Gota eleva risco de ataque cardíaco, diz estudo

Pessoas que sofrem de gota correm risco maior de ataque cardíaco, de acordo com estudo da Escola de Medicina da Universidade de Pittsburgh, publicado na edição de agosto do periódico Arthritis & Rheumatism. Este é o primeiro trabalho a mostrar que, mesmo entre homens sem histórico anterior de doenças coronárias, gota é um fator de risco significativo e independente de ataque do coração.Gota é uma doença metabólica marcada por artrite aguda e inflamação das juntas, geralmente começando no joelho ou no pé. É causada por hiperuricemia, um acúmulo de ácido úrico no sangue. Quando a hiperuricemia leva à formação de cristais de urato as juntas, o resultado é uma inflamação que se manifesta como artrite gotosa. "Nosso estudo confirma que a artrite gotosa é um fator de risco independente para enfarte do miocárdio, ou ataque cardíaco. Até agora, essa relação não havia sido explicada por ligações conhecidas com a função renal, síndrome metabólica, uso de diuréticos e os fatores de risco cardiovascular tradicionais", disse o médico Eswar Krishnan, principal autor do estudo. O trabalho examinou dados de 12.866 homens que participaram, por uma média de 6 anos e meio, do Teste de Intervenção de Múltiplos Fatores de Risco, um estudo de prevenção de doença cardiovascular. No início do estudo, havia 5.337 homens com excesso de ácido úrico no sangue. Desses, 1.123 desenvolveram gota. Não houve diferenças significativas entre os dois grupos em questões como nível de colesterol, uso de aspirina, história familiar de problemas cardíacos ou diabetes. Mas o grupo com gota teve maior probabilidade de usar diuréticos e álcool. Durante o curso do estudo, houve 118 ataques cardíacos no grupo com gota (10% do total de pacientes), e 990 (8,4%), no grupo sem. "A magnitude absoluta do risco advindo da presença de gota não foi alto", disse Krishnan, acrescentando que, mesmo assim, o resultado é estatisticamente significativo.

Agencia Estado,

02 de agosto de 2006 | 15h05

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.