Governo de SP fará concessões a trabalhador da CPTM

Apesar da entrega de três novos trens hoje para a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), a relação entre o governo do Estado de São Paulo e os ferroviários ainda não está totalmente restabelecida após a greve da semana passada. Hoje, ambos os lados terão uma audiência de conciliação no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) a partir das 13 horas. Segundo o secretário estadual de Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, o governo pretende fazer algumas concessões em relação aos benefícios para a categoria. "Não tem como mexer no reajuste."

ÁLVARO CAMPOS, Agência Estado

10 Junho 2011 | 11h41

De acordo com Antonio Carlos Nunes, diretor de Patrimônio do Sindicato dos Ferroviários da Sorocabana, a categoria vai para a audiência dividida. "Vai depender das propostas que a secretaria apresentar oficialmente. Eles mencionaram a intenção de conceder esses benefícios, mas oficialmente não tem nada ainda."

Após a reunião, o sindicato vai levar as propostas para uma assembleia-geral dos ferroviários, que deve acontecer às 18 horas, na Estação Júlio Prestes. "A coisa está bem dividida. Na parte financeira, esses benefícios não refletem muita coisa. O que deixaria a categoria satisfeita é um ganho real acima do 1,5% que o governo está oferecendo."

Apesar das divergências, Fernandes ressalta a importância da categoria ter mantido a mobilização sem fazer greve. Segundo ele, entre as concessões que o governo pretende apresentar hoje na reunião do TRT está a extensão do auxílio-maternidade para seis meses, um cartão funcional para que funcionários da Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô) possam usar a CPTM gratuitamente e vice-versa e a redução do tempo de estágio dos novos maquinistas, de seis para três meses, antecipando assim o aumento do salário com a efetivação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.