Glittervandalismo do Pink Bloc toma as ruas do Rio

Em vez de violência, amor; contra hostilidades, humor. Reunidos na internet recentemente, o grupo de mascarados Pink Bloc em quase nada se assemelha aos black blocs (adeptos de uma estratégia de manifestação e protesto anarquista), que dividem opiniões por destruir patrimônio público e privado como forma de posicionamento político. A não ser pelos rostos cobertos - no lugar da camiseta preta deixando apenas os olhos de fora, entrou a cor-de-rosa.

ROBERTA PENNAFORT, Agência Estado

14 Outubro 2013 | 20h45

Eles não têm por que se esconder, como se viu na 18ª Parada do Orgulho Gay no Rio de Janeiro, neste domingo, 13, na Praia de Copacabana, zona sul da capital fluminense. "A camiseta no rosto é uma forma de despersonalizar a questão. Não estamos defendendo uma agenda pessoal. Não é, de forma alguma, um desejo de se esconder, e sim uma performance", afirmou nesta segunda-feira, 14, o economista Eduardo Sá, um dos fundadores do Pink Bloc.

Com o "glittervandalismo", Sá e outros 30 pink blocs, entre 300 mil manifestantes e 13 trios elétricos, tornaram-se a grande novidade da parada. Com o intento declarado de politizar a festa gay, mas sem se perfilhar aos black blocs, eles não ficaram o tempo todo com o rosto mascarado, só num trecho da praia.

Não se trata de um grupo coeso, e sim "amigos dos amigos", de diferentes profissões, homossexuais e heterossexuais, que têm entre 20 e 30 anos e que compartilham o desejo de lutar contra "o patriarcado, o machismo, a homofobia, a transfobia e as organizações opressoras da felicidade humana", de acordo com o que o Manifesto Pink Bloc.

Eles não sabiam, por exemplo, que existem outros pink blocs pelo mundo. Na rede social Facebook, há grupos na França e no Egito. O uso do humor é uma marca. "O Pink Bloc é organizado de forma horizontal, descentralizada, vertical, de frente e de costas", brinca o radialista e videomaker carioca Rafucko, outro integrante, no manifesto publicado na página que mantém na internet.

"A corporação policial do RJ tem, por meio de suas ações, um papel opressor e repressor. Repudiamos qualquer tipo de violência, apesar de acharmos que seus bumbuns ficam lindos naqueles uniformes", continua. Os pink blocs já haviam participado de protestos de rua realizadas nos últimos quatro meses, mas de forma mais discreta. Como outros manifestantes, foram alvo da repressão abusiva da polícia. Passada a parada gay, pretendem ir a mais atos.

"Em outras manifestações, a gente cantou músicas anti-homofobia. O pessoal olhava, mas respeitava, dizia que éramos corajosos. Nunca teve hostilidade. Não temos problema se nos associam aos Black Blocs, pois não é um grupo criminoso. A ideologia é parecida, mas prefiro agir de outra forma. Não quebro vidros", disse Rafucko. A intenção na parada foi importar o tom político das manifestações. "A politização está embutida na parada, mas não é explícito", disse Sá.

Mais conteúdo sobre:
Parada Gay Rio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.