Comum em MG e SP, faz bons molhos, conservas e acompanha saladas

 

 

 

 

PIMENTA-DE-BODE: 50.000

Em Goiás, é usada como tempero em quase todos os pratos triviais

 

 

 

 

CAIENA: ATÉ 50.000

Consumida seca e moída na África e Índia. Indispensável na culinária cajun de New Orleans (EUA)

 

 

 

 

ATÉ 50.000: TABASCO

Alongada, de cores amarela e vermelha, é saborosa e encontra sua melhor forma em molhos

 

 

CUMARI: ATÉ 50.000

De frutinhos verdes, ovalados e pequeninos, é usada em molhos ou fresca

 

 

 

 

 

 

 

 

Escala de pungência Scoville: BAIXA

 

 

 

 

 

PIMENTA-DE-CHEIRO: 20.000

As cores variam do verde-claro ao amarelo forte. Comum do Norte ao Sudeste do Brasil. Bastante aromática

 

 

 

 

DEDO-DE-MOÇA: 15.000

Pouco pungente, quando seca e picada é chamada de pimenta-calabresa (comum no Sul do País)

 

 

 

 

 

JALAPEÑO: 5.000

É a mais consumida nos EUA, ao lado da tabasco. Faz excelentes molhos

 

 

 

 

 

BIQUINHO: 1.000

Pequenina e doce, é usada em molhos, conservas ou comida in Natura

 

 

 

 

 

Veja também:

Pimenta para bravos

Para 'jolokiano', pimenta ardida é refresco

'Rei' põe jalapeño no bloody mary

É José Lima, mas poderia ser Zé da Pimenta

Para seu Santo, é 'escote bone'

Não, o molho Tabasco não nasce no vidrinho

Mais conteúdo sobre:
Pimentas Scolville ardidas Paladar

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.