Daniel Teixeira/AE
Daniel Teixeira/AE

Governo contratará 4 mil médicos cubanos

No primeiro momento, virão 400 médicos para 701 municípios, a maioria do Norte e Nordeste do País; investimento será de R$ 511 milhões até fevereiro de 2014

Lisandra Paraguassu, da Agência Estado,

21 de agosto de 2013 | 18h00

Texto atualizado às 22h30  

 

BRASÍLIA - O governo federal vai contratar 4 mil médicos cubanos em um convênio com a Organização Panamericana de Saúde (Opas), segundo informações do Ministério da Saúde. Os profissionais irão suprir as vagas não preenchidas no programa Mais Médicos.

 

Em um primeiro momento, virão 400 médicos para 701 municípios, a maioria do Norte e Nordeste do País. O investimento será de R$ 511 milhões até fevereiro de 2014.  

 

De acordo com o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, o Brasil repassará à Opas a mesma quantia que pagará aos brasileiros: R$ 10 mil por mês e até R$ 30 mil de custos de mudança. A diferença é que os cubanos verão uma pequena parte desse dinheiro.  

 

Todos os recursos serão entregues ao governo cubano, que fará o pagamento - em média, em outros contratos semelhantes, os profissionais ficam com 30%. Padilha, no entanto, afirma que não cabe ao governo brasileiro questionar o método e que não sabe qual será o salário dos cubanos.  

 

O representante da OPAS no Brasil, Joaquín Molina, responsável direto pela negociação, também disse não saber quanto os profissionais ganhariam. “A preocupação do ministério é que esses profissionais tenham qualidade para fazer o atendimento e condições de atender bem a população", afirmou o ministro, lembrando que os profissionais receberão moradia e alimentação dos municípios onde vão trabalhar.  

 

A chegada dos primeiros 400 profissionais foi adiantada, para que pudessem participar da primeira rodada de treinamento e avaliação, de três semanas, nas oito universidades que participam do programa.  

 

O Ministério da Saúde pediu, e teria conseguido, médicos com residência em saúde da família, que tivessem experiência internacional e em países de língua portuguesa, de preferência que tivessem atuado com o Brasil em ações no Haiti e possuam experiência também na região amazônica.

 

Inscrições. O programa Mais Médicos busca incentivar a ida de profissionais para as periferias das grandes cidades e para o interior do País e prevê a contratação de estrangeiros.

 

Duramente criticado pela categoria, o programa teve, na sua primeira seleção, um total de 1.618 médicos inscritos - número que representa apenas 10,5% da demanda de 3.511 cidades. Desse total, 522 profissionais atuam hoje no exterior.

 

Segundo o Ministério da Saúde, a previsão é de que sejam atendidos cerca de 6,5 milhões de usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

Tudo o que sabemos sobre:
Mais Médicosestrangeiros

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.