General reformado lidera eleição para presidente na Guatemala

Um general reformado direitista, que prometeu reprimir a crescente criminalidade na Guatemala, estava liderando a eleição presidencial realizada no domingo, embora com um número de votos insuficiente para evitar um segundo turno, em novembro.

MICA ROSENBERG E MIKE MCDONALD, REUTERS

12 de setembro de 2011 | 09h01

Apuradas mais de 80 por cento das cédulas, Otto Pérez, de 60 anos, que se comprometeu a enviar o Exército às ruas para combater as gangues de criminosos, tinha 37 por cento dos votos, porcentual bem distante do mínimo necessário para se sair vencedor no primeiro turno (50 por cento mais 1).

O centrista Manuel Baldizón, um rico proprietário de hotel e ex-congressista, estava com 23 por cento e parecia quase certo que irá enfrentar Pérez no segundo turno em 6 de novembro. A campanha de Baldizón se apoiou numa proposta populista de apoio aos idosos e aos pobres.

A votação de Pérez foi menor do que previam as pesquisas de opinião, mas o apoio que obteve indica que ele é o favorito para vencer o segundo turno.

Outro candidato direitista, o acadêmico Eduardo Suger, ficou em terceiro lugar, com 17 por cento dos votos. Muito de seus partidários poderão optar por Pérez em novembro.

Tudo o que sabemos sobre:
GUATEMALAELEICAOPRESIDENTE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.