General dos EUA vê 'áreas de progresso' no Afeganistão

O comandante dos Estados Unidos no Afeganistão afirmou ver "áreas de progresso" na guerra, mas disse que ainda não estava claro se o objetivo do presidente Barack Obama de começar a retirar tropas em julho de 2011 poderia ser realizado.

JOHN WHITESIDES, REUTERS

15 de agosto de 2010 | 16h54

O general David Petraeus disse numa entrevista à rede de TV NBC que a batalha contra o Taliban era um "processo de altos e baixos" e que era muito cedo para determinar o seu sucesso.

"O que temos são áreas de progresso. Temos que juntá-las, ampliá-las", disse Petraeus numa entrevista cujo objetivo era aumentar a confiança da população no esforço de guerra.

Ele disse que dará o seu "melhor conselho profissional militar" a Obama sobre a meta de retirada em julho de 2011.

"Acho que o presidente tem sido muito claro em explicar que isso é um processo, e não um evento, e que é baseado em condições", afirmou o general sobre a meta. Petraeus substituiu o general Stanley McChrystal há menos de dois meses.

"Seria prematuro ter qualquer tipo de diagnóstico agora sobre o que poderemos ou não", afirmou.

Obama planeja uma revisão de estratégia em dezembro, depois das eleições parlamentares. Enquanto o Congresso apoiou o seu plano de aumentar tropas, as pesquisas mostram que o público tem desconfiança.

Um levantamento divulgado na semana passada pela NBC e pelo Wall Street Journal concluiu que sete em dez norte-americanos não acreditam que a guerra vai terminar com sucesso.

Os comandantes militares têm alertado que a batalha vai ficar mais dura neste ano, pois as tropas têm planos para tomar redutos do Taliban no sul e de confrontar outros insurgentes.

Petraeus lidera uma força de quase 150 mil homens dos Estados Unidos e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) no Afeganistão. Ele disse que há progressos, mas que há um longo caminho para incrementar operações que eram deficientes para o tipo de campanha necessária.

"Muitos de nós saíram do Iraque no fim de 2008 e começaram a olhar para o Afeganistão. Nos damos conta de que não tínhamos as organizações exigidas para conduzir uma campanha civil e militar contra insurgentes", disse Petraeus.

Os esforço no Afeganistão tem sido dificultado pelo nível de corrupção no país. Autoridades norte-americanas têm estado insatisfeitas com o que percebem como falta de cooperação do governo local.

(Reportagem por John Whitesides)

Tudo o que sabemos sobre:
AFEGANISTOPETRAEUS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.