Governo dos EUA e empresas de tecnologia chegam a acordo sobre espionagem

A administração Obama e grandes empresas de tecnologia dos Estados Unidos chegaram a um acordo que permitirá às companhias a divulgar ao público mais detalhes sobre ordens judiciais que receberem ligadas a espionagem, informou o Departamento de Justiça norte-americano nesta segunda-feira.

Reuters

27 de janeiro de 2014 | 20h44

O acordo, depositado no tribunal de vigilância e inteligência externa dos EUA, irá atender demandas de companhias como Google e Microsoft por mais liberdade para abrir dados sobre ordens judiciais, de acordo com documentos divulgados pelo departamento.

As empresas pediram esclarecimentos sobre seus relacionamentos com autoridades legais norte-americanas e agências de espionagem em junho, quando vazamentos à imprensa do ex-prestador de serviços da Agência Nacional de Segurança dos Estados Unidos (NSA) Edward Snowden começaram a mostrar a profundidade das capacidades de espionagem norte-americanas.

A administração do presidente Barack Obama, no entanto, tem sido cautelosa em abrir dados que poderiam ajudar militantes suspeitos de outros países a evitar vigilância.

O acordo será aplicável a todas as companhias e daria a elas novas opções sobre como apresentar informação.

(Por David Ingram)

Mais conteúdo sobre:
TECHGOOGLEMICROSOFTOBAMA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.