Governo faz da CDE colchão para amortecer custo de térmicas

O governo lançou nesta sexta-feira um conjunto de medidas que, na prática, transformam a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) numa espécie de colchão para amortecer os impactos tarifários dos custos adicionais gerados pelo acionamento emergencial de termelétricas para garantir a segurança do abastecimento.

Reuters

08 de março de 2013 | 13h24

Por meio de decreto, foi estabelecido que a conta - que hoje possui um saldo de 11 bilhões de reais - vai cobrir neste ano não somente o custo das usinas termelétricas, pago pelas distribuidoras, como também irá neutralizar a exposição das concessionárias ao mercado de curto prazo.

"Não há empréstimo nessa operação, estamos pagando esses encargos via CDE para não prejudicar as distribuidoras e não refletir em impacto tarifário", disse o secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin.

Em outra frente, o governo também vai mudar a forma de cálculo do preço das térmicas acionadas para garantir a segurança do abastecimento.

Segundo o presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Maurício Tolmasquim, o impacto do custo da geração térmica adicional para os consumidores de energia elétrica será reduzido em 75 por cento e o uso da CDE ainda ajudará a diluir esse impacto.

Essa segunda medida, mais estruturante, criará uma espécie de colchão, que impedirá que o acionamento ou não das térmicas cause grandes variações nas tarifas.

"Queremos evitar que o episódio de risco hidrológico faça com que a tarifa tenha elevação num determinado momento e posteriormente uma redução significativa. Entendemos que essa variação não é positiva para o país", afirmou Augustin.

O governo agora passará a levar em conta, na formação de preços do setor, os despachos das térmicas por motivos de segurança (conhecidos no setor como despacho fora da ordem de mérito).

(Por Leonardo Goy e Tiago Pariz)

Tudo o que sabemos sobre:
ENERGIATERMICACONSUMIDOR*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.