Garoto baleado por policial tem morte cerebral

Menino de 12 anos foi atingido durante manifestação na Grande Belo Horizonte na segunda-feira, 1

MARCELO PORTELA, Agência Estado

04 de julho de 2013 | 13h42

BELO HORIZONTE - O garoto de 12 anos que foi baleado por um policial aposentado durante uma manifestação na segunda-feira, 1, em Santa Luzia, na Grande Belo Horizonte, teve morte cerebral confirmada nesta quinta-feira, 4. Lucas Daniel Alcântara estava internado no Hospital de Pronto-Socorro João XXIII (HPS), na capital de Minas Gerais, e não resistiu.

De acordo com o HPS, a família de Lucas autorizou a doação de órgãos. Ele foi baleado pelo policial reformado Wanderley Gomes da Fonseca, de 72 anos, que alegou ter atirado para dispersar a manifestação. O crime aconteceu no bairro Cristina, onde moradores protestavam contra a prefeitura por causa da má qualidade dos serviços públicos na capital de Minas. A confusão começou quando o grupo começou a atear fogo em sacos de lixo atirados na rua para montar um bloqueio.

Testemunhas afirmaram que Fonseca saiu de casa armado para discutir com os manifestantes, quando o grupo pegou o lixo que estava na porta de sua casa. Um dos envolvidos na discussão o teria xingado e ele reagiu com o tiro. Lucas era vizinho de Fonseca, que está preso, em flagrante, na sede do 1.º Batalhão da Polícia Militar (BPM), em Belo Horizonte, e será indiciado por homicídio doloso.

Mais conteúdo sobre:
ProtestosMG

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.