Governo lança campanha por trânsito seguro no carnaval

Na tentativa de reduzir os índices de acidentes que tornam o trânsito brasileiro um dos mais violentos do mundo, o País terá, pela primeira vez este ano, um carnaval com tolerância zero de álcool ao volante. O ministro das Cidades, Aguinaldo Ribeiro, informou que milhares de agentes vão agir de forma integrada, nas rodovias federais, estaduais e nos entroncamentos das cidades, para impedir a repetição dos acidentes, que sobem 50% nessa época em relação ao resto do ano. "Com a nova lei seca, esperamos haver um aumento significativo da punibilidade nas blitze", avisou o ministro.

VANNILDO MENDES, Agência Estado

04 de fevereiro de 2013 | 20h30

Ele deu a informação ao lançar, na tarde desta segunda-feira (04), a campanha publicitária para rádio e televisão voltada para a redução dos acidentes de trânsito no carnaval, cujo lema é "Bebida e direção - deixe essa mistura fora da festa".

O trânsito brasileiro, informou o ministro, mata em média 42 mil pessoas por ano, ou 116 ao dia. "Isso significa uma tragédia de Santa Maria a cada dois dias", comparou Ribeiro, referindo-se ao incêndio que matou 237 pessoas numa boate na cidade do Rio Grande do Sul, na semana passada.

As principais causas dos acidentes são ultrapassagens e excesso de velocidade. Em cerca de 60% dos acidentes, um dos envolvidos apresenta sinais de embriaguez. A campanha se destina a chocar e conscientizar a população sobre as sequelas da violência do trânsito para as famílias das vítimas, a sociedade e a economia. "Todo esforço do governo é para mudar a postura da população e criar uma conscientização semelhante à que fez o cinto de segurança pegar", disse. "Queremos que a tragédia diária do trânsito provoque na sociedade a mesma indignação e comoção de Santa Maria", acrescentou.

Durante o ato, que teve a participação do deputado Hugo Leal (PSC-RJ), autor da Lei Seca, foi feito o teste do bafômetro com cinco voluntários, que ingeriram cinco tipos diferentes de produto com teor alcoólico: bombons de licor, antisséptico bucal, cerveja, vinho e vodca. Eles sopraram o aparelho 25 minutos após ingerir os produtos. No caso do bombom e do antisséptico, os vestígios de álcool sumiram totalmente e o bafômetro marcou zero.

Os outros três foram apanhados no teste, mas pegaram apenas infração administrativa porque não atingiram o limite de 0,34 miligrama, a partir do qual o teor caracteriza crime. O terceiro voluntário tomou uma garrafa long neck de cerveja (355 ml) e o exame apresentou 0,11 miligrama por litro de ar, mais que o dobro da taxa permitida 0,05 miligrama. O quarto, com uma taça de vinho bem servida, acusou 0,05 miligrama, bem no limite. O último voluntário acusou 0,10 miligrama com uma dose robusta de vodca.

A Resolução 432 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), em vigor desde 29 de janeiro, derrubou para 0,05 miligrama por litro de ar o teor medido pelo bafômetro, antes de 0,1 miligrama por litro de ar (equivalente a um copo de cerveja). Se o teor estiver abaixo de 0,34 miligrama, a punição se restringirá a multa de R$ 1.915,40, recolhimento da habilitação e retenção do veículo até a apresentação de um condutor habilitado. A partir desse limite, o infrator incorre em sanções criminais e será encaminhado a uma delegacia.

Tudo o que sabemos sobre:
carnavaltrânsitocampanha

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.