Garoto atacado tem morte cerebral, retifica governo do RJ

O padastro do bebê teve prisão decretada na noite de quarta-feira, em Duque de Caxias

SOLANGE SPIGLIATTI, estadao.com.br

07 de fevereiro de 2008 | 15h54

Ao contrário de informação divulgada anteriormente, o menino Natan Alves, de 3 anos, não morreu na madrugada desta quinta-feira, 7. Ele sofreu traumatismo craniano e continua internado no hospital Adão Pereira Nunes, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. O bebê respira por aparelhos e teve morte cerebral.   A retificação da informação foi feita pela Secretaria Estadual de Saúde. O padrasto de Natan, Elias Barbosa da Silva, de 34 anos, foi detido na noite de quarta em Saracuruna, em Duque de Caxias, suspeito de agredir o menino. Ele foi indiciado por tentativa de homicídio, segundo a polícia. A mãe da criança, Patricia Alves, de 26 anos, que foi detida no hospital na noite de ontem, também como suspeita, ainda prestava depoimento na delegacia à tarde, informou a polícia.

Tudo o que sabemos sobre:
violência doméstica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.