Governo adia início de atividade de médicos cubanos

Após curso para se adaptar ao idioma e ao sistema de saúde do País nesta semana, médicos serão encaminhados às capitais dos Estados onde receberão orientações sobre a saúde da região

LÍGIA FORMENTI, Agência Estado

11 de setembro de 2013 | 20h05

O início das atividades de médicos cubanos dentro do programa Mais Médicos será adiado em uma semana. Os profissionais, que concluem na sexta-feira, 13, um curso de português e noções sobre saúde pública do País, serão enviados para as capitais dos Estados onde vão atuar e lá receberão orientações sobre as características do sistema de saúde da região, os hábitos e doenças mais comuns da população. "Será uma formação complementar", afirmou o ministro da Saúde, Alexandre Padilha. Somente depois de concluída essa etapa eles serão encaminhados às cidades para onde foram designados. No cronograma inicial, a transferência seria feita imediatamente depois da conclusão do curso.

A ideia é que médicos estrangeiros tenham informações sobre o funcionamento da rede de atendimento, com indicações, por exemplo, sobre os locais para onde pacientes com problemas de maior complexidade tenham de ser encaminhados. A estada dos profissionais durante a próxima semana deverá ser organizada com governos estaduais e municipais das áreas onde os profissionais foram designados.

A avaliação dos profissionais deverá trazer três questões. Padilha avalia que o formato não traz nenhum inconveniente. "Ali serão avaliados os conhecimentos de português", disse. "Ao longo das três semanas, uma série de atividades foram e estão sendo realizadas, justamente para verificar conhecimentos técnicos dos profissionais. E essa avaliação será contínua", disse, numa referência ao acompanhamento que médicos terão com supervisores indicados por universidades.

A avaliação das três semanas de preparação dos profissionais estrangeiros deverá ser concluída na sexta. Somente profissionais aprovados embarcam para o acolhimento nas capitais dos Estados onde vão atuar.  Nesta quarta-feira, 11, o ministério divulgou números parciais da adesão de profissionais brasileiros ao Programa Mais Médicos. Até o início da manhã 511 médicos confirmaram a participação no programa do governo federal o equivalente a 47% dos 1.096 que haviam se candidatado a integrar a iniciativa. A adesão foi suficiente apara atender a demanda de 216 municípios e quatro distritos de saúde indígenas de um total de 453 que solicitaram a vinda de médicos recrutados pelo governo federal.

Mais conteúdo sobre:
MAIS MÉDICOSCUBANOSADIAMENTO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.