Gêmeos cozinheiros tipo exportação

Aos 18 anos, os mineiros Juliano e Fernando Basile conquistaram um lugar na cozinha da triestrelada Carme Ruscalleda, em San Pol de Mar

Lucinéia Nunes, O Estado de S.Paulo

04 Março 2010 | 02h57

A Catalunha nos mandou os irmãos Sergi e Xavi Torres Martínez. Decidimos não ficar por baixo e exportamos dois jovens talentos culinários para a Espanha. Os gêmeos mineiros Fernando e Juliano Basile, de 18 anos, caíram nas graças da chef triestrelada Carme Ruscalleda. Resultado: estão fazendo um cobiçado estágio no famosíssimo Sant Pau, enquanto cursam pós-graduação em Gastronomia e Cultura espanhola na Escuela de Gastronomia e Hostelería de Sevilla.

Não foi um caminho fácil. Antes de chegarem à pequena cidade de San Pol de Mar, na província de Barcelona, eles tiveram de lavar muito prato, descascar quilos e quilos de batata e cebola e enxugar pilhas enormes de louça. Não desistiram.

A paixão dos jovens pela gastronomia começou quando ainda eram crianças e ajudavam os avós a preparar as saladas e as massas dos encontros familiares. Aos 11 anos, eles já recepcionavam os clientes e cuidavam das sobremesas na extinta pizzaria da família, em Gonçalves, no sul de Minas. Mas foi com a abertura do Le Gourmet Bistrot, na mesma cidade, em 2004, que tiveram certeza do que queriam. Ao lado do pai, o chef Antonio Basile, e da mãe, Elizabete, eles se revezavam entre cozinha, salão e faxina. E se divertiam quando os clientes custavam a descobrir que o menino de preto no salão não era o mesmo de branco na cozinha.

Depois do aprendizado rígido com o pai e de receberem o apoio da mãe, os dois tiveram de convencer o chef Laurent Suaudeau a deixá-los estudar, ainda tão jovens, na sua escola de culinária. "Foi maravilhoso. Ele nos fez amar ainda mais a profissão. Éramos dois aprendizes no meio de vários chefs", dizem os gêmeos, que ainda aos 14 anos fizeram o curso de cozinha brasileira do Senac, em Campos do Jordão, e aos 16 estagiaram com Alex Atala, no D.O.M.

"Agora essa experiência com a Carme está sendo fantástica. Estamos aprendendo técnicas que queremos usar no Brasil, principalmente o manuseio de peixes, crustáceos, trufa e outros produtos que chegam com uma qualidade incrível na cozinha. E a Carme harmoniza muito bem frutas e saladas em quase todo seu menu", conta Juliano. "O que mais nos surpreende no Sant Pau é que tudo tem seu tempo, trabalhamos praticamente em função do relógio."

Para Carme, a dupla também foi uma surpresa. "Eles são talentosos, batalhadores e rápidos. Absorvem tudo e compreenderam muito bem a nossa filosofia de trabalhar com os ingredientes frescos da estação. São cozinheiros que gostaria que ficassem comigo", diz a chef, que os convidou a acompanhá-la durante um evento no próximo dia 16, no qual estarão reunidos grandes chefs e personalidades espanholas.

Os gêmeos já cumpriram metade do estágio e só devem ficar na Espanha até julho ou agosto. Depois, voltam ao Brasil para cuidar de outros dois restaurantes que serão abertos pela família, em Gonçalves, o Janelas com Tramela, que terá pratos da cozinha brasileira no almoço e comida de boteco, à noite; e o Rosa Madeira, de cozinha mineira contemporânea.

"Queremos continuar trabalhando juntos, criando receitas e buscando a perfeição nos salgados e nos doces", afirma Fernando. "Sabemos que para se tornar um bom chef são necessários anos de trabalho e estudo. Estamos nesse caminho."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.