GM pede proteção judicial contra falência em Nova York

A General Motors pediu proteção judicial contra falência nesta segunda-feira, empurrando a montadora centenária, que já foi considerada como símbolo da força e dinamismo econômico norte-americano, para uma nova e incerta era de controle estatal.

KEVIN KROLICKI E JOHN CRAWLEY, REUTERS

01 Junho 2009 | 10h34

O pedido de proteção contra falência é o terceiro maior da história dos Estados Unidos e o maior já feito pela indústria manufatureira do país.

A decisão de forçar a GM em direção a um rápido processo de concordata, e fornecer 30 bilhões de dólares em fundos adicionais dos contribuintes para reestruturar a montadora, é uma aposta grande e arriscada da governo de Barack Obama.

Mas em um sinal de progresso no esforço do governo, um juiz de falências aprovou a venda de praticamente todos os ativos da Chrysler para um grupo liderado pela italiana Fiat.

A recuperação judicial da Chrysler, também financiada pelo Tesouro norte-americano, era vista como um teste para uma reorganização da GM, que é muito maior e complexa que a da rival.

Mais conteúdo sobre:
AUTOSGMCONCORDATAATUALIZA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.