Google põe em prática nesta 3ª medidas contra pedofilia

Filtro contra divulgação de atividades ligadas à pedofilia foi anunciado pela empresa na segunda-feira

da Redação, estadao.com.br

01 Julho 2008 | 08h09

Entra em vigor a partir desta terça-feira, 1, um pacote de medidas de segurança e novas ferramentas de cooperação legal em todos os sites da Google Brasil. O objetivo é combater a circulação de conteúdo abusivo nos serviços oferecidos. A empresa se comprometeu também a manter os registros de acesso e números IPs de todos os usuários do site de relacionamentos Orkut por pelo menos 180 dias. Além disso, disponibilizará evidências relacionadas a crimes contra crianças e adolescentes solicitadas pelas autoridades brasileiras, sem a necessidade de acordos internacionais.O Google informou que até desenvolveu um novo filtro tecnológico de imagens. Elas serão previamente identificadas e removidas, caso apresentem conteúdo abusivo. A empresa também se comprometeu a estabelecer um diálogo permanente com as autoridades brasileiras e investir na educação dos internautas, por meio da publicação de cartilhas e campanha online sobre comportamento adequado na web.De acordo com o presidente do Google Brasil, Alexandre Hohagen, a empresa assinará termos de acordo de cooperação com o Ministério Público Federal e a organização não-governamental (ONG) SaferNet, que monitora conteúdos impróprios na internet. "As conversas com essas duas instituições avançaram muito nos últimos tempos e entendo que, do nosso lado, não há empecilho para a assinatura dos acordos."O conjunto de ações anunciado na segunda-feira, 30, pelo Google atende à ordem judicial do relator da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pedofilia, senador Demóstenes Torres (DEM-GO), que ameaçou pedir ao Ministério da Justiça a suspensão das atividades da empresa no País, caso ela não concordasse em repassar informações ao Ministério Público, à Polícia Federal e ao Congresso. A

Mais conteúdo sobre:
pedofilia na internet

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.