Gabeira diz que jamais criticaria 'abertamente' visão suburbana

Com a acusação de preconceito contra o subúrbio rondando sua campanha à prefeitura do Rio de Janeiro, o candidato Fernando Gabeira (PV) mostrou incômodo com o tema nesta terça-feira ao afirmar que não faria uma declaração como essa "abertamente". Ao ser perguntado, em entrevista ao jornal local da TV Globo, se a declaração de que a vereadora Lucinha (PSDB) teria uma "visão suburbana" do aterro de Paciência e seria uma "analfabeta política" revelava preconceito contra o subúrbio, respondeu de forma ríspida. "Eu não fiz essa declaração, essa declaração me foi roubada numa ligação", reagiu Gabeira, aludindo ao fato de que a conversa telefônica foi ouvida por jornalistas e não dita diretamente a eles. "Eu jamais diria abertamente uma coisa como essa. Eu estava telefonando, a minha ligação tinha um contexto, não se conhecia o interlocutor e nós conseguimos nos reconciliar", acrescentou. Na segunda-feira, Gabeira foi a Bangu, na zona oeste do Rio, e fez as pazes com a vereadora Lucinha, a mais votada da cidade. O teor de sua conversa telefônica, porém, continua sendo explorado pelo adversário, Eduardo Paes (PMDB). Indagado se não temia perder votos na zona oeste por conta disso, Gabeira buscou encerrar a questão. "Não há nenhum problema nisso, a não ser na imaginação de um certo setor da imprensa." Outra questão que vem sendo levantada por Paes contra Gabeira é o apoio do atual prefeito Cesar Maia (DEM). O candidato do PV já afirmou que Maia pode passar sua experiência a seu governo, caso eleito, e não teme que isso possa confundir o eleitor. "Se ele (eleitor) ficar em dúvida, vamos relembrar a história... Na Rússia houve uma revolução, os bolcheviques tomaram o poder e para compor o seu exército buscaram exatamente os adversários que eram os que tinham experiência e podiam conduzir o processo", afirmou. (Texto de Mair Pena Neto)

REUTERS

14 de outubro de 2008 | 20h40

Tudo o que sabemos sobre:
ELEICOESRJGABEIRA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.