Governo de SP amplia ensino de mandarim

O convênio do governo da China com a Secretaria de Estado da Educação para promover o ensino de mandarim nas escolas da rede estadual será ampliado para as cidades de Franca e Araraquara. O projeto, em fase de testes desde abril, tem 160 estudantes matriculados em São Paulo e São José dos Campos.

LUIS CARRASCO, Agência Estado

20 de julho de 2012 | 09h47

De acordo com a secretaria, os Centros de Estudos de Línguas, do governo estadual, deverão oferecer o ensino de mandarim a partir do próximo ano.

A diretora do gabinete chinês responsável pelo ensino de mandarim aos estrangeiros, Xu Lin, que está no Brasil, informou que o governo chinês está investindo cerca de R$ 250 milhões no Instituto Confúcio para promover o mandarim e a cultura chinesa em 108 países.

No Brasil, existem quatro unidades do instituto, que funcionam em parceria com universidades. Cada unidade recebe cerca de R$ 400 mil por ano para manter os cursos, oferecidos a preços simbólicos. "Por enquanto, temos de subsidiar os programas de ensino do mandarim, mas, daqui a 30 anos, as pessoas talvez tenham de pagar para aprender chinês, assim como fazem com os cursos de inglês." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

Tudo o que sabemos sobre:
educaçãoChina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.