Gêmeos Winklevoss desistem de batalha legal pelo Facebook

Em 2008, eles haviam firmado acordo para receber US$ 20 mi em dinheiro e US$ 45 mi em títulos da empresa

Efe,

23 Junho 2011 | 03h19

LOS ANGELES - Os gêmeos Cameron e Tyler Winklevoss desistiram nesta quarta-feira, 22, de seu litígio contra o co-criador do Facebook, Mark Zuckerberg, após renunciarem a comparecer à Suprema Corte dos Estados Unidos para receber uma maior indenização pelo papel que desempenharam na criação dessa rede social, segundo o diário Los Angeles Times.

 

Os irmãos começaram há anos uma batalha legal para demonstrar que inventaram o Facebook e que Zuckerberg roubou sua ideia quando estudava com eles na Universidade de Harvard, um tema que foi abordado no filme "A Rede Social".

 

Em 2008, os Winklevoss chegaram a um acordo para pôr fim à disputa com Zuckerberg em troca de receber US$ 20 milhões em dinheiro e US$ 45 milhões em títulos da empresa, mas em fevereiro solicitaram a reabertura do caso por considerar que foram enganados.

 

Segundo os gêmeos, a indenização que acordaram em 2008 seria quatro vezes maior. Seu pedido foi rejeitado em abril pela Nona Corte de Apelações dos EUA. Os Winklevoss solicitaram a essa Corte que revisasse a decisão e estabelecesse para isso um tribunal de 11 magistrados, e não um composto por três, como ocorreu em abril.

 

Em maio, a Nona Corte ratificou sua primeira sentença, o que deixou aos gêmeos uma única via judicial: pedir o amparo do Supremo Tribunal dos EUA. Por fim, os irmãos decidiram retirar o caso e renunciar a uma nova apelação após "pensar minuciosamente", segundo explicaram na documentação apresentada nesta quarta-feira nos tribunais em São Francisco.

 

O anúncio dos Winklevoss foi bem recebido pelo Facebook, que através de um porta-voz expressou satisfação por "a outra parte" ter decidido virar a página em um caso que considera "encerrado há muito tempo".

Mais conteúdo sobre:
Facebook Winklevoss Zuckerberg

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.