Gene do relógio interno do corpo ligado ao envelhecimento

Um novo estudo aponta uma ligação entre um gene associado ao ritmo circadiano - que mantém o corpo em sincronia com o ciclo natural de dia e noite - e o processo de envelhecimento. Cientistas notaram a conexão entre o envelhecimento e o ritmo circadiano em ratos desprovidos de um gene chamado BMAL1. Esse gene é parte do mecanismo molecular que liga o ritmo de atividade do corpo às diferentes fases do dia, e ratos sem o gene têm padrões irregulares - usando a roda de exercícios em horários estranhos, por exemplo. Esses ratos também pareciam morrer mais cedo que os animais normais, mas essa observação ainda não havia sido validada cientificamente. Para confirmar o papel do BMAL1 no envelhecimento, a bióloga Marina Antoch e sua equipe observaram um grupo de 30 ratos sem o gene. Esses ratos sem o BMAL1 viveram apenas metade do tempo que ratos normais. Os ratos sem o gene também envelheceram mais rápido: às 18 semanas, os ratos modificados já haviam perdido quantidades significativas de gordura, músculo e massa óssea. Também exibiram encolhimento de órgãos como baço, rins, coração, pulmões e testículos - todos sinais de envelhecimento. Outros experimentos mostraram que os ratos sem o BMAL1 tinham concentração de 10% a 50% maior de formas reativas e prejudiciais de nitrogênio e oxigênio acumuladas nos tecidos do corpo. Essas formas também são associadas ao envelhecimento.O estudo será publicado na edição de 19 de julho do periódico Genes and Development.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.