Google oferecerá tecnologia de combate à pirataria de vídeo

O Google, que corre para enfrentar as reações adversas ao seu site de vídeo YouTube na mídia, em breve oferecerá tecnologias de combate à pirataria que ajudarão os detentores de direitos autorais a impedir que vídeos sejam distribuídos sem autorização, anunciou o presidente-executivo do grupo na quarta-feira, 21. "Assumimos um compromisso definitivo (para com a oferta de tecnologias de proteção a direitos autorais)", disse Eric Schmidt, presidente-executivo do Google, em entrevista. "Trata-se de uma das maiores prioridades da empresa." "Concluímos um estudo sobre esse tema há apenas uma hora", disse Schmidt à agência de notícias Reuters quando questionado sobre o que o Google estava fazendo para oferecer tecnologias de combate à pirataria aos proprietários de vídeos. "Elas estarão disponíveis em breve. Não vai demorar muito." O YouTube, adquirido pelo Google no final do ano passado, planeja introduzir tecnologia para ajudar as empresas de mídia a identificar vídeos piratas armazenados no site por usuários. Mas, até o momento, as ferramentas estão sendo oferecidas como parte de conversações mais amplas sobre licenciamento, se queixam integrantes do setor de mídia. Schmidt não definiu um cronograma específico, de semanas ou meses de duração, que cobra todos os potenciais usuários, alegando que qualquer ação demorará algum tempo para se desenvolver em todos os serviços do Google, entre os quais o YouTube, e para estar disponível a todos os detentores de direitos autorais ansiosos por usar a tecnologia de combate à pirataria. "Não se trata de um produto que possa ser criado e deixado para funcionar sozinho", disse Schmidt. Defender o material protegido por direitos autorais envolve um jogo incansável de gato e rato, para acompanhar o ritmo dos hackers determinados a violar as medidas de segurança. O MySpace, popular site de redes sociais controlado pela News Corp., anunciou na semana passada que oferecerá uma versão gratuita de um pacote de serviços de combate à pirataria. O MySpace é o maior rival do YouTube.

Agencia Estado,

22 Fevereiro 2007 | 18h07

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.