Governo de SP amplia ensino médio técnico

Objetivo é aumentar a oferta de mão de obra e reduzir evasão dos alunos nessa etapa da educação básica

Mariana Mandelli, O Estado de S.Paulo

12 de julho de 2011 | 00h00

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) anunciou ontem o lançamento do programa Rede Ensino Médio Técnico, que vai ampliar a oferta de vagas da modalidade no Estado de São Paulo. A ideia do governo é aumentar a oferta de mão de obra e evitar a evasão dos alunos nessa etapa da educação básica.

Para isso, foram anunciadas parcerias da Secretaria de Estado da Educação com o Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza e o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP). O governo também abrirá, nesta semana, uma chamada pública para instituições particulares interessadas em participar do programa estadual.

"Tudo isso para estimular o aluno que terminou o 9.º ano do ensino fundamental não parar de estudar e ir para o ensino médio", disse Alckmin, citando a evasão que essa etapa de ensino enfrenta hoje nas escolas estaduais. "Ele vai sair melhor formado e vai atender o mercado, tendo o ensino médio, e já vai ser um técnico diplomado."

Conforme o Estado havia adiantado em maio, a ampliação das vagas ocorrerá por meio de duas modalidades: concomitante e integrada. O modelo concomitante deve começar em outubro, com 30 mil vagas voltadas para os alunos matriculados no 2.º ano do ensino médio. O estudante vai cursar o ensino médio regular em uma escola estadual e o técnico em uma das instituições que ainda serão credenciadas. O governo quer implementar o modelo em cidades com mais de 40 mil habitantes - o que totaliza 155 municípios. Caso a procura seja maior que a oferta, haverá sorteio. "Temos um orçamento separado apara atender até 30 mil alunos", disse o secretário da Educação, Herman Voorwald.

O modelo integrado começa apenas em 2012, com 10 mil vagas. Nele, o aluno do 1.º ano do ensino médio de escolas previamente escolhidas vai, em um único curso, ter acesso à formação básica e à técnica.

O curso será organizado pela Secretaria Estadual, Centro Paula Souza e IFSP. O ingresso será por vestibulinho (para o Centro Paula Souza, com 8 mil vagas) e sorteio (pelo IFSP, com 2 mil vagas). É a primeira vez que os governos estadual e federal se unem, em São Paulo, para ampliar a oferta de ensino técnico numa mesma ação.

O governo estadual pretende atingir, em 2012, com os dois modelos, 100 mil vagas. Segundo a diretora-superintendente do Paula Souza, Laura Laganá, ainda não se sabe a quantidade existente dessas vagas e o quanto deve ser ampliado. "Não adianta ampliar sem saber a demanda", diz. "Ainda estamos fazendo esse estudo e só saberemos em dois meses."

Empregos. Segundo Alckmin, o governo lança na quinta-feira o Via Rápida, um programa para oferecer cursos rápidos, de um a três meses, para desempregados sem ensino médio. Serão oferecidos bolsas de R$ 210 e vale-transporte de R$ 120, além de incentivar o ingresso em cursos de Educação para Jovens e Adultos (EJA) para concluir os estudos.

MODELOS

Forma concomitante

Terá início a partir de outubro deste ano, quando 30 mil vagas serão abertas. O aluno cursará o ensino médio na rede estadual e o técnico em uma das instituições privadas de educação profissional que serão credenciadas pelo governo. É voltado para alunos do 2º ano do ensino médio estadual. As inscrições vão de 23 de agosto a 4 de setembro e, se houver mais inscritos que vagas, haverá sorteio.

Forma integrada

Terá início em 2012. A formação básica e o ensino técnico serão oferecidos em um único curso, formatado pela secretaria, Centro Paula Souza e Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo. Poderão concorrer às vagas estudantes do 1º ano do ensino médio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.