Fabio Motta/AE
Fabio Motta/AE

Gastos do SUS chegarão a R$ 63,5 bilhões até 2030

Projeção inédita representa um aumento de quase 150% em relação aos R$ 25,5 bi de hoje

Thiago Mattos, Especial Para o Estado, O Estado de S.Paulo

27 de novembro de 2012 | 02h08

Os gastos do Sistema Único de Saúde (SUS) com assistências ambulatorial e hospitalar podem chegar a R$ 63,5 bilhões em 2030. A projeção, inédita, será apresentada nesta terça, 27, pelo Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (Iess) e representa um aumento de quase 150% em relação aos R$ 25,5 bilhões gastos hoje.

"O cálculo foi simples", explica Luiz Augusto Carneiro, superintendente executivo do Iess. "Conseguimos os dados de quanto o SUS gasta com internação e atendimento ambulatorial por idade e aplicamos a variação do tamanho da população à estrutura de gastos", afirma.

A assistência ambulatorial compreende procedimentos realizados sem a necessidade de internação hospitalar, como consultas, exames e terapias. Já a assistência hospitalar abrange procedimentos como cirurgias e transplantes.

O estudo aponta também que os gastos com internações de idosos em 2030 poderão crescer até cinco vezes em relação ao valor registrado em 2010, atingindo os R$ 14,3 bilhões. Estima-se que até 2030 os gastos com a população idosa somarão quase metade de todas as despesas hospitalares do SUS.

"Todas as premissas são conservadoras", diz Carneiro, questionando a capacidade do orçamento público de absorver essas despesas. "Precisamos investir mais em promoção da saúde para que no futuro possamos gastar menos com internações e doenças crônicas."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.