Governo amplia indicação do uso de antirretroviral

O Ministério da Saúde vai ampliar a recomendação do uso de antirretrovirais para pessoas com HIV no País. A prescrição do remédio começará a ser feita em estágios menos avançados da doença. Além disso, soropositivos com parceiros sem HIV poderão começar a tomar o remédio em qualquer estágio, independentemente da contagem de células de defesa no organismo (CD4).

LÍGIA FORMENTI, Agência Estado

28 de agosto de 2012 | 08h21

A estratégia para casais sorodiscordantes - quando somente um dos parceiros é portador do vírus - já vinha sendo adotada informalmente por um número pequeno de médicos. Agora, ela é recomendada de forma expressa no documento, preparado na semana passada por especialistas.

Pelo novo protocolo, pacientes com HIV com exame de CD4 igual ou inferior a 500 passarão a ter indicação para uso de remédios. A mudança deverá ampliar em 35 mil o número de pessoas no País usando antirretrovirais. Hoje, são 217 mil em tratamento.

Desde 2008, o País vem antecipando a indicação do uso de antiaids. Naquela época, o remédio era indicado quando a contagem de células CD4 era igual ou inferior a 200. "A mudança foi tomada após estudos mostrarem a queda do risco de transmissão quando o paciente inicia precocemente o uso de antirretrovirais", afirmou o ministro da Saúde, Alexandre Padilha. De acordo com ele, o Brasil será o terceiro país com distribuição gratuita de remédios a adotar essa estratégia. No momento, Argentina e Bolívia seguem protocolo semelhante.

Padilha não acredita que haverá abusos na indicação. "Os médicos saberão o momento certo de indicar. Antirretrovirais trazem efeitos colaterais." Ele enfatizou ainda que o uso do preservativo deve ser mantido. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

Tudo o que sabemos sobre:
saúdeaidsmedicamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.