Governo pede que Aneel retome concessão da usina Três Irmãos

O Ministério de Minas e Energia pediu que a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) inicie o processo de retomada da concessão da hidrelétrica Três Irmãos, disse o secretário-executivo Márcio Zimmermann a jornalistas nesta terça-feira.

Reuters

19 de março de 2013 | 15h32

A hidrelétrica que é operada pela Cesp já está com o contrato de concessão vencido desde 2011. A Cesp preferiu não aderir ao processo de renovação condicionada da concessão proposto no ano passado pelo governo, que implicaria em redução de receitas. Como a geradora não aderiu ao programa, Três Irmãos será retomada pelo governo e relicitada.

Segundo Zimmermann, um dos primeiros passos para retomada da concessão é a distribuição da energia da usina em cotas, tema que estava na pauta da reunião da diretoria da Aneel desta terça-feira, mas que acabou sendo retirado da discussão.

Zimmermann participou nesta terça-feira de encontro de presidentes de empresas do Brasil e dos Estados Unidos no Itamaraty. Um dos temas da pauta conjunta, segundo Zimmermann, é a produção do chamado petróleo ou gás não convencional -- objeto de um leilão marcado para outubro.

"Nos interessa que eles (EUA) venham participar das rodadas", disse Zimmermann se referindo não somente à rodada de recursos não convencionais como também à 11a rodada de gás e petróleo marcada para maio e à primeira licitação de áreas do pré-sal.

Segundo Zimmermann o gás não convencional sempre foi um dos pontos da agenda entre os dois países. Ele lembrou que os EUA tem mais experiência nesse tipo de exploração e que o Brasil tem um grande potencial.

Zimmermann afirmou ainda que uma das alternativas futuras para o uso de gás não convencional seria a construção de termelétricas "na boca do poço". Essa possibilidade decorre do fato de que o Brasil não possui uma malha de gasodutos tão extensa como a dos EUA.

(Reportagem de Leonardo Goy; Edição de Anna Flávia Rochas)

Tudo o que sabemos sobre:
ENERGIAMMETRESIRMAOSLEGAL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.