Gaddafi implorou ajuda à Itália em carta, diz revista

O líder líbio deposto Muammar Gaddafi escreveu ao primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, em agosto, implorando que ele parasse a intervenção liderada pela Otan que estava ajudando o levante rebelde a tirá-lo do poder, disse a revista francesa Paris Match.

REUTERS

25 de outubro de 2011 | 14h04

Se for autêntica, a carta revela o desespero de Gaddafi ao procurar um homem que era seu amigo e seu mais sólido aliado na Europa até o momento em que a Itália integrou a campanha ocidental para apoiar os rebeldes líbios.

O site da revista mostrou uma cópia da carta, datada de 5 de agosto e escrita a mão em árabe supostamente por Gaddafi, e designada aos cuidados de seu assessor Abdallah Mansour.

Na carta, estava escrito: "Envie esta mensagem como vinda de mim, por meio deste documento, após correção."

As palavras "novos amigos" no final foram riscadas e foi escrito "amigos e aliados" em cima na mesma letra.

Gaddafi foi enterrado em um local secreto no deserto do Saara, depois de ser morto a tiros na semana passada.

Na carta, Gaddafi censura Berlusconi, com quem mantinha uma amizade próxima e jovial por anos, por não interferir para ajudá-lo, e o relembra do pacto de amizade entre os dois

países.

"Eu fiquei surpreso com a atitude de um amigo com quem selei um pacto de amizade que beneficia nossas duas nações," diz a carta. "Eu esperava que pelo menos você estivesse

preocupado com os fatos e tentasse uma mediação antes de acrescentar o seu apoio a esta guerra."

Berlusconi disse em um discurso em setembro que se sentiu "muito mal" em mudar de lado em abril e se juntar à campanha da Otan para tirar seu velho amigo do poder. Ele afirmou que chegou mesmo a considerar renunciar por causa disso.

Não está claro se a carta chegou às mãos de Berlusconi, que em 22 de agosto pediu a Gaddafi que pusesse fim à resistência e evitasse mais derramamento de sangue na Líbia. O gabinete de Berlusconi não deu declarações na sexta-feira.

A revista Paris Match disse que a carta foi entregue ao gabinete de Berlusconi por um casal italiano amigo de Gaddafi.

A carta afirmava ainda que não era tarde demais para que a Itália mudasse de direção e protegesse Gaddafi, e que ele e seus partidários estavam prontos para virar a página sobre a

relação com a Itália.

"Eu não o culpo por coisas sobre as quais você não é responsável porque sei bem que você não era a favor dessa ação desastrada, que não honra nem você nem o povo italiano," afirma a carta.

(Reportagem de Catherine Bremer)

Mais conteúdo sobre:
ITALIAGADDAFICARTA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.