Gadgets vestíveis ainda não estão prontos para o mercado, dizem analistas

Apesar do alvoroço, dispositivos vestíveis como relógios de pulso para checar mensagens de texto ou óculos que gravam vídeo provavelmente não serão um sucesso com consumidores tão cedo, devido aos designs desajeitados, altos preços e limitações tecnológicas das muitas ofertas atuais.

Reuters

10 de janeiro de 2014 | 10h20

Essa é a conclusão a que chegaram muitos executivos e analistas do setor que caminharam pelo vasto espaço de exibição da Consumer Electronics Show (CES) em Las Vegas esta semana.

A maioria dos produtos vestíveis em exibição na mostra mais importante do setor pareciam tentativas confusas de forçar tecnologia em novas formas sem um benefício original ou atrativo para o usuário, dizem os céticos.

Stacy Rasgon, um analista de semicondutores na Bernstein, passou um dia na CES ocupado tirando fotos de todos os relógios, acessórios de fitness e outros dispositivos vestíveis que ele encontrou.

"Eu tenho 20 fotos diferentes, mas se eu as olhar eu não consigo dizer que produto é de qual fabricante. Eles todos parecem iguais", disse Rasgon. "Dispositivos vestíveis parecem uma grande ideia e ainda haverá muita experimentação. O pessoal está experimentando e vendo o que funciona. "

(Por Noel Randewich e Jeremy Wagstaffby)

Mais conteúdo sobre:
TECHVESTIVEISANALISTAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.