Governo cria comissão de especialistas para avaliar Pnad 2013

A comissão de sindicância terá 30 dias para apurar o que levou ao erro; a apuração pode levar à demissão da presidente do IBGE, Wasmália Bivar, responsável pelo levantamento

Nivaldo Souza, O Estado de S. Paulo

23 Setembro 2014 | 07h43

A Casa Civil criou nesta terça-feira a Comissão de Sindicância Investigativa para apurar os erros nos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio 2013 (Pnad), divulgada na semana passada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A sindicância foi instalada em portaria publicada no Diário Oficial da União desta terça-feira, 23, e será liderada pelo secretário-executivo da Casa Civil, Valdir Simão. O secretário tem sido acionado pelo Palácio do Planalto para tarefas tidas pelo governo como árduas.

Sem filiação partidária, Simão foi elevado ao posto de secretário-executivo do Ministério do Turismo, depois que a Operação Voucher da Polícia Federal prendeu seu antecessor, Frederico da Silva Costa, por envolvimento em desvios em convênios da pasta em 2011.

Em 2009, Simão havia assumido a secretaria da Receita Federal, a pedido do ministro da Fazenda, Guido Mantega, para debelar um motim grevista do sindicato dos auditores fiscais.

A comissão será integrada pelo analista do Ministério do Planejamento, Igor Vinicius Geracy, a especialista em finanças da Controladoria-Geral da União, Érika Lemância Santos, e o delegado da Polícia Federal, Ricardo Hiroshi Ishida. Os analistas de finanças e controle Francisco Eduardo Bessa e Luciana da Silva Barbosa serão assessores técnicos da comissão.
A Pnad referente a 2013 foi divulgada na última quinta-feira, 18, pelo IBGE e, no dia seguinte, corrigida. O IBGE informou, na ocasião, que erros afetaram os resultados de sete Estados: Ceará, Pernambuco, Bahia, Minas Gerais, São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul. As maiores alterações ocorreram no índice de Gini, que mede a desigualdade.

A comissão de sindicância terá 30 dias para apurar o que levou ao erro. A apuração pode levar à demissão da presidente do IBGE, Wasmália Bivar, responsável pelo levantamento. Na avaliação de interlocutores do governo, a presidente do instituto de pesquisa perdeu as condições de permanecer no cargo.

Mais conteúdo sobre:
GOVERNOCOMISSAOIBGE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.