G20 deve discutir regulamentação global, diz Meirelles

O G20 deve discutir a criação de órgãos de regulamentação globais, além de medidas que possam recuperar a economia mundial, afirmou nesta sexta-feira o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles. "Serão dois focos de discussão. Resolver o problema desta crise internacional e, olhando à frente, a questão da regulamentação", disse a jornalistas após um evento em São Paulo. "Uma das coisas que está em pauta é a discussão de órgãos que possam regulamentar as operações financeiras globais, que extrapolam cada governo." Ministros de Finanças e presidentes de bancos centrais do chamado G20 --grupo que reúne 19 países e a União Européia-- participam neste final de semana de um encontro em São Paulo. O Brasil tem a presidência do grupo este ano. Meirelles reafirmou não haver dúvida quanto às previsões de "uma certa desaceleração" do Brasil no ano que vem, diante da crise global. Mas ressaltou que o país ainda crescerá a uma taxa muito superior à da economia mundial. Em evento na Câmara Americana de Comércio, em São Paulo, Meirelles acrescentou que a concessão de crédito está se recuperando gradualmente no Brasil. "Em termos médios, (o crédito) está tendo recuperação gradual", afirmou Meirelles, ressaltando que a retomada não ocorre de forma uniforme na economia. O presidente do BC reiterou que a crise é grave e exige "serenidade" e "muito trabalho", mas destacou que o Brasil tem certas vantagens para lidar com os problemas. Ele destacou o fato de o sistema financeiro no país ter um nível de alavancagem relativamente pequeno e o fato de os bancos de investimento, ao contrário do que ocorre nos Estados Unidos, serem regulados diretamente pelo Banco Central. O nível "conservador" dos recolhimentos bancários compulsórios também passou a ser uma vantagem em tempos de crise, afirmou Meirelles, uma vez que deu margem ao governo para injetar liquidez na economia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.